Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial
















































LARI de Análise de Conjuntura Internacional •
Conjuntura Internacional •

Análise do conflito Sírio, identificação dos agentes não estatais

stratfor

A disposição de forças no conflito multilateral dentro do território sírio

Pedro Guedes, 02 de outubro de 2015               

 

Com a severa, e até cruel repressão aos manifestantes nos protestos de rua no ano de 2011, vários sírios, muitos deles provenientes dos setores medianos da pirâmide social e alguns oficiais rebelados das forças armadas sírias passaram a pegar em armas contra o regime Assad. Após esse primeiro período, inúmeros grupos rebeldes emergiram, se aglomerando no Free Syrian Army (FSA), que consistia basicamente em uma organização guarda-chuva que se compunha de aproximadamente dez grandes organizações paramilitares, como a “Southern Front” e a “13 th Division”. 

enviar •
imprimir •

O FSA opera em conjunto com a Coalizão Nacional para a Revolução Síria as Forças de Oposição (National Coalition for Syrian Revolutionary and Opposition Forces), formada em meados de 2012 e reúne entre outras organizações o Conselho Nacional Sírio (que opera no campo político). Possui aproximadamente 45 mil homens e opera em praticamente todas as frentes do conflito. Desde 2013 o FSA vem perdendo terreno tanto para as forças governamentais quanto para outros grupos rebeldes, principalmente islamistas como a Frente Al-Nusra, e o Daesh (Estado Islâmico, ISIS).

 

Alguns analistas acreditam que de fato a FSA não existe mais como força de combate viável, dado o fato de ter sido demasiadamente enfraquecida pelos combates com outros grupos rebeldes, mesmo com forte suporte europeu e estadunidense, tanto em forma de apoio político, dinheiro e armamento e outro equipamento militar.

 

Outro agente não estatal importante neste conflito é a Frente Al-Nusra, que desde que se engajou no conflito sírio em 2012, ainda como filial síria da Al-Qaeda, vem obtendo consistentes resultados no Norte da Síria. A Al-Nusra possui aproximadamente 10 mil homens que lutam por uma Síria completamente confessional ao salafismo e submissa a lei da Sharia Islâmica. Para tal, declarou que os territórios mantidos pelo grupo são um Emirado, controlados pelo emir Abu Mohammad al-Julani na província de Idib.

 

A Frente Al-Nusra vive uma relação de amor e ódio com o DAESH e a Al-Qaeda, ora se unindo a eles, hora declarando jihad a eles. Isso reflete não apenas a desunião entre os diferentes grupos rebeldes, mas também a total falta de projeto de nação que inclua todos os agentes políticos, pois variando entre uma nação islâmica sunita a um suposto governo laico (mas altamente discriminatório), os principais participantes do conflito sírio, incluindo o governo, ajudam a apenas a aumentar o sectarismo da região ao custo de milhões de vidas e uma geração de jovens perdida.

 

Na segunda metade do ano de 2015, vários grupos rebeldes se uniram em uma coalizão militar denominada Exército da Conquista, com o objetivo de coordenar as operações militares contra as forças do Regime Sírio na Frente Norte na Síria.  Este Exército concentra sua atuação na região de Idib e arredores, se resumindo em grandes avanços contra o Exército Sírio, praticamente o expulsando destas regiões, reequilibrando a situação militar.

 

Outro grupo rebelde importante é o já citado Estado Islâmico, também chamado de DAESH (ad-Dawlat al-Islāmiyah fī al-ʿIrāq wa sh-Shām), sendo o principal grupo jihadista no Oriente Médio, com operações no Iraque Síria e Norte da África. A organização político-militar-religiosa já é veterana da guerra do Iraque (2003- 2011), onde aproveitou o caos do conflito sírio para obter o apoio da maioria sunita que vive no norte e nordeste da Síria, e que descontentes com o Regime e os rebeldes seculares, viam a proposta de um Estado menos corrupto e direcionado pelo Islã com bons olhos.

 

A partir desse panorama, o DAESH se expande de maneira rápida no território sírio, controlando pouco mais da metade do território, pressionando ainda mais o Regime Assad. Ainda que essas áreas sejam menos populosas, com a possibilidade de poder (virtualmente) se projetar em qualquer lugar, cria um efeito psicológico sob seus adversários, que aliada ás táticas de hit and run (atirar e correr, bater e sair), possibilitou a autodeclararão do Califado Islâmico em meados de 2014.

 

De todos os grupos “rebeldes”, o ISIS é o mais organizado, com estrutura militar e civil muito semelhante ao do Estado Westephaliano, contando com regime jurídico e moeda própria, o que lhe permite recolher impostos como uma das formas se subsistência. Essa estrutura permite que o grupo recrute soldados de maneira muito semelhante aos Estados, possibilitando a criação de um efetivo que varia entre 30 mil e 100 mil soldados.

 

Uma das questões que se acercam a respeito dos grupos rebeldes é como estes grupos conseguem se manter como organização sem um orçamento ou fonte de renda direta? Normalmente estas organizações subsistem a partir de doações e injeções de dinheiro advindo das monarquias islâmicas do golfo, principalmente a Arábia Saudita e o Bahrein, e no caso do DAESH (vulgo Estado Islâmico) há o acréscimo da renda da venda ilegal de petróleo por carregamentos disfarçados via portos turcos, o que somado a denúncias de leniência por parte de Ancara (capital da Turquia e cujo governo é cúmplice da ação do ISIS dentro e além de suas fronteiras), levanta suspeitas acerca do real comportamento do governo turco.

 

Impasse militar e político e tentativa de desequilíbrio de forças

 

Ainda que a solução política seja o melhor caminho para a resolução do conflito sírio, nenhum dos agentes envolvidos nesta guerra multilateral, nem o Regime Assad com o suporte russo e iraniano, ou os rebeldes com suporte das monarquias do golfo pérsico estão em condição de impor derrotas graves a ponto de forçar uma negociação política. Tampouco existe condições concretas de encerrar o conflito militar de forma permanente, o que leva ao atual conflito de atrito que destrói o país em mais de quatro anos de guerra civil.

 

Com a chegada de tropas russas atuando diretamente no conflito, apoiando o governo de Bashir al-Assad e fortalecendo as alianças do xiismo expandido proveniente de Teerã, tal equilíbrio de forças pode pende para o que resta do Regime. Mas, como estes resultados só poderão ser observados em um período de quatro a seis meses, cabe projetar o papel da potência militar governada por Putin como um novo agente direto envolvido sendo ainda prematuro antecipar resultados diretos deste envolvimento.

 

Pedro Guedes é estudante de relações internacionais da Unisinos (pedro_0141@hotmail.com)

 

 






« voltar