Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A estrutura de Estado de Pinochet permanece. Por isso a direita vê o caminho livre pela frente

que pasa.cl

A estrutura de mercado, a partir da ação da quadrilha acima (Piranhas Vorazes ou Chicago Boys chilenos), abala as identidades sociais de um Chile profundo e que chegara a tomar parte do poder no governo de Allende. A tropa, a saber (da esq. para a dir.): Sergio de Castro, Sergio de La Cuadra, Pablo Baraona e Álvaro Bardón – é parte do esforço de guerra social para ganhar corações e mentes após o terror de Estado. O resultado eleitoral de 2009 é, em parte, fruto de seu trabalho de largo prazo. Friedman sorri nas profundezas.

21 de dezembro de 2009, da Vila Setembrina, Bruno Lima Rocha

Diante do retorno do fantasma do fantasma do ditador, este sendo possível e não se sabe se provável em função da transferência de votos do PS chileno para a coalizão da direita pinochetista, uma série de dúvidas abalam a crença dos analistas políticos mais à esquerda do Continente. O lado de lá comemora diante da demonstração de vigor e presença social da “opção chilena” (tortura e restauração pró-mercado a todo o custo), mas do lado de cá talvez não tenhamos a real dimensão do papel do Estado de exceção como autêntica ditadura neoliberal (inspiradora para a China, por exemplo) pôde ter gerado nas camadas sociais mais humildes do Chile.

enviar •
imprimir •

Se o estudo das mentalidades é um desafio de fôlego (mas não intangível como querem os prepotentes deterministas), uma aproximação com as bases sociais e de apoio à transição tardia chilena podem nos dar pistas do cansaço da aliança de governo (La Concertación) que gerara situações limite e espúrias. A dura verdade é que o ceticismo do chileno médio se dá também pela manutenção das estruturas de poder de Pinochet. Todos os governos após 1990 mantiveram alto nível repressivo aos movimentos sociais, com foco especial na esquerda social e no Movimento Mapuche (indígena). Já as políticas econômicas foram igualmente conservadoras (neoliberais) sem aumentar o nível de emprego formal e menos ainda o poder aquisitivo. Com o terreno preparado, a herança política do ditador já pode reencarnar.

Particularmente, desde 1996 tenho contato semanal com militantes chilenos e os relatos de repressão e por vezes de morte, além de prisão arbitrária, criminalização das marchas e atos, todos abundantes. Isto sem falar em um ambiente político coalhado de espionagem e infiltração estatal, eis a base para um sentido de permanência da sociedade vigiada. A própria corporação dos Carabineros é o exemplo mais bem acabado, materializando o conceito de que os pilares da ditadura continuam. O corpo policial militarizado, que seguiu operando nos anos da Concertação seguindo a disciplina prussiana, manteve a vocação de colonialismo interno e repressão social do período Pinochet. O caldo de cultura colonial se manifesta no confronto com lutas ancestrais como a do povo Mapuche, colocando o Estado como vigilante das parcelas mais organizadas do povo chileno. Com este tipo de representação de valores, estava pavimentado para um possível retorno dos herdeiros políticos de Pinochet.

O eleitor médio chileno de pensamento democrático ou com tendências de centro-esquerda teve como opção a partir de 1990 uma aliança entre adversários históricos (PS e PDC), unidos no processo de abertura e transição da ditadura. O momento em que essa aliança não pode mais expressar-se em conjunto foi justo quando um candidato da direita tinha (e tem) mais chances de ganhar. A tão elogiada “opção chilena”, menina dos olhos dos neoliberais da América Latina, permanecera quase intocada nos quase vinte anos de governos recentes. Com o terreno econômico preparado, a cultura política autoritária preservada (não está intacta, mas se mantém e conta com adeptos na “esquerda”) está dada a atmosfera propícia para pôr uma pá de cal na aliança entre democrata-cristãos e “socialistas”, recebendo a democracia liberal-representativa de braço abertos uma aliança de direita, com um partido pró-Pinochet e outro bastante próximo do genocida na cabeça de chapa.

Para aqueles que apostam na via eleitoral, ainda é cedo para jogar a toalha. Há uma probabilidade de Frei ganhar. Mas, as chances de haver uma mudança substantiva da relação do Estado com movimentos populares, esquerda social e povos originários, são mínimas. Com ou sem um Chicago Boy remodelado (Piñera e seu campo), continuará a haver repressão social no país de Victor Jara. É graças a esta permanência das bases políticas, econômicas, policiais e sociais de Pinochet, que na arena das ruas (e não nas urnas) a coisa deve esquentar ainda mais depois da posse do novo presidente eleito.



A versão completa deste artigo foi publicada originalmente no portal do Instituto Humanitas Unisinos (IHU)






« voltar