Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

O vazio cultural dos brasileiros


Não se constrói um país, nem sequer um projeto de país, sem bagagem cultural, identidades coletivas e um estoque de signos, narrativas e linguagens compartilhadas entre a massa crítica e os eleitos.

4ª 26 de março de 2008; Vila Setembrina dos Farrapos; Continente de São Sepé

A edição de domingo do jornal O Globo, trouxe nas páginas 16 e 17 de sua Revista os dados de uma pesquisa a respeito dos hábitos de consumo cultural do brasileiro. A matéria é do repórter Fellipe Awi e a pesquisa foi encomendada pelo Sistema Fecomércio-RJ. Os números são estarrecedores e por si só já merecem manchetes sem fim. Neste artigo, apresento um resumo dos dados e na seqüência uma análise crítica dos motivos que levaram a 11ª economia do mundo a ter os mais aterradores índices de deficiência cognitiva do Continente que teríamos de liderar.

enviar •
imprimir •

O primeiro enunciado afirma um hábito transversal a todas as classes. No ano de 2007, 55% dos brasileiros passaram longe de qualquer programação cultural. Destes 69% disseram que não leram nenhum livro ao longo de 365 dias! De cada dois cidadãos do Brasil, um não leu um livro, nem foi ao cinema, ao teatro, a uma exposição de arte ou a um espetáculo de dança ou música! A falta de hábito foi à primeira motivação para as classes D e E (58%) e da A e B (57%). Em segundo lugar como motivação veio “não gosto”, em terceiro “não tenho acesso” e apenas em quarto “não posso pagar”.

Dentre as formas narrativas a sétima arte foi a que mais sofreu a ausência. Além de sermos invadidos pelos blockbusters (versão pós-moderna dos enlatados), 87% dos brasileiros sequer foi ao cinema no ano passado! Para piorar, o custo das entradas e dos produtos culturais é percebido como caro e abusivo. Segundo os entrevistados, um ingresso de cinema deveria custar R$ 8,00; de teatro R$ 14,00 e o preço médio de um livro novo sairia por R$ 19,00.

Somos um dos países com maior número absoluto de internautas, mas sequer processamos o consumo massivo dos bens estéticos da modernidade. Para complicar ainda mais a situação, boa parte dos municípios do país não tem equipamentos culturais adequados. Apenas 8,7% têm uma sala de cinema; 21,2% têm teatros ou salas de espetáculos e livrarias existem em somente 30% deles. Para uma conta rápida e aproximada, de cada 100 municípios, cinema existe em 8, teatros em 20 e livrarias em 30.

Fora toda a concentração midiática, do monopólio dos fluxos de informação, das chacinas de identidade cometidas quando se acabam com sotaques e estéticas, o Brasil ainda tem carência de equipamentos. Muitos podem se perguntar, porque um analista político dedica um artigo a respeito da carência cultural nacional? Simplesmente porque um não vive sem o outro. Quanto menos leitura tiver o eleitor, pior terá de ser o discurso para lhe fazer chegar uma proposta; quanto mais pobre for o imaginário e referência de cada um, mais medíocres terão de serem as figuras de linguagem para falar ao povo. Daí o porquê das gírias e exemplos futeboleiros seguidas vezes aplicados por políticos profissionais para convencerem as maiorias a fazer algo que nos prejudica diretamente.

Um país é construído por suas manifestações e realizações. No primeiro quesito, a informação, a comunicação e a cultura andam juntas. Este grande campo do saber e da atividade humana formam as representações ideológicas, os vínculos com nossa própria história; a trajetória coletiva é individualizada através da linguagem. Não existiria religião monoteísta sem livro sagrado, assim como não há civilização sem escrita. Portanto, temos duas constatações. Não há democracia que resista a ignorância estrutural e a falta de domínio da norma culta da língua. E, o Brasil precisa urgentemente de uma política pública (ou seja, universal e não seletiva) para que ao menos os municípios tenham os equipamentos culturais necessários para seu desenvolvimento. Caso contrário, teremos de nos contentar com o lixo cultural vendido nos DVDs piratas e com a isenção fiscal através de leis de incentivos e projetinhos.

O aspecto interessante da pesquisa da Fecomércio-RJ é a queda de um mito. Expõe que o mau exemplo vem de cima, demonstrando a falta de hábitos e gosto para consumo de bens culturais das classes A e B. Nenhuma elite nacional pode ter planos ousados se não enxerga a si mesmo. A capilaridade da memória e da identidade é um projeto de nação em si. É inimaginável a coesão dos costumes dos Estados Unidos sem a presença em todo o país do Instituto Smithsoniano, da educação pública e do cinema como forma de exportação de usos e costumes.

Não precisamos ir tão longe para compararmos a nós mesmos. Em países vizinhos e mais pobres, como o Uruguai e na Argentina, a proporção de livrarias e de leitores é muito maior do que aqui. Sem a produção, circulação, difusão e consumo de nossos próprios bens culturais nem seremos um projeto de nação inacabada porque sequer teremos este projeto. Identidade, cultura e capacidade cognitiva é coisa séria e ultrapassa o interesse direto na relação político-eleitor; governo-cidadania; consumo-consumidor; Estado-nação e elite-povo.

Por falar em mau exemplo, no orçamento dos ministérios e gastos de governo está refletida a ignorância que vem de cima. Enquanto o Ministério da Cultura tem para 2008 o orçamento previsto de R$ 1,1 bilhão estão previstos R$ 248 bilhões para o pagamento de juros e amortizações da dívida federal. São números que falam por si.

Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar