Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Que “esquerda” é esta? Ou porque a posição da FAG está correta. – 1


A aparente democracia interna é linha baixada do “grupo de estudo” ou outro círculo de confiança. Na medida em que as decepções se acumulam, mais gente não sai de casa e o recrutamento e a mobilização ficam em cima da necessidade material urgente e da inflexível hierarquia interna.

11 de janeiro de 2015, Bruno Lima Rocha

Existe um mito contemporâneo afirmando que tanto a direção do MST como do MTST estariam mais à esquerda e forçariam o governo a tomar atitudes mais compensatórias, assim como redistribuir o poder interno no pacto de classes do lulismo. Desde 2003, ano após ano este mito foi retomado, com a ajuda da direita midiática.

enviar •
imprimir •

Para reforçar esta ideia, há uma linha hierárquica de transferência de posição e campo de alianças organizado pelos militantes de confiança de Stédile e se organizam no Levante Popular da Juventude e na Consulta Popular. É uma espécie de modelo híbrido de frente política com esquerda social, com hierarquia pouco visível e um trabalho mais fluido como era o da Ação Popular quando a AP se desvincula da Igreja Católica em 1962. Não tenhamos nenhuma ilusão. A aparente democracia interna é linha baixada do “grupo de estudo” ou outro círculo de confiança. Na medida em que as decepções se acumulam, mais gente não sai de casa e o recrutamento e a mobilização ficam em cima da necessidade material urgente e da inflexível hierarquia interna. Mais combustível para a direita que não é governo e a perseguição midiática anti-povo.

Agora, com o “novo governo” Dilma dando recado para Nelson Barbosa liberar o Banco Central a operar com “autonomia”, na verdade, estamos vendo outro jogo de cena. O PT finge que pressiona o governo, que finge ser pressionado e finge estar fazendo um giro para a confiança dos mercados; enquanto isso a “esquerda social” finge estar propondo uma ou duas articulações de tipo frente popular e as mesmas não têm deliberação alguma e não passa de um acórdão de capa-preta e burocracia sindical.

É por isso que a posição de quem não quer aderir a uma frente em que nada está em jogo e quem banca a infra impõe a pauta está correta. Quem quebra a unidade das forças sociais em defesa da maioria é quem faz composição com a direita. O declínio da hegemonia petista (dos petismos, mas com o controle interno do antigo Campo Majoritário e externo da Via Campesina-MST-Grupo do Stédile) vai demorar a ser consolidado e arrancará em carne viva pedaços ainda maiores de nosso tecido social a cada dia mais fragilizado. Esta ferida estanca é com luta, demora, mas passa.






« voltar