Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

TPP, Aliança do Pacífico e a nova presença dos EUA na América Latina


O TPP é uma ponta da projeção de poder do Império, cuja meta inclui a assinatura do hoje ainda distante Tratado Transatlântico de Comércio e Investimentos (TTIP), também conhecido por TAFTA.

31 de outubro de 2015, Bruno Lima Rocha

"O passo seguinte da presença comercial da China seria o de projetar uma nova arquitetura financeira mundial e é justamente contra esta possibilidade que se voltam os defensores da 'multilateralidade' pronunciada pelos porta-vozes de EUA e Japão", escreve Bruno Lima Rocha, professor de ciência política e de relações internacionais.

Eis o artigo.

enviar •
imprimir •

Em momentos de crise política brasileira e fim de modelo de crescimento em cima da venda de produtos primários para o mercado externo temos a tendência a fazer uma espécie de entropia, focando em assuntos internos e não observando as relações continentais. Parte do esforço analítico aqui tratado busca relacionar o desenvolvimento interno de nosso país com o ambiente regional e continental. Diante do crescimento do eixo do Pacífico através da expansão da interpendência comandada pela China, há uma tentativa evidente de concorrência e contrapartida dos Estados Unidos (EUA), conforme veremos a seguir. Nesta disputa, o Brasil e qualquer perspectiva de desenvolvimento autônomo - não subordinado ao aumento sem freios de circulação de mercadorias e serviços - entra em evidente desvantagem. A fragilidade da soberania popular caminha lado a lado com o aumento do poder do capital transnacional e a desregulação da força de trabalho, com a retirada óbvia de direitos sociais. Tal debate, portanto, é urgente e necessário.

O TPP e a projeção ao Pacífico

No dia 5 de outubro de 2015, Estados Unidos e Japão lideraram a assinatura de um marco do governo de Barack Hussein Obama, dentro de sua proposta de tentar uma inflexão ao Pacífico. O Tratado Transpacífico (TPP) foi firmado por EUA, o derrotado império japonês, Austrália (aliada incondicional do Império, equivalente a Inglaterra na região do Sudeste Asiático), Canadá e México (zonas de influência diretas do NAFTA - Área de Livre Comércio da América do Norte - e das cadeias de valor dos EUA), Brunei, Malásia, Cingapura, Vietnã (estes três últimos com grande capacidade de produção e concorrentes em pequena escala da China), além de Chile e Peru. Tais Estados em conjunto equivalem a 40% do PIB mundial e, vale comentar que, apesar do conceito de Produto Interno Bruto ser muito contestado dentre os economistas políticos críticos, aceitam-se este conjunto de dados para análise de comparação internacional.

O TPP é uma ponta da projeção de poder do Império, cuja meta inclui a assinatura do hoje ainda distante Tratado Transatlântico de Comércio e Investimentos (TTIP), também conhecido por TAFTA. O início das conversações oficial foi em junho de 2013 e, de acordo com as regras da União Europeia, quem pode assinar o mesmo é a Comissão Europeia, especificamente sua comissão para tratados comerciais. Caso os EUA entrem neste nível de acordo com a Europa Unificada e especificamente com a zona euro, terão consolidado uma condição de domínio na chamada guerra fria comercial do segundo período pós-11 de setembro.

O Tratado, portanto, é parte desta grande estratégia que obedece a “regras” da geopolítica mundial, estando de acordo com as previsões do início primeiro período Pós-Guerra Fria. Durante o governo do democrata Bill Clinton, sua assessoria direta e indireta para temas internacionais e de segurança apontou como o grande risco uma reaproximação entre China, Rússia e Índia. Passados vinte anos do prognóstico, o mesmo se revelara acertado, sendo que o “risco” considerado pelo Departamento de Estado da Superpotência trata da capacidade de expansão chinesa pela via comercial e de investimentos diretos em diversos países.

O passo seguinte da presença comercial da China seria o de projetar uma nova arquitetura financeira mundial e é justamente contra esta possibilidade que se voltam os defensores da “multilateralidade” pronunciada pelos porta-vozes de EUA e Japão. Como afirma um de nossos especialistas brasileiros em potências médias e BRICS, o professor de Relações Internacionais Diego Pautasso, sabe-se que o volume de investimentos chineses está criando um sistema sinocêntrico, sendo que o mesmo ainda não tem uma estrutura financeira à altura de sua capacidade econômica. O passo avançado da marcha de Beijing se verifica com a presença de capitais chineses através do Banco de Desenvolvimento e do Eximbank chineses – superando o total de investimentos do Banco Mundial na América Latina – sendo complementados pelo Fundo de Contingência e do Banco dos BRICS.

O mesmo está ocorrendo com o Banco Asiático de Investimentos em Infraestrutura (AIIB), o adversário direto dos proponentes do TPP. EUA e Japão, além dos associados menores, entendem que o mundo não pode ser multipolar em sua estrutura financeira. Apesar de reconhecerem que a era de domínio absoluto estadunidense está realmente sendo modificada, a “nova arquitetura” pode implicar um “perigoso” giro considerando a aproximação estratégica entre Rússia e China.

E para a América Latina, o que resta?

Para a América Latina, a presença de México, Peru e Chile neste tratado é mais uma inflexão no rumo do Pacífico, acompanhando a guerra fria comercial entre EUA e China e afastando-nos de buscarmos saídas entre nós mesmos. Dentre estes países, o caso peruano é ainda mais complicado, pois como já assinaram um Tratado de Livre Comércio (TLC) com a China, o TPP vai deixa-los ainda mais expostos à enxurrada de manufaturas produzidas com mão de obra semiescrava e através do trabalho superexplorado.

A presença de empresas transnacionais em territórios ricos em minérios estratégicos causa uma evidente ameaça e tensão social em distintas regiões do país, como é o caso da empresa Southern Peru (subsidiária do Grupo México, mega-exploradora de minério e petróleo) e o conflito na região de Arequipa, província de Islay. O projeto de mineração de Tía María já indica uma hiper-exposiçao de nossos países como uma selvagem plataforma de exportação primária. Com a presença do TPP, tal exposição aumenta os danos sociais e ambientais já ultrajantes.

Já os efeitos para o Mercosul também são nefastos e cabe discuti-los em um texto próximo.






« voltar