Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial
















































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

ESTAMOS SOB UMA AMEAÇA FASCISTA?

uol

Se isso não for uma ameaça, éo que?

30 de março de 2018, Bruno Lima Rocha

O tema é preocupante e agora deixou de ser uma especulação para entrar no campo das probabilidades. Para o fascismo avançar, de forma "clássica", seria preciso uma estrutura organizada, um partido organizado de fato, algo que nem sequer o Dr. Enéas Carneiro arriscou organizar. Massificar a extrema-direita - por uma vertente de verniz nacionalista-conservador ou mais alinhada com a "linha chilena" - não é tarefa fácil e menos ainda controlável. Na ausência de um partido fascista, não tendo nem sequer uma legenda eleitoral nitidamente identificada com as duas vertentes listadas acima, passamos para uma segunda caracterização.

enviar •
imprimir •

O Brasil vive um clima fascista nas redes sociais e que vai ao encontro de dois fenômenos permanentes na estrutura social das classes sociais oprimidas no país. As duas estruturas abaixo incidem sobre a democracia brasileira (liberal, indireta, mas tensionada por uma Constituição Cidadã e o reconhecimento de direitos de 4a geração) e foram catalisadas pela força difusora do ódio e da imbecilidade através de dois expoentes desta demência coletiva. O deputado federal pelo Rio de Janeiro e pré-candidato à Presidência, Jair Bolsonaro (PSC/RJ) e o incansável difusor de teses conservadoras e estapafúrdias na rede, o astrólogo Olavo de Carvalho. Estes dois personagens acima seriam apenas ridículas caricaturas (pelo critério de razoabilidade) caso não tivessem sendo propaladas através da internet massificada no Brasil e indo ao encontro de duas instituições sociais - difusas, mas perenes - como as citadas abaixo.

Primeiro, o dia a dia da maior parte de nossa população, em especial das maiorias urbanas e periféricas (vivendo nas 30 Regiões Metropolitanas) é atravessado pela violência estatal, o controle estendido das facções oriundas do domínio do sistema prisional e da precariedade nos direitos civis. Isso cria um clima fascistoide, onde transitam com vigor as lógicas como "bandido bom é bandido morto". Mais à frente, em outras publicações, vamos debater (novamente) o carcomido modelo policial brasileiro.

A segunda permanência na estrutura social brasileira é o crescimento vertiginoso do neopentecostalismo. Estas "igrejas" de formato empresarial captam liquidez financeira (com doações desproporcionais a renda dos fieis e em espécie) e adesão nas bases da sociedade e não são unificadas, concorrendo entre si. Mas, estas “igrejas” acabam tendo alguns expoentes midiáticos como o "bispo" Edir Macedo (e seu sobrinho prefeito do Rio de Janeiro pelo PRB, Marcelo Crivella, PRB/RJ); o pastor e deputado federal por São Paulo Marco Feliciano (do Avivamento, um ramo da Assembleia de Deus e com mandato pelo PSC/SP) e o melhor polemista de todos e também o mais agressivo, líder da ala majoritária da Assembleia de Deus no Brasil, o pastor e psicólogo Silas Malafaia.

Essas duas presenças (violência policial e para-policial e neopentecostalismo conservador) e as consequentes compreensões de fenômenos como violência estatal, economia do crime, postura predatória e individualismo levam a um ódio entre os debaixo e o apoio consequente a práticas ilegais de repressão, chegando a apoiarem execuções extra judiciais.

O encontro é explosivo, pois a propaganda absurda do clã político dos Bolsonaro encontra eco na pregação do ódio por Marco Feliciano e dos giros cada vez mais à direita política,  ideológica e eurocêntrica de Silas Malafaia. Ao mesmo tempo, esta mensagem ganha impacto nas camadas populares e entre operadores das Polícias Militares - que em geral não questionam o modelo da instituição - e defendem as práticas de violência excessiva, diuturnamente praticadas. É uma soma explosiva quando há vazio político, criminalização tanto dos intermediários profissionais (em geral oligarcas comprometidos consigo mesmos, vide o Congresso do golpe) como do empresariado familiar brasileiro (dilacerado após a Lava-Jato). Como a centro-esquerda após 13 anos de governo nacional com aprovação popular recorde não criou uma nova base social permanente, estamos diante do abismo ideológico a ser conquistado. Já soou o gongo.

2013, Venezuelização e os pregadores do ódio

Se formos recapitular os episódios brasileiros desde 2013, ficou evidente algo. Os governos lulistas (PT como partido de governo, PC do B como força aliada principal e a composição de pacto de classes) não criaram uma força social para servir como base para além do eleitoral. Daí a surpresa que todas e todos tivemos com a adesão massiva em 2013 - muito antes de junho, me refiro, por exemplo, à vitória do direito coletivo arrancado a unha em Porto Alegre ainda em maio daquele ano - e reorientação dos grupos de TV sobre o Junho. Recordo que os carros das equipes de televisão estavam sendo incendiados por quem ocupava a rua protestando contra o aumento das passagens e os repórteres trabalhando sem canopla, ou seja, sem identificação das emissoras. Em seguidos episódios, os editoriais foram modificados e as coberturas alteradas para louvar os "bons protestos" (sugiro conferir os trabalhos dos jovens jornalistas gaúchos Pedro Kessler e Anderson Huber).

A outra "surpresa" veio na sequência, com a incrível capacidade da excrescência dar a cara na rua, no processo conhecido em 2014 e em 2015 como a "venezuelização da política brasileira". Ainda no final de 2014 já havia atos na Avenida Paulista com 20 mil alucinados convocados por pastores e o clã Bolsonaro contestando os resultados eleitorais. Isso concomitante à maturação da nova geração de neoliberais militantes, cujo expoente máximo é a empresa que atende pela sigla de MBL e sua incrível capacidade técnica de criar fatos políticos a partir de factoides digitais e a decorrente perseguição de seus alvos e desafetos.

Hoje, aqueles e aquelas que conhecem um pouco da nova direita cibernética brasileira (operando no Brasil seria o melhor termo) veem que há uma tendência à separação entre "liberais" x "conservadores", respectivamente estando os primeiros sob os holofotes do MBL e os segundos sob a liderança de Bolsonaro. As teses podem se aproximar, já que têm inimigos comuns, motivações semelhantes, a mesma incidência de valores e simbologia da política neoconservadora dos EUA e uma enorme munição de gerar fatos controversos e "fake news" através das redes sociais.

A soma destes setores é desproporcional à sua capacidade de convocatória pela internet. Mas tal como as fake news, alguém, alguns, pensam parecido e emitiram tais enunciados para um robô, empresa ou algoritmo cruzar e propagar. Ou seja, atrás desta fumaça, há fogo. Não apenas há fogo como há uma dimensão autorizativa de propagar o ódio, de virar o fio, algo que as maiores empresas de comunicação, a começar pela própria Globo, resolveram colocar um pé no freio - ao menos na rede aberta e em formadores de opinião conservadora - após os assassinatos de Marielle Franco e Anderson Gomes.

Se há alguma responsabilização por este conjunto endêmico de ódio social, reproduzindo o pior do Brasil em todos os níveis, eu concordo com a tese de Luis Nassif e atribuo a campanha dos maiores grupos de mídia contra as tímidas políticas compensatórias do lulismo. A começar pela maldita campanha contra as cotas e a ridícula tese do Diretor Geral de Jornalismo e Esportes da Globo,  Ali Kamel,  com seu livro "Não somos racistas" (editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 2006). Ou então na presença de Reinaldo Azevedo com seu blog à frente da Veja (onde trabalhou por doze anos, até maio de 2017) cunhando termos como "esquerdopata". Depois de propalado, com a potência que tinha a revista semanal dos Civita, o estrago encontra eco nas cloacas da sociedade e se dispersa perigosamente.

Para concluir esta breve série, é preciso compreender - interpretar ao menos - efeitos da Lava-Jato e do governo Temer sobre esta ameaça. Estamos diante da quebra do pacto de classes do lulismo- situação conjuntural que leva a uma derrota estrutural em termos econômicos - e do dilacerar da Constituição - esta sim uma derrota estratégica que todo o povo vem sofrendo - o país viveu um transe - que já passou - onde todas as piores teses, as mais asquerosas e horrendas, entre regressivas e racistas, vieram à tona. A agenda do Congresso antes do impeachment do segundo governo Dilma já era terrível e continuou sendo, ampliando ao máximo a regressão de direitos.

Outro fator importante é o isolamento societário do governo Temer, auxiliando-se cada vez mais em cima do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), do ministro e general Sérgio Etchegoyen, nos decretos de GLO (Garantia da Lei e da Ordem, como no Rio, por exemplo) e agora na pirotecnia - já fracassada - da Intervenção Federal no Rio de Janeiro (a ressaca pós-carnaval de Temer). Este conjunto explosivo, mais as falas perigosas do general - agora na reserva - Hamilton Mourão, somado ao impedimento - fático - de Lula concorrer, coloca o ex-capitão Jair Bolsonaro com 20% de intenções de voto caso chegue ao segundo turno. Por direita, extrema ou lavada, o "mito" se torna a opção "mais viável" para tentarem vencer as eleições, e a certeza mais segura de não conseguir governar, transformando o país em um caos em todos os níveis.

A situação é bem difícil e traz o elemento incendiário dos assassinatos de Marielle Franco e Anderson Gomes (em 14 de março de 2018). Em outras circunstâncias, estes crimes estariam atados ao terrível contexto do Rio de Janeiro, com para-militarismo, controle territorial e violência recheada de execuções extralegais. Mas, como os assassinatos se deram sob Intervenção Federal e nas horas seguintes sofreram uma enxurrada de Fake News e crime contra a honra da militante do PSOL, negra, homoafetiva, feminista e cria da Maré, nos deparamos diante de um divisor de águas. Antes e depois deste crime. Definição explícita de lados, e o flerte do fascismo com alguma chance de exercício de poder - basta observar a campanha do Trump e como estes métodos estão se reproduzindo no Brasil - enquanto os conglomerados de mídia tentam se desvencilhar do monstro que ajudaram a criar.

Como já disse antes, o gongo já soou para o povo brasileiro. Nenhuma expressão fascistoide, seja pela Intervenção Militar, seja na candidatura de Bolsonaro, seja na versão de linha chilena e "fascismo de mercado", nada disso pode passar!

 






« voltar