Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

As pesquisas como geradoras de fatos políticos

clikpb.com.br

As pesquisas eleitorais seriam inferências de opiniões transitórias em reduzido universo sem capacidade de universalização da mostra. Na verdade, estes produtos simbólicos tornam-se poderosos fatos políticos após retumbarem nas indústrias de mídia do Brasil.

21 de outubro de 2010, Vila Setembrina dos Farrapos e Lanceiros Negros traídos por letifundiários em Porongos e condenados ao segundo desaparecimento por mentirosos midiáticos que omitem a epopéia missioneira, Bruno Lima Rocha

Se há algo polêmico e ainda não comprovado é a credibilidade das chamadas pesquisas de opinião e intenção de voto. Particularmente me somo aos críticos e com este artigo, tenho certeza de que irritarei a maioria dos marketeiros, proprietários de institutos de pesquisas e coordenadores de campanha. Não questiono aqui a intencionalidade original de quem as organiza e nem faço ilação de que as mesmas são fraudadas. O problema é de outra ordem e trata da razão de ser das mesmas e suas variáveis analíticas. Uma vez que as aferições são sempre contestadas, e ainda assim tem repercussão midiática, a atividade fim, a de demonstrar as intenções de voto, torna-se secundária. Hoje no Brasil, a pesquisa de opinião opera como fato político. Seus resultados são oportunistamente elogiados por quem sobe e refutados pelos que descem.

enviar •
imprimir •

Na inversão das funções, as pesquisas passam a incidir sobre as intenções de voto, a partir do momento em que estas são midiatizadas e constituem-se como enunciados das campanhas e candidaturas. Vive-se assim um paradoxo. Cada vez mais, menos operadores políticos e analistas manifestam crença real nos resultados das pesquisas. Simultaneamente, estas aferições são utilizadas como peças de propaganda. Ao fazerem parte do arsenal do bombardeio midiático, mesmo sendo muito questionadas, tornam-se parte fundamental da corrida rumo ao Planalto e aos executivos estaduais.

Ao final do primeiro turno, houve erros crassos em escala nacional e nos estados. O detalhe é que estes erros são recorrentes, trazendo à tona um questionamento quanto à eficácia dos instrumentos das pesquisas. Elencando três argumentos óbvios, o primeiro destes é a amostragem. Se já é difícil a totalização de um censo com questionário fechado, que dirá uma aferição instantânea da opinião transitória? O segundo ponto fraco é a materialização do objeto de estudo. Ou seja. Como é possível aferir algo instantâneo, passível de mudanças e que goza de poucos elementos de convicção? Sim, porque o que está em disputa se dá sobre a maioria silenciosa, na busca do senso comum através de um léxico passível de compreensão em um país de semi-analfabetos e analfabetos funcionais como o nosso.

O terceiro argumento é a própria identificação entre o eleitor e sua preferência de voto. Qualquer analista com formação sólida julgará que a opinião condensada como opção pelo voto, apoiando uma ou outra candidatura, é a resultante de um processo com distintas variáveis incidentes. Assim, o pertencimento seria um fator mais influente para a definição do voto do que as estripulias de marketeiros. Entra fatores como o interesse direto, implicando em escolha de servidores de carreira optando por uma candidatura vinculada à expansão da capacidade de investimento do Estado; a identificação por lealdade partidária ou religiosa; a faixa etária marcada por elementos culturais; as identidades geradas através do fator território de moradia, dentre outros cortes de identidade. Convenhamos, é impossível incluir todas estas variáveis em uma amostra de entrevistados, o que torna as pesquisas passíveis de muitas falhas.

Concluo reafirmando o óbvio. A difusão de pesquisas opera mais como gerador de factóides eleitorais, criando fatos políticos através de sua exposição midiática, do que como uma medição das opções de voto do eleitorado. Eis o absurdo.

Obs: antes que algum desavisado associe este texto com a subida ou descida de um dos dois candidatos à Presidência, peço que desista de semelhante desvario. A posição da página e deste analista é sabida e fica a galáxias de distância da democracia limitada e indireta hegemônica hoje.

Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar