Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial
















































Democracy Now! em Português •
a coluna semanal de Amy Goodman traduzida para o português •

Choro pelo clima amado

ofir4news

África será o continente mais afetado pelas mudanças climáticas nos próximos anos em virtude dos limites estruturais do continente.

05 de dezembro, de Nova York, Amy Goodman

A conferência anual sobre clima das Nações Unidas ocorreu semana passada em Durban, África do Sul, mas não chegou a tempo de evitar a morte trágica de Qodeni Ximba, uma jovem de 17 anos, que perdeu a vida junto a outras nove pessoas na cidade, uma noite antes de começar o evento da ONU. Naquela noite, uma chuva torrencial açoitou a região costeira de 3,5 milhões de habitantes e destruiu 700 lares por conta das inundações.

Ximba dormia quando a parede de cimento ao seu lado desmoronou. Uma mulher tentou salvar um bebê de um ano cujos pais foram esmagados pela própria casa. Não conseguiu e o bebê morreu com eles. Tudo isso acontecia ao mesmo tempo em que 20 mil políticos, burocratas, jornalistas, cientistas e ativistas chegavam em Durban para o que poderia ser a última oportunidade de salvar o Protocolo de Kyoto.

enviar •
imprimir •

De que forma a conferência poderia ter evitado essas mortes? O melhor seria perguntar como o dilúvio que sucedeu a outras tormentas fatais no último mês está vinculado às mudanças climáticas provocadas pelo homem, e o que as conferências das Nações Unidas têm feito a respeito. Em Durban, choveu o dobro do normal para o mês de novembro e a tendência sugere que os eventos climáticos extremos vão piorar.

O Painel Intergovernamental de Estudiosos sobre as Mudanças Climáticas (IPCC, sigla do nome original em inglês) é um grupo de milhares de cientistas que trabalham voluntariamente para “dar ao mundo uma opinião científica clara sobre a evolução do conhecimento a respeito das mudanças climáticas”. O grupo ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 2007. Na semana passada, o IPCC publicou um resumo de suas conclusões, que vinculam claramente as mudanças climáticas aos fenômenos climatológicos extremos como secas, inundações, furacões, ondas de calor e aumento do nível do mar. Quase ao mesmo tempo, a Organização Meteorológica Mundial publicou um resumo de suas mais recentes descobertas científicas, no qual afirma que 2011 foi o décimo ano mais quente de que se tem registro, que o volume do gelo do mar Ártico nunca esteve tão baixo e que 13 dos 15 anos mais quentes da história aconteceram nos últimos 15 anos.

Tudo isto nos conduz novamente a Durban. A reunião que teve lugar na cidade africana é a 17ª Conferência das Partes da Convenção Quadro das Nações Unidas sobra as Mudanças Climáticas ou simplesmente COP17. Uma das principais conquistas desse evento da ONU foi o Protocolo de Kyoto, um tratado internacional com disposições vinculantes estabelecidas para limitar as emissões de gases de efeito estufa. Em 1997, quando o Protocolo foi adotado, a China era considerada um país pobre, em desenvolvimento, e como tal teria muito menos obrigações no acordo. Agora, os Estados Unidos e outros países afirmam que a China deve se somar aos países ricos, desenvolvidos, e cumprir com as regras que se aplicam a esses países. Mas os chineses se negam a fazê-lo. Esse é um dos principais obstáculos, não o único, que impede a renovação do Protocolo de Kioto (outro dos principais problemas é que os Estados Unidos, o maior contaminador de todos os tempos a nível mundial, assinou o tratado, mas não ratificou no Congresso Nacional).

Em Copenhagen, no final de 2009, durante a COP15, o Presidente Barack Obama organizou uma série de reuniões a portas fechadas nas quais se desenhou uma alternativa de adesão voluntária – ou seja, não vinculante – ao Protocolo de Kyoto, o que provocou a ira de muitos. A COP 16 de Cancún, México, em 2010, aumentou a distância da Convenção em relação ao Protocolo. A idéia que prevaleceu em Durban é que estamos diante de um momento decisivo para a continuidade ou fracasso da ação da ONU quanto às mudanças climáticas.

A omissão da maioria republicana da Câmara de Representantes dos Estados Unidos a respeito deste tema é ainda mais grave que a de Obama. O grupo de legisladores, em sua maioria, considera que a idéia de que as mudanças climáticas são provocadas pelo homem um engano, tal como uns oito ou nove candidatos republicanos à presidência. As empresas de petróleo e gás gastam dezenas de milhões de dólares ao ano para promover a ciência do lixo e os negadores da mudança climática. Sua inversão tem dado frutos, já que há uma porcentagem cada vez maior de estadunidenses que crêem que a mudança climática não é um problema.

Em paralelo ao decepcionante processo da ONU, cresce o movimento pela justiça climática nas ruas. As manifestações contra a dependência dos combustíveis fósseis, que aceleram o aquecimento global, vão desde a ação direta não violenta contra a mineração de carvão a céu aberto na Virginia Ocidental à prisão de mais de 1200 opositores ao oleoduto de areias betuminosas (de onde se explora o petróleo) da Keystone XL em frente à Casa Branca.

É por tudo isso que Durban se tornou o lugar adequado para que a sociedade civil questionasse o processo das Nações Unidas. Prevê-se que a África sofrerá o impacto das mudanças climáticas de modo mais severo do que muitas outras comunidades. A maioria da população do continente não está bem equipada para fazer frente aos desastres climáticos, visto que carece de infra-estrutura adequada e de reservas de riqueza. No entanto, este é o povo que derrotou o opressivo regime do apartheid.

O novelista sul-africano Alan Paton escreveu sobre o apartheid em 1948 (durante o primeiro ano do dito regime), adiantando-se ao que seria uma longa luta para derrubá-lo. “Chora, amada terra, pois nada disso terminou ainda”. A mesma determinação cresce nas ruas de Durban e esbanja liderança que tanto faz falta no centro de conferência onde se desenvolve a COP17.
_________

Denis Moynihan colaborou na produção jornalística desta coluna.
@2011 Amy Goodman

Texto em inglês traduzido por Mercedes Camps y Democracy Now! em espanhol,

Esta versão é exclusiva de Estratégia & Análise para o português. O texto em espanhol é traduzido para o português por Rafael Cavalcanti Barreto e revisado por Bruno Lima Rocha.

Amy Goodman é âncora do Democracy Now!, um noticiário internacional que emite conteúdo diário para mais de 650 emissoras de rádio e televisão em inglês, e mais de 250 em espanhol. É co-autora do livro “Os que lutam contra o sistema: Heróis ordinários em tempos extraordinários nos Estados Unidos”, editado pelo Le Monde Diplomatique do Cone Sul.






« voltar