Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

As capas da revista The Economist e os sistemas de pressão internacional: os piratas ingleses atacam permanentemente


Os fatores de “queda” do segundo mandato Dilma para a revista são justamente o que é relativamente destacável.

14 de janeiro de 2016, Bruno Lima Rocha

Introdução

A publicação inglesa The Economist traz em suas capas um modelo de operação de pressões internacionais e ajudam a derrubar políticas econômicas. Suas capas operam como chantagem orquestrada pelo elo forte do capital financeiro transnacional operando a partir do eixo NYC-Londres. Entendo que – de fato e de uma vez por todas – essa bandidagem de Armani e Dior tem de ser desmascarada e perder seu poder de influência em nossos países (da América Latina). O problema é de fundo e já vem sendo por demais debatido nas várias gerações das ciências humanas e sociais do Brasil e dos países hermanos.

enviar •
imprimir •

Dói constatar que Fernando Henrique Cardoso tinha razão, só que em 1967. FHC ao menos nisso estava certo: a dependência é estrutural e, por consequência, estruturante. Assim, se tivermos de classificar o andar de cima, não é nenhum exagero denomina-lo como é vira-lata, vende pátria e intrinsecamente entreguista. Ouso afirmar que se os países anglo-saxões nos atacam, os inimigos de classe e aderentes às teses do Império como se todas e todos tivessem green card dos Estados Unidos, se sentiriam culpados e imaginando: “Algo fizemos para sermos atacados!”.

O problema da descolonização de nossas mentalidades políticas e a postura anti-colonialista necessária para gerar o impacto e a autenticidade da luta popular no Brasil, se vê contra a parede.  A “solução” ofertada para a massa é o pós-stalinismo, pós-trabalhismo ou a versão contemporânea do varguismo, o lulismo. Este fenômeno ainda petista prefere – e vem apontando – pela via do “pragmatismo” outra saída: aliar-se aos oligarcas e oligopólios nacionais cartelizados e entrar de sócio menor da China em escala mundial. Dentro desse maldito colonialismo, observemos o vira-latismo e seus paradoxos.

 

The Economist e o viralatismo estrutural da direita brasileira

A publicação inglesa The Economist, em sua primeira edição do ano (de 2 a 8 de janeiro de 2016) trouxe a presidente Dilma Rousseff na capa sob o título Brazil’s Fall: Dilma Rousseff and the disastrous year ahead (A queda do Brasil: Dilma e o ano desastroso pela frente). Imediatamente após esta divulgação, houve enorme repercussão nas redes sociais através da difusão das mídias corporativas e prontamente a profecia macabra ecoou no Brasil com ares de verdade anunciada.

Sou obrigado a reconhecer os impactos deste tipo de achaque em escala mundial, e obviamente, em nosso país. Continuo afirmando que este governo é indefensável, mas que isso não pode implicar em fazer coro com a direita que não é governo. Os fatores de “queda” do segundo mandato Dilma para a revista são justamente o que é relativamente destacável.

O receituário da revista vai ao encontro do programa do governo Michel Temer (o vice que não consumou o golpe palaciano) denominado “Uma ponte para o futuro”. Logo, não tem como reproduzir tais absurdos como a desvinculação total das receitas segundo o preceito constitucional e menos ainda defender a desregulamentação da força de trabalho. É este tipo de panaceia a moda vale tudo dos anos 90, como quando elogiam o período FHC e mesmo Fujimori, que pode fazer de nosso país o inferno tropical na terra.

A maldita publicação dos especuladores em língua inglesa – e vergonhosamente reproduzida pela Carta Capital no Brasil – elogiam a guinada à direita da América Latina quando o que até agora ocorreu foi a vitória do menemismo na Argentina e o triunfo nas eleições parlamentares dos escuálidos na Venezuela. Vale observar que o triunfo venezuelano tão proclamado não passou de 300 mil votos sendo o chavismo derrotado por seus seguidores desiludidos e não pela direita pró yankee.

Se observarmos os efeitos diretos no imaginário político conservador, basta notar o viralatismo visceral nos mais de 8000 comentários no perfil de O Globo quando a direita que perdeu na urna (a brasileira) comemora a capa contrária como uma vitória pontual. É fato. A pressão desta revista que opera como porta voz dos especuladores em escala mundo é muito grande, andando de patas dadas com o ataque da alta do dólar e a picaretagem das notas emitidas pelas agências de risco.

 

Os chantagistas e especuladores continuam atacando o Brasil 

Eu já repeti isso à exaustão e me vejo obrigado a retomar o argumento. Há um sistema de retroalimentação entre a mídia especializada, as agências de “rating”, os operadores de mercado e as instituições financeiras com envergadura mundial. A agência de “análise” de risco Fitch Ratings rebaixa ainda no final de 2015 mais uma vez a nota do Brasil, passando para BB+, classificando nosso país como grau especulativo, junk bond (ação lixo, ações podres, títulos buitres como dizem na Argentina, papeles buitres….) o que já implica em obrigações contratuais de venda dos títulos do Tesouro brasileiro. Diversos fundos de pensão e de investimentos têm em sua cláusula contratual e de funcionamento, a obrigação de apenas comprar papéis de países com uma nota relativa das agências e, estas devem vir acompanhadas de uma alta taxa de remuneração. Quanto maior o “risco”, maior a sangria especulativa através do retorno da taxa de juros reais. O Brasil já tem a maior taxa básica de juros do mundo e talvez ainda aumente, pois a Standard & Poor’s rebaixou a nota brasileira em setembro e agora é a vez da menor das três, a Fitch, restando apenas a Moody’s.

Ouso afirmar que, para este momento, a melhor opção para os especuladores seria uma liquidação total das políticas do lulismo e a aplicação à risca dos passos observados pelo receituário neoliberal. Por isso tanto entusiasmo com o golpe paraguaio na forma de impeachment cuja canoa já faz água. Para os tubarões do mercado financeiro, todo dia é dia de carne fresca, e a 7a economia do mundo com um ainda vigoroso mercado interno de mais de 100 milhões de consumidores médios é um prato cheio. Este governo – ou o que dele resta – já fez a inflexão possível para o ajuste fiscal e o inexorável caminho das restaurações neoliberais e sabe que se apertar mais o cinto, teremos um início de colapso das instituições formais mais importantes. Quando há aperto no orçamento e execução de gastos públicos, a conta é paga na calçada, na sinaleira e na marquise, aumentando o crime contra a vida e patrimonial, o índice de moradores e menores de rua além do aumento da extrema pobreza.

 

Apontando conclusões óbvias

Para os tubarões e alto executivos com trajetória no mercado financeiro – estando hoje dentro ou fora do governo, na situação – como estava Joaquim Levy até 18 de dezembro de 2015 – e na oposição – como Armínio Fraga, o quase ministro da Fazenda de Aécio – valem as antigas regras do mar. “Saque e butim” após o ataque e conquista da presa. As agências fraudulentas fortalecem o eixo financeiro Nova York-Londres e reforçam a dominância dos especuladores.

Não há como negar que a chantagem avança sobre o Brasil. Ainda na última semana de 2015, quando o governo aponta o aumento do salário mínimo a R$ 880,00 e na sequência criminosamente veta na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) o reajuste do Bolsa Família conforme as perdas da inflação acumulada no anterior, o  tal do mercado – cuja opinião é apreciada através dos tecnocratas do Banco Central e publicada no Boletim Focus – já se plantava a “necessidade” de mais um aumento da taxa básica de juros, defendendo uma Selic a 15,25%! Hoje a alta dos juros é quase que uma profecia anunciada, sempre lembrando que o patamar mínimo chegou a 10 por cento até a retomada da alta no início de 2014,  não por coincidência, ano eleitoral e momento chave para manter a Febraban na linha de defesa do governo Dilma e sua possível (e cumprida) reeleição.

Retomando o argumento da dependência estrutural externa e internamente, logo estruturante em todas as esferas da vida social, admite-se que o capitalismo periférico aqui praticado consegue reproduzir conflitos em escala global e ter reprodutores de confiança destas perspectivas em nosso país. Assim, os corsários ingleses da The Economist sempre encontram eco na bandidagem de terno e gravata no país dos sonegadores e terra da especulação e da economia.






« voltar