Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

O dólar queimando a economia mundial


O dólar furado nos faroestes macarrônicos remonta a outra era da economia mundial; hoje, no período da ciranda e jogatina digital, petróleo escasseando pra valer e as corporations governando desde a Casa Branca, a moeda dos EUA queima a economia mundial em sua esteira. As teses macro econômicas do Fed é que estão furadas.



Introdução para a Nota

O contador, especialista em tributação e macro economia João Pedro Casarotto, enviou-nos na semana passada um comentário que fora publicado em dois portais bastante respeitados. Um mais analítico e outro com perfil jornalístico. Sincera e honestamente, cada vez mais a diferença entre ambos campos é ínfima ou imperceptível. Bem, voltando às palavras de João Pedro, seu comentário sobre o peso gravitacional que o poderio dos EUA impõe ao mundo opera também nas teses fajutas e loucas, ancorando a irresponsabilidade e concentração econômica operada a partir e de dentro do Império, botando na parede qualquer chance de multilateralismo e já por conta, emparedando uma possível “aventura política” com Barack Obama. É o sinal do risco eminente caso apareça algum outro Camelot corretamente interpretado por Noam Chomsky.

O dólar arde porque os generais de poltrona e controles eletrônicos não darão trégua e as portas giratórias continuarão a girar. E cabe ao mundo pagar a conta, sob ameaça de porta aviões e cia. em nome da “liberdade e da democracia”. Sigamos com atenção às palavras deste homem honesto e sábio e que sabe o que diz e afirma sem medo aquilo que quase ninguém quer dizer.

João Pedro Casarotto diz:

Quinta-feira, 20 março 2008 às 4:23 pm, este comentário publicado no blog do Le Mond Diplomatique Brasil; e depois republicado no portal de Luiz Carlos Azenha, no

É preciso aprender com a psiquiatria: se não estamos nos sentido bem e queremos mudar o primeiro passo é conhecer e reconhecer a nossa doença.

A aparente fraqueza do dólar é justamente a maior demonstração da sua força, pois ele está impondo aos demais países o pagamento da conta do ajuste do déficit comercial e das irresponsáveis aventuras financeiras, dos mercados norte-americanos.

A proximidade das eleições norte-americanas tem papel preponderante na decisão de “arrumar” a casa, que visa não só fazer a faxina, mas também aproveitar os últimos momentos para colocar uma pedra sobre o ciclo da farra.

Ou seja, só está sendo aplicado o “freio de arrumação” que além de aglomerar na marra os passageiros mostra quem está no comando.

É como nas guerras “cirúrgicas”, no fim apresentam a conta para todos. E todos, mansamente, porque não têm alternativas, pagam!

Sempre soubemos que o neoliberalismo com a sua eficácia dos mercados era pirita, pois eles querem o Estado para arrecadar impostos, que devem ficar disponíveis para proteger seus ganhos.

Logo eles irão inventar outra tese para substituir a que está naufragando, mas que gerou enormes ganhos para eles e a maior concentração de renda já ocorrida no mundo, inclusive nos EUA. Eles são pragmáticos; nós é que entramos na fria de ficar discutindo as teses fajutas deles.

No momento, estamos presenciando a mais pura demonstração da supremacia dos irmãos do norte.

Alguns exemplos:

1. vendem seixo a preço de brilhante (papéis do subprime);

2. obrigam os concorrentes a injetar recursos em suas empresas atoladas em enormes prejuízos;

3. provocam uma colossal transferência de renda das demais economias para a sua, via juros, dividendos e lucros;

4. sustentam falsos oráculos da economia mundial, como as empresas de rating com suas falsas avaliações;

5. desdenham o apelo dos impotentes aliados que imploram um mínimo de moderação no seu ajuste;

6. forçam a ampliação dos mercados internos dos parceiros para que estes absorvam o excedente da sua parada estratégica, sem nenhuma preocupação com a inflação daí decorrente;

7. equilibram a sua balança comercial mediante o aumento das exportações de suas empresas sem competitividade e sem mercado interno; etc.etc.

Inadvertidamente alguns vendem o sonho da breve quebra da hegemonia econômica dos EUA e a conseqüente deterioração do padrão-dólar. Puro ilusionismo; hoje ninguém tem força para tanto, pois o Yene e o Euro já ajoelharam e o Yuan está começando a flexionar os joelhos. O nosso sonho de testemunhar a queda do império está longe de acontecer.

Dois exemplos de sonhos que também, para alguns, “indicavam” a queda do império:

1) FATO: o desmonte da União Soviética e o fim da bipolaridade mundial, SONHO: iniciar-se-ia a formação de vários blocos mundiais (América, Europa, Árabes, Oriente) iniciando a era da multipolaridade mundial;

2) FATO: ataque às torres gêmeas, SONHO: o império reconheceria a sua fragilidade e passaria a ser mais solidário com o resto do mundo.

Esta hegemonia outorga ao Dólar as categorias de parâmetro e de reserva internacional que são definidoras da economia dominante. Portanto pensar que os EUA, com sua exuberante hegemonia militar, permitirão ameaças a sua moeda não é sonho, é alucinação.

Se este sonho for comprado por alguns é certo que logo os veremos chorando como aconteceu nas crises cambiais do final das décadas de 70 (Resolução 63) e de 90 (leasing de automóveis). Creio que, nas atuais circunstâncias, quem tomar empréstimos de longo prazo em dólares entrará numa canoa furada.

Assim como no filme famoso, na vida real também o dólar furado salva o mocinho. A única diferença é de que no filme a moeda foi furada pelo bandido e na vida real ela foi furada pelo dedo do proprietário do patacão.”

enviar •
imprimir •






« voltar