Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Análise de conjuntura após o pedido de impeachment


Tivessem ido até o fim com a CPI do Banestado e com as operações Chacal e Satiagraha e não sobraria nem pena de tucano. Agora, os novos entrantes na jogada vão pagar o preço completo. Não deixa de ser bem feito.

05 de dezembro de 2015, Bruno Lima Rocha

"No país da chantagem política, o gesto surpreendente de coerência restante da bancada do PT faz a ex-esquerda ficar contra as cordas. Para satisfação da UDN, o pacto lulista pode terminar de forma melancólica e com uma razoável parcela da elite empresarial presa. E agora Luiz Inacio? Plantou com quem não deveria andar junto e termina colhendo o bagaço do latifúndio próximo. Tivessem ido até o fim com a CPI do Banestado e com as operações Chacal e Satiagraha e não sobraria nem pena de tucano. Agora, os novos entrantes na jogada vão pagar o preço completo. Não deixa de ser bem feito", escreve Bruno Lima Rocha, professor de Ciência Política e de Relações Internacionais.

Eis o artigo.

enviar •
imprimir •

A crise política da ex-esquerda é mais profunda do que imaginávamos. Trata-se de típico fim de etapa e crise de hegemonia do PT. Vimos esse ciclo encerrar-se com o anarquismo nos anos '30, com o PCB após o golpe de '64 e agora é a vez do PT. Substituir uma hegemonia de esquerda por outra não é tarefa simples e pode implicar em mais uma década de reorganização. Até lá, vamos ver ex-companheiros ficarem cada vez mais parecidos com antigos adversários, tornando-se antagonistas do povo e inimigos de classe de quem se organiza debaixo para cima.

No país da chantagem política, o gesto surpreendente de coerência restante da bancada do PT faz a ex-esquerda ficar contra as cordas. Para satisfação da UDN, o pacto lulista pode terminar de forma melancólica e com uma razoável parcela da elite empresarial presa. E agora Luiz Inacio? Plantou com quem não deveria andar junto e termina colhendo o bagaço do latifúndio próximo. Tivessem ido até o fim com a CPI do Banestado e com as operações Chacal e Satiagraha e não sobraria nem pena de tucano. Agora, os novos entrantes na jogada vão pagar o preço completo. Não deixa de ser bem feito.

Que bela síntese do dilema do pelego, ceder ao patrão para não ficar pior que está ou enfrentar para fortalecer a própria base e - na forma de risco calculado - acumular forças? As esquerdas sempre se dividiram a este respeito e também no limite deste cálculo. Quando o cálculo é só de curto prazo, o chamado "pragmatismo político" sem projeto vira a versão do leninismo piorado (o que já é ruim fica horroroso), como por exemplo na conta de chegada do Mensalão: - Quanto vocês cobram? Agora, com crescimento econômico retardado e fim de ciclo no capitalismo periférico, as escolhas de conveniência vão cobrar seu preço, e bem alto, com ou sem impeachment.

O Brasil na berlinda

A argumentação política para o pedido de impeachment é pífia. A abertura do processo de impeachment em cima de decretos de ampliação orçamentária no exercício de 2015 é golpe fruto de chantagem política. Nesta mesma semana, o congresso ampliou a base fiscal e agora o presidente da Câmara acata um pedido de impeachment baseado no mesmo princípio.

Se o PSDB, DEM, Solidariedade e PPS virarem sua posição no Conselho de Ética e apoiarem Cunha, então a maré virou e estará tudo nas mãos de Temer e demais caciques do PMDB. Na base jurídica isso não anda de forma alguma. Estamos em terceiro turno, em seu segundo tempo e se produz um novo alinhamento. Para o governo, a necessidade é alinhar voto a voto e correr contra o tempo.

Temos visto a berlinda de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o jogo de duas mãos - Cunha fica e o impeachment não anda ou Cunha sai e anda o impeachment. Que horror, base neopentecostal, bancada BBBB e ex-esquerda entre a PF e a coalizão de direita (aliada a banqueiros, latifundiários, industriais clientes e só não fecha com os donos da mídia por discrepância ideológica destes últimos).

Já que virou literalmente vale tudo, o PSDB tem de fechar um acórdão de saída para Cunha e negociar a transição de poder, ou então ter a cara de pau de virar seu voto na Comissão de Ética, tal e qual o PT virou o próprio - no caso, contra Cunha. Se isto não ocorrer, a possibilidade de vitória da UDN pode ser um vôo de galinha.






« voltar