Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Unidade tática na composição de Dilma

blog da dilma

O advogado gaúcho santamariense Nelson Azevedo Jobim emplaca o tricampeonato, tendo sobrevivido a dois governos e no rumo de um terceiro mandato, ainda como ministro da Justiça. Peemedebista da estirpe de Simon e cia., sua presença no Planalto materializa a noção de unidade tática, para alegria de pessoas “sensatas” como tucanos travestidos e da embaixada dos EUA.

23 de dezembro de 2010, da Vila Setembrina de Farrapos ludibriados por latifundiários escravagistas, do continente de Artigas y valientes traicionados, Bruno Lima Rocha


O governo de Dilma Rousseff vai sendo escalado, tomando forma e, ao mesmo tempo, recebe críticas pela maneira como é montado. Não digo que conceitualmente discordo destas cobranças, mas afirmo que do contrário, nem ela teria sido eleita com votos de PMDB (abertamente) e PP (indiretamente) e menos ainda, teria alguma chance de obter a tal da governabilidade. Ou seja, cobra-se da presidente eleita justo a característica pela qual formou sua base de sustentação (antes e depois do primeiro turno). Exige-se coerência interna e unidade programática quando uma equipe ministerial desse quilate vai obter, no máximo, unidade tática e alinhamento de discurso. Seu governo não será o primeiro, e pelo visto tampouco o último, a obter musculatura através da composição ampla, geral e irrestrita. Vejamos.

enviar •
imprimir •

Quando os operadores políticos não têm um objetivo permanente e uma via comum para materializarem estes projetos de poder, podemos afirmar que os une uma aliança tática e não programática. É justo por essa característica que é possível ver ministros como Nelson Azevedo Jobim ocupar cargos de primeiro escalão no governo FHC (como ministro da Justiça) e no de Lula (na pasta da Defesa), antes passando até pela presidência do Supremo. Em sendo uma unidade programática, não seria tolerável pela coerência interna do projeto a manutenção em postos-chave de operadores marcados por gestões anteriores. O difícil é “fechar o grupo”, como se diz no futebolês. Como as discrepâncias no primeiro escalão de um governo dão uma fonte inesgotável de fatos midiáticos transformáveis em fatos políticos, a salvação da lavoura é um alinhamento de discurso, ao menos publicamente. Em tese, alinha-se externamente (nas falas e comunicações organizacionais) a adesão ao projeto. Isto em tese, porque na lida do dia a dia do Planalto, reza-se para que nenhum descontente utilize a via Golbery, fazendo a sociedade saber - através de vasos comunicantes – das mazelas de um Executivo em permanente disputa interna.

O paradoxo está no admirável, mas não desejado pelo pragmatismo reinante no Brasil. Conseguir coerência interna em uma agremiação política ou entidade representativa, não importando tanto sua dimensão, é o anseio de quem se dedica à vida associativa de forma séria e não carreirista. Já a unidade programática é aquela obtida quando os componentes de um mandato concordam em onde chegar e como atingir os objetivos. Traçar metas unitárias não é o mesmo que entrar em acordo com as vias para atingi-las.

Por outro lado a coerência, em geral, é vista como radicalismo pelo senso comum e, na história recente da política brasileira, também como moralista. O mais interessante desta característica é que ela marca não apenas uma harmonia funcional entre meios e fins (processos por tanto), como também é cunhada numa cultura política distinta. Ouso dizer que o exercício desta cultura da coerência traz elementos de diferenciação para com o estabelecido, dando condições para a crítica das formas oligárquicas e tradicionais (paroquiais). O problema é que a coerência interna e a unidade programática são o oposto da tal da governabilidade e todos os seus acórdãos necessários para dividir a maior parte do bolo entre os mesmos de sempre.

Dizia-se que a crítica antes exercida pelo PT aos pares na política profissional auto-proclamava a legenda de José Dirceu como “pura” sendo as demais “maculadas”, adeptas da “velha política”. Isto porque a forma tradicional de fazer política no Brasil é marcada pelas leis sociológicas cunhadas pelo léxico do povão. Uma, é a Lei de Gérson (“levar vantagem em tudo”) e a outra, a Máxima do Robertão (“é dando que se recebe”). A compreensão mediana da política brasileira é marcada pela relação de clientela e patrimonialista para com a coisa pública.

Ao entrar em acordo e evitar colidir com parte dos correligionários do Centrão à época da carta magna de 1988, Luiz Inácio e seus correligionários (incluindo a herdeira sucessora) apontaram como meta o exercício do mandato através de unidade tática e alinhamento de discurso. É isto e nada mais, sequer ficando em segundo plano as outras formas de análise e valoração da política.

Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar