Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial
















































Coluna Além das Quatro Linhas •


Coluna Além das 4 Linhas - 3ª fase, semana de 14 de outubro de 2013

obairrista

Cenas como esta, quando recebem críticas, servem de argumento para que a BM ameace retirar-se dos estádios.

Dijair Brilhantes e Bruno Lima Rocha

 

Pela desordem na província

 

O desejo de todos é poder freqüentar estádios, ou arenas, com conforto e segurança. Embora pareça muito nítido que a elitização do futebol brasileiro é o único fato concreto às vésperas da Copa do Mundo. Por quase todos os cantos do país, já existe uma moderna e confortável “arena” – padrão FIFA ou quase isso - e com ingressos caríssimos. E a segurança? Bom, isso ainda não existe em nenhuma praça de futebol.

 

enviar •
imprimir •

No Rio Grande do Sul, o governo de "esquerda" de Tarso Genro quer contribuir para que se instale o caos nos estádios gaúchos. Sugeriram que os clubes usem serviços privados. Segundo eles a segurança nos estádios custa muito aos cofres públicos. Vejam o que ocorreu no jogo entre Corinthians x Vasco em Brasília neste Brasileirão para antever a balbúrdia que vem por aí.

 

A proposta inicial feita no mês de setembro era de que o estado deixasse de fazer o policiamento nos estádios. A proposta seguinte é que a dupla Gre-nal deve pagar uma taxa de 200 mil reais mensais (100 mil para cada clube) para a corporação. Segundo misterioso cálculo da Secretaria de Segurança Pública, o Executivo estadual gasta R$ 8 milhões de reais anuais, para manter os “homens da farda” dentro dos estádios. Desta vez, os responsáveis pela segurança oficial não querem ajuda equipamentos nem viaturas, mas em dinheiro, o que se torna mais preocupante; pois como saberemos o que será feito com os recursos repassados? Via depósito judicial?  

 

O Projeto prevê que o policiamento no entorno dos estádios continue sendo feitos pelas forças de segurança pública, e dentro das arenas os clubes contratem o serviço privado. Cada um de nós temos centenas de histórias terríveis para contar a respeito do tratamento das forças policiais dado ao povo, mas no caso de conflito de torcidas, se mal e porcamente a Brigada ou a PM conseguem conter o tumulto, imaginem guardinhas de empresas particulares sem treinamento ou “autoridade” adequadas? Teremos desastres pela frente.

 

Clássico de torcida única chegou a ser cogitado

 

Após receber duras críticas por terem detido e agredido covardemente um torcedor no jogo entre Grêmio x Fluminense, no mês julho 2013b, em Porto Alegre, o comando da Brigada Militar sugeriu que o clássico Gre-nal fosse realizado com torcida única. A chamada semana Gre-nal girou em torno desse assunto. A agressão sofrida pelo torcedor foi simplesmente esquecida pela mídia local. Não estamos aqui entrando no mérito se o torcedor foi detido corretamente, pois só vimos as imagens pela TV, mas sim o aparente abuso de autoridade dos PMs. A estratégia da corporação surgiu efeito.  

 

Mudança de foco virou praxe  

 

Basta a BM receber críticas que o seu comando geral estrategicamente muda o foco das discussões públicas. A tentativa e as fortes ameaças de tirar o policiamento é como se estivessem mandando o seguinte recado: Se vocês estão achando ruim nosso trabalho, os clubes que contratem uma empresa de segurança privada para verem o caos instalado.

 

Gostaríamos de saber se outros eventos que ocorrem dentro desta província, como festivais de música, inclusive no litoral gaucho, pagam pelo serviço da BM, ou o único consumidor de evento de massa que terá que pagar pela segurança pública será o torcedor?! Sim, por que se isso ocorrer o ingresso vai encarecer mais um pouquinho.






« voltar