Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A falácia chamada TIAR


Para os veteranos das Malvinas, nunca houve TIAR nem nada parecido. O Alto Comando regado a whisky ficou na Casa Rosada; as melhores tropas anfíbias, não saíram de Bahia Blanca; as relações carnais dos EUA fluíram com o 51º estado, a Inglaterra; e os recrutas voluntários correntinos congelaram no mar austral.



Existe uma falácia na diplomacia pan-americana. O Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) foi criado no período da bipolaridade. Fruto da Guerra Fria e da Aliança para o Progresso, junto com Zé Carioca, Walt Disney e Orson Welles, esta peça de ficção jurídica foi constituída com o fim de garantir a detenção. O TIAR, em tese, e somente em tese distante de teste e comprovação da hipótese, garantiria a Assistência Mútua e recíproca. Ou seja, a aliança imediata dos Estados Americanos.

A OEA tem como instrumento condicionante o TIAR. Mas, quando o general Leopoldo Galtieri, regado de whisky doze anos, do balcão da Casa Rosada, declarou a guerra de reconquista das Malvinas (Falklands) para os ingleses, o Tratado de Assistência que prevaleceu foi a OTAN. O chamado 51º estado dos EUA, a Inglaterra, contou com apoio e ajuda do governo Reagan para retomar sua colônia de pingüins no Atlântico Sul. A ditadura argentina era fiel aliada dos yankees, mas muito menos confiável do que o Chile de Pinochet e dos Chicago Boys. Quando a Junta Militar austral resolveu arrumar tumulto na Terra do Fogo e no Canal de Beagle, quem interveio foi o papado. Três anos depois, a ajuda discreta partiu do governo Figueiredo para os argentinos. Discrição demais, tiros de menos, as tropas ficaram acantonadas em Bahía Blanca e os “valientes de la ESMA” se renderam sem lutar contra os mercenários Gurkas. Vitória do ex-Império erguido sobre o tráfico de ópio.

Esta pequena digressão histórica aponta o absurdo do entramado diplomático do Continente. O Brasil não exerce liderança devida, e quando o faz, executa sua ação subordinada aos interesses indiretos da Casa Branca. O TIAR funcionou pouco ou nada na estupidez de fronteira entre o Peru de Fujimori e o Equador com Abdala Bucaram à frente. O nipo-peruano deixou o poder em 2000 – acusado de tudo, e com provas – e o primeiro inaugurou a era “Corra que a Conaie vem aí”, sendo o primeiro dos três presidentes corruptos e dolarizadores postos para fora através de um levante indo-popular. Bucaram saiu correndo em 1997, sendo seguido por Mahuad (2000) e Gutiérrez (2005).

Após os conflitos de fronteira, a popularidade destes dois ex-presidentes corruptos e ancorados na repressão política, na livre circulação financeira, sendo que o agrônomo japonês tinha como baliza econômica o tráfico de drogas, cresceu vertiginosamente. Demorou mais de 2 anos para a estrutura de poder começar a ruir, incluindo desafetos internos. Resumo da ópera bufa, TIAR que é bom, nada.

Agora, na possibilidade de choque entre 3 Estados, o TIAR caiu de imediato, quando o Estado colombiano invade território soberano do Equador sem sequer comunicar para a Casa de Governo. Me resta uma cruel curiosidade mórbida:

- Porque será que nenhum veículo da mídia grandona fala disso mesmo? Ah, será porque os “especialistas” repetem as teorias de Relações Internacionais promovidas pelo G-7? Ou será porque a maioria dos âncoras e palpiteiros não entende nada com coisa nenhuma?

Ambas as respostas estão corretas.

enviar •
imprimir •






« voltar