Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Orlando Silva: a queda prevista na liturgia político-midiática

fifa

O apego as estruturas de poder já existentes no nada republicano comando do futebol profissional marcou a gestão dos ex-comunistas à frente da pasta que de patinho feio virara cisne colorido, mais que dobrando de orçamento e catapultando sua visibilidade. Paga-se um preço por isso. Neologismo planaltino: ”dize-me com quem andas e dir-te-ei quem poderá vir a vazar informações sobre ti e os teus.”

27 de outubro de 2011, da Vila Setembrina, Bruno Lima Rocha

A liturgia da queda chega ao seu fim, totalizando seis ministros do governo de centro-esquerda que ainda não completara um ano. Orlando Silva, ex-presidente da UNE e sucessor de Agnelo Queiroz no hoje disputado Ministério do Esporte caíra após a seqüência clássica. Fatos jurídicos e administrativos, já sob algum tipo de investigação, desvelam situações no mínimo “não republicanas” e ganham os holofotes das empresas jornalísticas. A partir daí, qualquer semelhança com as quedas anteriores, incluindo a mais representativa – a de Antonio Palocci – não é nenhuma coincidência.

enviar •
imprimir •

Segundo o que foi difundido, após uma longa conversa com a presidente Dilma Rousseff no final da tarde de 4ª (26 de outubro), manteve-se o acordo de distribuição de cargos e funções, assegurando ao aliado histórico PC do B a mesma pasta que em janeiro de 2003 poderia ser vista como cargo de consolação. Para não punir a legenda amiga, se preserva o agente coletivo no posto-chave mudando o ator individual. Cansei de afirmar que este procedimento, se por um lado assegura a composição de forças, de outro reproduz no que restara de um verniz mais à esquerda no governo, o padrão da tal da governabilidade, com todas as suas mazelas. Perde-se uma grande oportunidade, tanto de cortar na própria carne, como demarcar terreno para os fomentadores do “fogo amigo” que vaza informações e reproduz a escala de boataria país afora.

Este seria o momento oportuno para demonstrar na pasta do Esporte as intenções do governo Dilma. Todos os países que sediaram Jogos Olímpicos aproveitaram o momento e transformando o transtorno da realização em esforço coletivo para modificar a estrutura do esporte no país. Como já afirmei noutras vezes, a gestão demissionária portou-se bem no alto rendimento (com bolsa atleta e a política de patrocínio das confederações) e muito mal nas políticas públicas. Era a hora da virada, ao menos no que diz respeito às políticas desportivas, e mais uma vez veremos o bonde passar.

Entendo que a política correta seria, como já disse acima, cortar na própria carne – no caso, na dos ex-comunistas – e convocar alguém reconhecido como autoridade na área, vinculado a algum esporte olímpico. Para o posto de Ministro do Esporte, além do já midiático Carlos Arthur Nuzman, poderíamos pensar em nomes como o presidente da Confederação Brasileira de Lutas Associadas, Pedro Gama Filho, ou então do já reconhecido Coaracy Nunes, à frente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos. Sabemos todos que nada disso irá ocorrer.

Encerro esta singela análise com duas reflexões. Primeiro, o senso de realidade me diz o óbvio; estas palavras acima não passam de um mui modesto protesto de alguém que de forma amadora milita na área há mais de vinte anos. Segundo, que para o Jogo Real da Política, uma composição de governo está acima de quase tudo. Se o PR recebera afagos para voltar à base aliada, esperava-se que o ainda respeitável PC do B recebesse o mesmo tipo de tratamento. Já a política pública de universalização da prática de esportes olímpicos no turno invertido da escola, esta que aguarde!

este artigo foi originalmente publicado no portal do Instituto Humanitas Unisinos






« voltar