Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial
















































Coluna de Rádio •
Opinião falada sem meias palavras •
Programa Periscópio da Mídia 27 de outubro de 2011


Após anos de insistência da sociedade civil organizada, a Conferência Nacional de Comunicação foi realizada em dezembro de 2009 com a presença de delegados do Estado, da iniciativa privada e de movimentos sociais.

Ouça e baixe o programa aqui

Anderson Santos

Ministério das Comunicações “esquece” Confecom e indica (nova) consulta pública para a construção de uma proposta para marco regulatório. Acreditar na prática disso ou não? É a discussão trazida no programa desta semana

Para modificar uma legislação de 1962 (!), ano em que as Organizações Globo conseguiu sua concessão para a TV, a ser utilizada a partir de 1964, movimentos sociais e pesquisadores vêm travando há algumas décadas batalhas por mais espaço para discussões que possibilitem, ao menos, uma verdadeira comunicação nos meios que utilizam concessões públicas, casos do rádio e da TV.

Após muita espera, no apagar das luzes, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva resolveu assinar a criação da Conferência Nacional de Comunicação, realizada em 2009, com vários problemas, mas com discussões municipais, estaduais e com o auge do processo em Brasília, na realização da I Confecom. Foram aprovadas mais de 600 propostas, que deveriam ser discutidas no Congresso Nacional, de forma a se construir um marco regulatório para o setor das comunicações no Brasil.

Quase dois anos depois, parece que o atual ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, esqueceu disso. Em reunião com entidades sociais, ele prometeu abrir em consulta pública o novo marco regulatório da mídia eletrônica ainda em dezembro deste ano, porém, apenas pontos específicos da proposta, evitando ao máximo o confronto com os grandes grupos midiáticos. As entidades apresentaram a Bernardo 20 pontos principais, que foram construídos em consulta pública através do site Comunicação Democrática.

O “Periscópio da Mídia – a indústria da comunicação de cabeça para baixo” desta semana questiona a falta de interesse em se reivindicar a apresentação das discussões sobre as propostas da Confecom e, além disso, o próprio formato de consulta pública. Quantas pessoas têm acesso a discussões sobre o assunto para além de alguns setores da Academia e de determinados movimentos sociais? Quantas pessoas têm acesso a Internet e, além disso, como elas poderiam saber sobre esta consulta e sobre a situação atual da comunicação?

Enquanto isso, no Rio Grande do Sul, o jornal Zero Hora, do Grupo RBS, acusou o governador Tarso Genro, do mesmo PT que preside o país, de restringir a liberdade da imprensa, após Tarso afirmar no Congresso do Ministério Público estadual que os meios de comunicação deveriam se preocupar em confirmar as informações antes de publicar denúncias. O Governador respondeu à empresa, acusando-a de manipular o conteúdo de sua conferência e de omitir o que ele disse sobre liberdade de imprensa. Porém, mantém a publicidade estatal nas empresas do grupo – assim como algumas entidades sindicais que reivindicam a democratização da comunicação.

Já na Argentina, que sua Ley de Medios completou um ano em outubro, viu a presidente peronista Cristina Fernández Kirchner sendo reeleita no primeiro turno. A Época, revista da Editora Globo, aproveitou para criticar a presidenta pela “aprovação de uma legislação para limitar a participação de empresas privadas nos setores de rádio e TV”.

O assunto volta na próxima edição.

Se quiser nos ajudar a construir o próximo programa, tecer críticas e/ou elogios, entre em contato através do Twitter (@PeriscopioRadio) ou por e-mail.

Para escutar o Periscópio da Mídia de 20 de outubro, clique aqui.

PROGRAMA


O “Periscópio da Mídia – a indústria da comunicação social de cabeça baixo” é produzido e apresentado pelo Grupo de Pesquisa Cepos, que está vinculado ao PPG em Ciências da Comunicação da Unisinos-RS e é coordenado pelo professor Valério Cruz Brittos. A Capes, o CNPq, a Fundação Ford e a FAPERGS são as entidades que apoiam este projeto - após aprovação em editais.

O programa é transmitido pela Rádio Unisinos FM 103.3 e pelo site www.unisinos.br/radio todas as quintas-feiras às 20h, com retransmissão às 21h do domingo.

O Periscópio também é distribuído por e-mail para ser ouvido e baixado pela Internet, podendo ser retransmitido em rádios comunitárias e livres de todo o Brasil.





« voltar





A estrutura do crime político e do Chaguismo que ainda impera no Estado do Rio
2017-11-21 15:12:58

A convenção estadual do PSDB paulista, a “escanteada” de Dória Jr. e o flerte do mercado com Jair Bolsonaro
2017-11-14 21:47:38

Panorama sobre os ataques do governo aos direitos conquistados
2017-11-14 21:45:57

A Amazon Log 17: manobras conjuntas das forças armadas do Brasil, Colômbia, Peru e o Comando Sul dos EUA
2017-11-10 11:42:29

As revelações dos Paradise Papers e a presença de registros de empresas vinculadas a ministros de Estado
2017-11-08 11:27:28

A votação no plenário da Câmara sobre a votação do plenário da Câmara que derrubou a denúncia contra Temer
2017-10-27 18:17:49

O custo do voto na Câmara Federal
2017-10-27 18:16:23

O fim da nova república e o ato de rasgar direitos constitucionais
2017-10-25 15:24:28

A permissão do Senado pelo retorno de Aécio Neves
2017-10-21 11:51:21

A denúncia de Lúcio Funaro a respeito da compra milionária de votos intermediados por Eduardo Cunha para afastar a ex-presidenta Dilma Roussef
2017-10-16 16:35:14