Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial
















































Coluna Além das Quatro Linhas •


Coluna Além das 4 Linhas – Dijair Brilhantes e Bruno Lima Rocha, 2ª quinzena de agosto

cunadelanoticia

Julio Humberto Grondona arde nas profundezas. O capo do futebol argentino foi ao inferno, encontrar-se, dentre outros genocidas que lá já se encontram, com Jorge Rafael Videla, general assassino que o empossara na AFA.

Estamos de volta, curando as feridas brasileiras e latino-americanas após a ressaca pós-Copa de 2014. Aos leitor@s, pedimos que considerem o texto que segue como uma revisão da história  imediata, a qual também inclui uma elogiosa conquista do da Libertadores pelo San Lorenzo de Almagro (Boedo de mil amores!) – e isto apesar da onda papista e da presença do capo midiático Marcelo Tinelli na hinchada de los cuervos – e a também celebrada campanha do Nacional del Paraguay como vice.

 

Grondona se foi,mas será que deixa algum legado?Esperamos que não

 

A morte de Julio Humberto Grondona pode fazer bem ao futebol argentino. Grondona presidiu a AFA (Associação Argentina de Futebol) nos últimos 35 anos. Durante a gestão do dirigente - falecido aos 82 anos de idade no dia 30 de julho - a seleção argentina conquistou a Copa do Mundo de 1986, no México, e duas medalhas de ouro olímpicas: em 2004, em Atenas, e em 2008, em Pequim. Além disso, tem duas Copas América, em 1991 e 1993.

 

Enganam-se os que pensam a “Don Julio” foi um grande dirigente....

enviar •
imprimir •

...diversos escândalos fizeram parte da duradora administração do mandatário em frente a AFA.  Grondona era ligado a grupos políticos locais, Grondona sempre foi governo! Em 1979 durante a Ditadura Militar Argentina, acabou sendo nomeado presidente da AFA pelo ditador Jorge Rafael Videla. Nestes 35 anos no comando da AFA, o mandatário viu oito greves, três paralisações de árbitros e mais de 40 casos de doping de jogadores da seleção na Argentina. Além disso, assistiu pacificamente o crescimento das Barras Bravas.

 

Talvez o grande feito de Grondona, tenha sido a estatização das transmissões do futebol argentino, embora muitos creditem a isso a crise dos clubes argentinos. Aqui os que criticam se o contrato do kirschnerismo (Futebol para Todos!) fingem não perceber como anda instável a saúde financeira dos clubes brasileiros. O governo federal do Brasil vive criando programas para saudar a dívida dos clubes com a receita. No país Hermano, a coisa é mais direta mesmo.

 

O último escândalo envolvendo “Don Julio” foi durante a Copa do Mundo do Brasil, onde ele e seu filho, Humberto Grondona admitiram haver vendido ingressos credenciados. Mas, claro que o trabalho de cambista foi feito inocentemente! O surrealismo da FIFA continua. Grondona era um dos vice-presidentes da FIFA e acreditem presidente da Comissão de Finanças da entidade!

 

Em 1957 Julio e seu irmão Hector Grondona, fundaram o Arsenal Fútbol Club em Sarandi, distrito do município de Avellaneda, província de Buenos Aires. Julio presidiu o clube até 1967. Hoje a modesta Cancha do Arsenal, leva o nome de Grondona. Na página oficial da agremiação desportiva, tem uma chamada de capa “Julio Eterno”....que horror!

 

A morte de “Don Julio” e o embalo do vice-campeonato mundial  pode significar a ressurreição do futebol Argentino. Esperamos que sim.

 

Demorou 107 anos

 

Um dos mais tradicionais clubes argentinos conseguiu seu maior feito na noite de quarta-feira (13-08). O San Lorenzo de Almagro (CSLA) conquistou a Taça Bridgestone Libertadores (o torneio que tinha nome de Banco agora leva no nome o fabricante de Pneus).

 

O tradicional time do Bairro de Boedo (barrio de murga y carnaval!) foi chegando devagar, sem o futebol de encher os olhos, mas muito aguerrido e bravo. Semelhante ao feito da seleção argentina na Copa do Mundo do Brasil. A diferença é que no time do Papa Francisco, não havia um grande craque e, talvez por isso – pelo padrão de jogo ao longo da competição - o resultado foi melhor.

 

O jogo final foi de muito combate e pouca técnica, digno de final de uma final de Libertadores. A festa proporcionada pela torcida da casa foi uma das coisas mais fantásticas que o futebol sul-americano já presenciou. Jogadores querendo juntar-se aos torcedores - a tela impedia – e, no lugar de marketing de oportunidade (lembram-se da cueca de Neymar?) os boleiros entoavam os cânticos da torcida dentro do campo. Encarnando o momento, o ídolo Romagnoli, dentro das quatro linhas, representava a própria hinchada de El Ciclón. A merecida festa se estendeu madrugada adentro, o jejum de décadas aguardando pela Copa acabou. Os argentinos agora tem 23 conquistas da Libertadores contra 17 do futebol pentacampeão.

 

O vice-campeão Nacional del Paraguay soube perder com dignidade, em momento algum deu “pontapé” e foi a palco receber a honrosa medalha de vice-campeão da América.  

 

Sorrindo de orelha a orelha, o apresentador Marcelo Tinelli regozijava. Se der sorte, será a versão cuerva de Mauricio Macri, menemista como Tinelli e ex-presidente do Boca Juniors, embora não seja de alma bostera. Se o malévolo ídolo televisivo não for bem, vai ser odiado pela hinchada como o atual presidente boquense Daniel Angelici. Esta coluna deseja ardentemente que o San Lorenzo volte para Boedo, que o Carrefour seja retirado do local físico da histórica cancha. E, também torce para que Tinelli caia em desgraça e não manipule a hinchada mais encantadora da Argentina.       

 

Outro ponto negativo fica por conta da premiação, muita demora a entregar a taça, muitos prêmios secundários dos patrocinadores. O futebol mundial é a grande vitrine das corporações, muitas delas se aproveitam do trabalho “semi-escravo”. As federações aceitam tudo.

 

A Seleção de Dunga

 

Dunga fez sua primeira convocação após seu retorno para a seleção brasileira. Pouco mais de um mês do fracasso contra a Alemanha, coube ao treinador e a sua comissão técnica escolher os melhores nomes. Os primeiros desafios da nova equipe de Dunga serão no dia 5 de setembro contra a Colômbia, em Miami, e no dia 9 contra o Equador, em Nova Jersey.

 

Dunga convocou dez jogadores que estiveram no ultimo mundial. Ainda não houve a renovação esperada, aliás, não existe a certeza que isso ocorrerá, aliás, será que a CBF está mesmo pensando em renovação? Dos vinte e dois convocados, seis atletas atuam no Brasil. Neste mesmo período a seleção brasileira sub-21 comandada pelo técnico Alexandre Galo fará três amistosos. Dos vinte e dois jogadores chamados por Galo, apenas dez atuam no Brasil. Difícil entender os motivos que levam a FIFA a marcar jogos amistosos dois meses depois do mundial. Mas como vimos no Brasil, a FIFA pode tudo.  

 

Nota de solidariedade: o IMPEDIMENTO nunca nos deixará!

 

Esta coluna se solidariza com os maravilhosos repórteres e redatores do portal Impedimento: futebol e cultura sul-americana. Estes colegas foram (são) parte de nossa inspiração e seguimos sendo seus leitores. Infelizmente, o Rio Grande de São Pedro não consegue manter no ar as melhores produções de jornalismo na internet. Já éramos saudosistas e viúvos do Nova Corja, parte de nós compôs a equipe do Repórter Popular e agora choramos pelo Impedimento. Fica nossa homenagem e a certeza de trocar a tristeza pela raiva e seguir escrevendo, e escrevendo e escrevendo.

 






« voltar