Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial
















































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

O afastamento da presidente Dilma Rousseff. Uma reflexão crítica pela esquerda


No triste discurso de Dilma Rousseff, a presidente enumera suas dores, todas respeitáveis. Mas, sinceramente, o que mais dói é ver uma ex-guerrilheira ser derrubada por uma base de direita com a qual ela própria aceitou como aliada de conveniência.

16 de maio de 2016, Bruno Lima Rocha

O Senado concluiu por volta de 6h30min da manhã de 12 de maio de 2017 um golpe branco, perfeitamente orquestrado, afastando a presidente reeleita Dilma Rousseff, por 55 votos a favor do afastamento contra 22 pela manutenção no cargo. Com esta votação, o PMDB chega ao poder pela terceira vez de forma indireta. Antes com Tancredo Neves e José Sarney em 1985, no retorno de Itamar Franco para a legenda de Ulisses Guimarães em 1992 após o impeachment de Fernando Collor de Mello e agora com Michel Temer assumindo o Planalto por ter sido reeleito na mesma chapa da ex-guerrilheira. Dilma recebera 54 milhões de votos em 2014 e trazia consigo o vice-presidente eleito com ela em 2010, através de uma aliança defendida ainda no governo pelo ex-ministro da Casa Civil de Lula, José Dirceu de Oliveira e Silva em 2005 e ampliada pela hoje presidente afastada quando a mesma fora indicada para a pasta antes ocupada pelo ex-todo poderoso capa preta da legenda petista.

enviar •
imprimir •

Agora estamos diante de um novo ministério, enxuto, um típico pacto oligárquico com o capital financeiro e abalado pelo neoliberalismo vende pátria e gorila, a exemplo de Maurício Macri – presidente menemista eleito na Argentina – tal como o cinismo do Partido Democrata com Barack Obama à frente. Constatações a parte, é necessário observar o nefasto papel para as esquerdas através do pacto lulista (hoje moribundo), papel este protagonizado pelo PT nos últimos treze anos e acima de tudo por seu líder político e cabo eleitoral, o ex-sindicalista, que segundo o próprio, nunca foi de esquerda.

Não se trata de coerência livresca ou buscar a perfeição de um discurso intelectual (ou intelectualóide) estéril e distante das realidades sociais. É justo ao contrário. Afirmo aqui que morre e deixa-se de matar de ilusão endêmica quem crê fielmente nas instituições da legalidade burguesa e mais ainda, em uma base política mercenária e de direita. Nas palavras que seguem, trago uma coletânea das análises dos últimos dias de governo Dilma. A coerência, repito, é no sentido de provar teórica e analiticamente, a viabilidade do poder do povo por em cima das traições estruturais - como a crença inexorável no pacto de classes – e das eternas promessas da democracia - mesmo que liberal e de procedimentos – que não cabem no capitalismo e menos ainda são toleráveis pelo andar de cima e pelos EUA para nossa América Latina.

A ex-guerrilheira do triste discurso

No triste discurso de Dilma Rousseff, a presidente enumera suas dores, todas respeitáveis. Mas, sinceramente, o que mais dói é ver uma ex-guerrilheira ser derrubada por uma base de direita com a qual ela própria aceitou como aliada de conveniência.

Isso é o que mais dói ex-companheira, o que mais dói é ver ao teu lado discursando na partida de governo uma defensora da flexibilidade do trabalho escravo; o que mais dói é ver a ex-esquerda transformando-se em caricatura de republicanismo e legalismo burguês.

A democracia é reivindicável, mas não esta fábrica de traidores de classe ou cleptocratas a serviço do capital. A democracia é a fonte de poder legítimo e não pode caminhar distante da igualdade social e a distribuição de renda e poder.

Na véspera do golpe no Senado, O Globo assassina a economia política brasileira

Na matéria intitulada “A soma de todos os erros: Dilma abriu buraco fiscal e comprometeu ganhos sociais: com estímulos artificiais, Dilma deixou PIB retroceder ao nível de cinco anos atrás” (assinada por Flávia Barbosa, em 11 de maio de 2016) , O Globo prova de onde vem, traça um libelo anti-desenvolvimentista, mente descaradamente ao associar a expansão dos gastos públicos apenas com às políticas de subsídio a indústria e a agroindústria, e não se comprometendo com a rolagem da dívida pública interna e os ganhos absurdos da agiotagem oficial. A expansão dos gastos cometeu, segundo os economistas consultados - poderia dizer os neoliberalóides consultados - na matéria, como "pecado keynesiano" ou algo semelhante.

Não há como manter política de crescimento econômico, mesmo auxiliando o capital atuando no Brasil, sem romper as amarras do rentismo. É simples, de tão simples, ninguém fala o óbvio. O Globo omite a relação causal mais importante, logo, ao omitir o mais relevante, MENTE.

Para concluir o mesmo enfoque na matéria; aliás, para concluir, em rede nacional, Miriam Leitão (na manhã do Golpe no Senado) disse o mesmo no telejornal Bom Dia Brasil: "o maior problema, a maior expansão dos gastos não foi com as políticas sociais e sim com o apoio a indústria e a agroindústria!". Pecado keynesiano, tardio, tímido e sem contar com o apoio incondicional do empresariado brasileiro que, aliás, não hesitou em puxar o tapete da presidente assim que pôde. Ninguém mandou a ex-esquerda acreditar no pacto de classes.

A farsa da farsa

Alegam querer derrubar um governo "populista e bolivariano" (ai quem dera! especialmente o segundo); para tal criminalizam o Plano Safra, criminalizam repasses do governo Central para garantir suas políticas, o Congresso autoriza a expansão da meta fiscal e depois puxa o tapete; aceitam por motivo de vingança política um processo de impeachment escrito por uma tucana, um tucano e um recalcado serrista, o Senado indica um relator tucano e que cometera os mesmos "crimes" que ele relata como crime; na Câmara 298 deputados que são acusados por crimes contra a Justiça aprovam a admissibilidade e agora 58 senadores de 81 que também estão com o seu na reta fazem o mesmo.

Querem derrubar os maiores entusiastas do capitalismo brasileiro, a começar por Lula, que de tão crente no capitalismo nacional resolveu crer e se misturar com os capitalistas daqui. Luiz Inácio se mistura com quem não devia, perdeu o rumo no pertencimento de classe e viu, sob o nariz do Palácio do Planalto, os Estados Unidos e seus sistemas de espionagem deitarem e rolarem no Brasil nos últimos cinco anos. Resultado:

- a cleptocracia a mando do capital transnacional vai cortar na própria carne (com as empreiteiras) e derrubar o governo que mais defendeu o capital nacional e traiu a dimensão combativa da esquerda.

Estamos em 2016, mas poderia ser 1954.

PT, onde está o populismo?

Proponho uma reflexão em forma de contabilidade de chegada: ou como o lulismo acabou com o que restava de combatividade no PT e assumiu o pacto de classes como única saída. Gente, vamos fazer contas? 44 milhões de beneficiados nos programas sociais. 10% deste total dão em 4,4 milhões de brasileiros e brasileiras. 1% dá em 400 mil pessoas. Se o PT organizasse como força "populista" um em cada 100 beneficiados de seus programas, teria um poder de veto sobre a base mercenária no Congresso e o pacto com os oligarcas. Se tivesse um organizador social em cada base de 100 beneficiados poderia contar com força de mobilização permanente, a exemplo do que faz o “populismo” em toda a América Latina que leve a sério este conceito, com o qual também não concordo integralmente. É por isso que esta palhaçada de golpe branco, de golpe paraguaio não anda na Venezuela.

Aqui foi tudo ao contrário. Preferiram nada fazer e confiar na sorte ou no destino ou em qualquer pensamento mágico. É por isso que Maduro não cai à toa. Porque o chavismo - para o bem ou o mal - organizou uma parcela razoável de sua base social beneficiada e aplica esta força como poder de veto por cima dos oligarcas e vende pátria. Populismo é isso; e é menos pior do que o pacto de classes sem poder de veto. Não foi por falta de aviso.

Última reflexão na tarde infeliz durante o golpe no Senado

Breve reflexão. Trata-se de golpe semiparlamentarista. A meta não é apenas a retirada da presidente Dilma e sim desmontar a rede de garantias constitucionais para a saúde, educação, direitos de 4ª geração e o mundo do trabalho. Foi alimentado por uma conspiração de Estado (república de Curitiba), com o apoio do PIG (quando a Globo derrubou sua grade na tarde de domingo 13 de março e quando da difusão da conversa privada da presidente com o alvo das investigações) e com rios de dinheiro para os neoliberalóides através da Fundação Koch e da Rede Atlas (já provei isso várias vezes). Logo, há um rombo de lealdade no aparelho de Estado, e se eu sei, a Abin sabe e as parcelas da PF que não conspiraram também sabem. Assim, se eu fosse um inocente útil de credo legalista e republicano, ficaria em depressão. Como tenho formação analítica e intensão estratégica, afirmo: governo ilegítimo algum aprova medidas antipopulares com facilidades. Tem muita luta pela frente, cai o lulismo, cai a pelegada, mas os direitos coletivos seguem inegociáveis.






« voltar