Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Bananas e anti-racismo: para além da ironia


No domingo 27 de abril de 2014, Daniel comeu a banana e continuou jogando. Usou de ironia para combater a atitude preconceituosa e racista, recebendo aplausos e adeptos em todo o país.

30 de abril de 2014, Bruno Lima Rocha

O lateral direito do Barcelona e da seleção brasileira, Daniel Alves, protagonizou um episódio onde a ironia e a reação espontânea deu margem para o debate anti-racista em escala mundial. No domingo 27 de abril de 2014, o mundo inteiro o viu comer uma banana atirada para este jogador baiano por um torcedor do clube espanhol (valenciano) Villareal, adversário do time catalão. Daniel comeu a banana e continuou jogando. Usou de ironia para combater a atitude preconceituosa, recebendo aplausos e adeptos em todo o país.

 

enviar •
imprimir •

Seu colega de time, o também craque e jogador da seleção, o ex-santista Neymar, lançou campanha pelo twitter e imediatamente mobilizou de celebridades midiáticas a milhões de anônimos. De pronto a presidenta do Brasil, a ex-guerrilheira Dilma Rousseff, seguiu os passos via microblog. Em paralelo, a comoção que já abalava globais pelo assassinato de DG (Douglas Rafael da Silva Pereira), dançarino do Programa Esquenta (baluarte da miscigenação positiva e do elogio da mestiçagem apolítica), engajou o elenco da emissora líder na causa do fim do preconceito racial.

Por mais que sempre seja louvável qualquer iniciativa neste sentido, é preciso qualificar o debate e, ao menos, tentar atravessar uma agenda mais política e menos emotiva. O lema “Somos todos macacos!” vai se tornar um novo ícone da indústria cultural e, aproveitando o mau momento da imagem brasileira para o exterior (com o sistemático assassinato de cidadãos afro-brasileiros), o Ministério do Turismo lançou a #CopaSemRacismo, através de milhões de compartilhamentos nas redes sociais.

O resultado pode ser mais do mesmo. Por um lado, torna-se pública a atitude de Daniel Alves, esta gera adesões sem fim, e serve de discurso de legitimação para a parcela da sociedade brasileira que vê a integração como fator positivo. Por outro, esta mesma parcela, cuja maioria é despolitizada, não se engaja na luta pelos direitos civis fundamentais da população afro-descendente territorializada. Falo de moradores de remanescentes de quilombos reconhecidos e os não reconhecidos, na versão contemporânea de favelas, cortiços, mocambos, vilas e periferias sem fim. Nesta mesma luta se inclui a agenda da política de cotas e a exigência de que a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) seja mais ativa e agressiva na defesa das pautas da maioria.

Na era da midiatização e com a ausência de um setor de movimento negro massivo e nas ruas, viria bem um ícone esportivo mais aguerrido. Algo parecido ao papel que cumpriu o pugilista Muhammad Ali (Cassius Clay), quando em 1966, se recusou a servir ao exército dos EUA e ir à guerra do Vietnã. Ali marcava um momento histórico, projetando o campeão do povo (como eram conhecidos os pesos pesados no boxe) para além da tagarelice e as provocações que tanto o marcaram.

É positiva a reação espontânea de atletas profissionais, em geral pouco ou nada afeitos a se posicionarem socialmente, mesmo quando a opressão os atinge. Neste sentido, superar o paradigma de Pelé fora do campo (Edson Arantes do Nascimento) é um pequeno avanço. Mas daí a festejar um engajamento imediato e midiático, onde pegam carona todos os omissos e hipócritas de sempre, seria um grande equívoco.

Este país precisa reencontrar-se com si mesmo, encarando a escravidão africana e o genocídio indígena como o Holocausto que se abateu sobre nosso povo. Definitivamente, não é com ironia e bom humor que se enfrentam senhores de engenho, capitães do mato e feitores.

Artigo originalmente publicado no site AfroPress.






« voltar