Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Mandela e a lição para o Brasil

mundoafricano

Ao superar o Apartheid, necessariamente o símbolo do território tinha de refletir a nova unidade pluriétnica

14 de dezembro de 2013, Bruno Lima Rocha

 

O funeral de Nelson Mandela é o termômetro de seu peso político para o mundo. Cabe uma reflexão deste legado em comparação com a matriz africana que o Brasil ainda renega. Interessante observar que o mito não chegou a contaminar-se com o governante. A sabedoria política o faz assumir o Poder Executivo apenas por um mandato (1994-1999), o primeiro após a transição seguida das eleições gerais, de modo que o herói não se desgastou tanto como gestor.

enviar •
imprimir •

Em seu governo, a África do Sul conseguiu duas proezas antagônicas. No aspecto negativo, seu mandato foi marcado por uma agenda social tímida seguida de reestruturação econômica sob tutela do FMI e campanha de privatizações. No intuito de pacificar o país, a distribuição de renda foi adiada, fazendo parte das promessas não cumpridas pelo Congresso Nacional Africano (CNA). Apesar da fuga de capitais bôeres, a estrutura produtiva ainda é muito vinculada aos colonizadores de origem holandesa, concentrando cerca de 80% do PIB do país.

 

No aspecto positivo, unificou o país, assumindo o conceito de Estado Plural, com um conjunto de etnias e multiplicidade de idiomas. Neste caldeirão cultural, a herança dos bôeres foi reconhecida, sendo o africâner – o holandês falado no período colonial - tido como mais uma língua africana. A mudança da bandeira da República da África do Sul, adotada em 26/04/1994, materializa o reconhecimento das múltiplas raízes, mas não do modelo segregacionista e tampouco uma história linear. Ao mesclar as cores holandesas e inglesas com a bandeira universalista do CNA, a república foi reinaugurada com outra identidade.

 

Quanta diferença para o Brasil! No país sede do mito da “democracia racial” os afro-descendentes equivalem a 53% da população; logo não poderia haver qualquer tolerância com a herança colonial e escravagista. Infelizmente, até a bandeira reflete o oposto. As cores nacionais representam a tentativa da formação do Império Luso-Brasileiro, onde a unidade nacional fora vergonhosamente mantida através do pacto pela escravidão. Neste reino, o amarelo-ouro da bandeira representaria a Casa da Áustria (Habsburgos) e o verde a Casa dos Bragança. Ao centro do losango amarelo, a coroa imperial, mais tarde substituída pelo logo positivista após o golpe de Estado republicano. No país cuja presidenta e quatro ex-mandatários fazem a rota inversa do Atlântico para render homenagens ao líder anti-racista, sequer a bandeira representa a herança histórica da maioria. Que a África do Sul sirva de lição.

 

Artigo originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar