Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História, memória e historiografia.

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial
















































Coluna Além das Quatro Linhas •


Estávamos com saudades dela

canelada.com.br

Saudades da bola rolando, mas não das tentativas de esvaziá-la

29 de janeiro, Anderson Santos (editor) & Dijair Brilhantes

Como todo profissional, o jogador de futebol tem direito a gozar férias. Algo que nós amantes do futebol jamais conseguiremos entender, afinal, queremos ver a bola rolar sempre. Tivemos que aguardar pouco mais da metade do primeiro mês de 2013 para podermos matar a saudade do futebol competitivo - e das críticas necessária às estruturas de poder em torno do esporte mais popular do mundo.

enviar •
imprimir •

Avisem ao Grêmio que a Libertadores começou

São Paulo e Grêmio iniciaram na competição mais importante para os brasileiros. Ambos jogaram a fase preliminar da Copa Bridgestone (que já foi Toyota e Santander) Libertadores. O São Paulo venceu a fraca equipe boliviana do Bolívar por 5 a 0 e só uma catástrofe pode deixar os paulistas fora da próxima fase. Paulo Henrique Ganso segue no banco e o quarentão Rogério Ceni marcando gols.

Já o Grêmio foi ao Equador com a antecedência necessária para enfrentar o renovado e sempre perigoso time da LDU e, principalmente, a altitude de Quito. Além do jogo, porém, o Tricolor teve que enfrentar vários problemas internos que parecem que vão permeando a carreira do técnico Vanderlei Luxemburgo em início de temporada - ano passado ele foi demitido do Flamengo mesmo com classificação para a fase de grupos da Libertadores.

A boa relação do profexô com os repórteres esportivos gaúchos, tratado quase como uma divindade em 2012, parece ter acabado. Poucos entendem que a vontade de Luxa sempre foi a de ser um manager, no melhor estilo do veterano e duradouro técnico do Manchester United Alex Ferguson. Para os colegas gaúchos, Luxemburgo é um grande técnico e isso basta.

Além do empate na pseudo despedida do Olímpico contra o Internacional, que forçou o Grêmio à participação da Pré-Libertadores, em quase um mês, algumas decisões (polêmicas) foram tomadas. Primeiro, a contratação do experiente Dida para ser titular no lugar do prata-da-casa Marcelo Grohe, de grande temporada em 2012.

Depois, com o time já em Quito, a notícia de que o assessor de futebol do clube pediu demissão do cargo após um mês no cargo. Oficialmente, ele não conseguiria manter a vida de empresário com o clube. Extra-oficialmente, este diretor tinha contato frequente com um jornalista esportivo, a quem passava, em primeira mão, as notícias do clube. Luxa prometera investigar quem passava as informações. Descoberto, ele teve que sair.

Como se não bastasse isso, o zagueiro Vilson, que seria titular na Pré-Libertadores por conta da punição sofrida por Werley (e Léo Gago) após a eliminação contra o Millonarios pela Sul-Americana, irritou Luxemburgo num jogo-treino e foi mandado embora do clube. O técnico disse que o empresário do jogador ameaçou o clube por e-mail de tirá-lo do elenco caso o contrato, a encerrar em dezembro, não fosse renovado agora. O zagueiro se disse arrependido do episódio do treino, mas negou veementemente qualquer ameaça por e-mail.

Além dele, outros dois jogadores, Gabriel e Edilson, saíram do Grêmio reclamando que no clube havia cartas marcadas e o treinador mandaria mais que os diretores.

Ah, em campo, apesar de aguentar bem a altitude, contar com uma boa estreia do chileno Vargas e bola na trave, os gaúchos perderam por 1 a 0 e precisam vencer por dois gols de diferença para não repetir o “feito” corintiano de 2011 e ficar fora da fase de grupos.

Estaduais

Os principais e questionados campeonatos estaduais começaram na semana passada. Paulistas, cariocas, paranaenses e gaúchos puderam ver novamente os principais clubes em campo. A grande maioria com times reservas, mas o que realmente vale é a camisa. Momento bom para podermos ver futuros craques, já que a maioria dos times recorre às categorias de base para conseguirem se preparar melhor para um ano recheado de competições.

O Paulistão começou com o chinês Zizao chamando a atenção por uma assistência em sua estreia como titular pelo time reserva do Corinthians; o São Paulo não aparentando sentir falta de Lucas no ataque; o Santos com um time ainda mais forte, agora com o argentino Montillo no meio; e o Palmeiras começando mal, com promessa da vinda de Riquelme como tentativa de “milagre” do banana Arnaldo Tirone.

Se num dia o time começou o Paulista empatando sem gols em “casa” (Pacaembu), os outros dias da semana agregaram a primeira vitória após 8 jogos e, o principal, a eleição de um novo presidente. Paulo Nobre, de 44 anos, mesmo com o apoio do grupo da raposa Mustafá, foi eleito presidente para o próximo biênio e já mostrou ter os pés no chão ao negar a contratação do argentino Riquelme e contratar José Carlos Brunoro, que trabalhou nos primeiros anos da parceria com a Parmalat na década de 1990, para ser seu braço direito.

Mas a crise parece não querer sair tão cedo nos lados do Palestra Itália em reforma. Derrota para a estreante Penapolense em casa, torcida dividida em xingar ou apoiar o clube e agressão a jogador que mal faz parte do grupo por parte da torcida organizada. Nobre e Brunoro terão muito trabalho.

No Gauchão, o fato marcante e negativo foi a reabertura do Estádio Olímpico. Depois de ter sido decretado o encerramento das atividades no campo da Azenha, com direito a “festa de despedida” no último jogo pelo Brasileirão de 2012, a direção gremista resolveu reabrir o estádio para conservar o gramado da nova arena gremista, ignorando cada lágrima derramada pelos torcedores no Gre-Nal que era para ser de despedida.

A decisão foi da Arena Porto-Alegrense, responsável pelo estádio, para que o gramado ficasse em condições para a disputa de futebol. Este fato serviu para o novo presidente Fábio Koff cutucar o anterior sem precisar falar nada. O atual presidente havia dito em dezembro que a Arena não era do Grêmio e, além disso, percebe-se que houve uma pressa excessiva em inaugurar o novo estádio ainda na gestão de Paulo Odone.

E a derrota para o Canoas na 2ª rodada não foi o pior. Para completar, houve uma briga entre “torcedores” do clube no pátio do velho Olímpico, que ocasionou mais de 30 “prisões”. Assim começa 2013, do mesmo jeito que acabou 2012, com briga entre gremistas. O que mudou foi o palco. 

A volta pelo bem do Nordeste

A grande novidade de 2013 é a volta da Copa do Nordeste, com aval da CBF e com um calendário adequado, de forma a beneficiar os clubes de uma região importantíssima para a paixão futebolística do torcedor brasileiro.

Os 16 clubes de 7 Estados da região dividiram igualitariamente o dinheiro conseguido pelos direitos de transmissão do torneio, a cargo da TV Esporte Interativo, e duelam pelo título de melhor time da região, que dá vaga à Copa Sul-Americana.

Por conta disso, os Estaduais tiveram suas fórmulas modificadas, de maneira que os clubes integrantes do Nordestão entrarão numa segunda fase, num processo que segue com estes torneios – essenciais para os “mercados” menores – e podem fazer ressuscitar um gigante que deu muito sucesso nos primeiros anos do século XXI. Algo fundamental para fazer crescer ainda mais o futebol da região.

A nova família Scolari

A semana teve também a primeira convocação da seleção brasileira sob comando de Felipão. O treinador optou por manter a base deixada pelo seu conterrâneo e antecessor Mano Menezes.  A surpresa maior ficou por conta da convocação do zagueiro Dante, do Bayern de Munique, além dos “veteranos” Júlio César, do Queens Park Rangers, e Ronaldinho Gaúcho, campeão com Felipão em 2002 e que fez uma excelente temporada pelo Atlético-MG.

O técnico voltou a salientar que o Brasil é um dos favoritos para vencer o mundial e ressaltou que o título é uma obrigação já que a Copa será disputada em casa. Vamos esperar que ao menos dentro de campo o time passe a apresentar melhor futebol. Afinal, Castelão e Mineirão já estão prontos para receber o principal torneio esportivo do mundo.

Saiu o campeão do “mercadinho” da bola

Parte do litoral paulista teve um motivo extra para comemorar o aniversário de 459 anos da capital. Os verdadeiros meninos da vila venceram pela segunda vez a Copa São Paulo de Futebol, que voltou a ser sub-20, este que ainda é considerado o torneio mais importante da categoria.

O Santos venceu o Goiás por 3 a 1, sagrando-se bicampeão, e confirmou o belo trabalho feito nas categorias de base. Neymar, que há pouco tempo fazia parte dessa categoria, foi encarregado de entregar as medalhas aos campeões. Desta vez José Maria Marin não precisou “esconder” uma medalha no bolso. Foi feita uma a mais para premiar o cartola. Só ainda não sabemos o motivo da horraria...

A chamada Copinha aos poucos vai perdendo o prestígio. Os times campeões nem sequer ficam na memória. Os empresários (agentes FIFA) são os donos da bola. Com inéditos 100 clubes, passa a ser cada vez mais uma feira de meninos jogadores. Eles são vendidos, comprados, emprestados, oferecidos para pagar dívidas. Todos parecem esquecer que, antes de tudo, são jovens que buscam seu sonho e acabam cometendo erros que podem prejudicá-los no futuro. Mas quem liga para isso?     

Nós ligamos para isso e muitas outras coisas relativas ao futebol. Se ninguém comentar por certos receios típicos do mercado empresarial da comunicação, seguimos em 2013 a intenção de abordar os temas mais polêmicos.

*N.E.: Criticamos algumas vezes a Federação Gaúcha de Futebol, sob gestão de Francisco Novelletto, mas o elogiamos pela decisão de adiar os demais jogos da 3ª rodada do Gauchão por conta da tragédia ocorrida na boate Kiss, na madrugada do domingo, em Santa Maria. Prestamos nossas condolências aos familiares e amigos das vítimas, jovens universitários como estes escrevinhadores e esperamos que a justiça ocorra, por um lado, para punir os culpados que geraram as condições para que o incêndio ocorresse e, por outro, para gerar uma revisão da nossa legislação sobre a segurança nesses espaços e, principalmente, uma fiscalização mais efetiva. No futebol, foi preciso que tragédias, como a morte do zagueiro Serginho, em 2004, e de sete torcedores na Fonte Nova, em 2007, para que a segurança do torcedor, dos jogadores e demais profissionais do futebol tivesse um foco maior. Algumas vidas já foram salvas por conta disso.






« voltar