Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A noite dos horrores, entre a motosserra e Antonio Palocci

verdestapes.blogspot.com

A caminho do extermínio de biomas e patrimônios incomensuráveis, o latifúndio bota o seu governo contra a parede e aprova o atalho para o fim dos recursos naturais não-renováveis.

madrugada de 26 de maio de 2011, da Vila Setembrina, Bruno Lima Rocha

O texto que segue é uma miscelânea entre a miséria política dos ex-militantes arrependidos que se decidem pela via da intermediação profissional em todos os níveis e uma ilação a circular pela internet brasileira e arredores, correlacionando a aprovação do relatório do ex-comunista Aldo Rebelo com a blindagem e não convocação de Antonio Palocci Filho para depor em uma instância investigativa do Congresso. Por suposto que se nem a convocatória saiu, CPI não sai de jeito algum. Eis a trama a ser tecida.

Palocci e o atual novo governo de fato

Sejamos todos mui francos. O que supostamente haveria vazado vindo da Receita da prefeitura de São Paulo capital, governada pelo ex-serrista Kassab, retrata algo já dado como estrutural por qualquer analista político sério. Nos labirintos do poder, sempre surge alguém a vender facilidade diante das indicações precisas e sensatas dos que conhecem os caminhos e os entraves.

enviar •
imprimir •

O problema que se depara para a presidente Dilma Rousseff é pelo fato do médico de Ribeirão Preto ser seu homem de confiança, sua ante-sala, cujo prestígio político entre empresários de ponta é maior do que na base dos movimentos populares e até mesmo entre sindicatos cutistas.

Antonio é um alvo móvel e com passado recente no mínimo complicadíssimo. Já imaginaram se a coisa esquenta e alguém ressuscita o Caseiro Gate, o caso da Leão & Leão, o affaire da Mansão do Lago Sul e, para chafurdar de vez na lama dos arrependidos “ex-militante”, alguém bota Jeane Mary Corner de volta aos holofotes?

Sinceramente, se isto vier a ocorrer, mesmo pelas letras digitais do PIG 1, será bem feito. Razões sobram, abundam na verdade. Pena que certas pauladas venham por direita – ou por quem está ainda mais à direita – e não de setores organizados a varrer a falsa representação. Não é de hoje que a coisa anda feia na paulicéia desvairada de ideologia de câmbio e muito acostumada a ser comensal daqueles a quem combatiam na década de ’80. A história da social-democracia lavada repete-se como tragédia do Ocidente em desencanto com o pacto minimalista. Palocci, José Eduardo Cardozo, José Dirceu, o assessor do ministro Chefe da Casa Civil – o “Brani” e seu sócio Marco Antônio Campagnolli – e outras tantas “feras” do PT de São Paulo estão à altura dos imbróglios do Partido Socialista Francês nos últimos anos da Era Miterrand ou do igualmente “complicado” PSOE dos anos de Felipe González na Espanha dos famigerados GAU e outras “peripécias”.

O caso é pior do que aparenta

No meio da balbúrdia da “blindagem” do ministro, o PMDB, ou melhor, os peemedebes governistas aproveitam para aumentar a mordida e tentar levar o que der, incluindo o apoio às alterações pró-latifúndio no Código Florestal, desaforadamente escrita pelo deputado Aldo Rebelo, ex-comunista e correligionário do delegado Protógenes Queiroz, hoje deputado federal, o protagonista do caso onde o bandido pune seu perseguidor pela força das instituições de Estado ajoelhadas diante dos poderes de fato.

Não se espantem se a notícia da “base rachada” soar como mal interpretada, ou apenas plantada pela construção de coerência do Planalto. Perante essas relações de força, as palavras de Lacerdistas pós-modernos como Reinaldo Azevedo e o hoje esquecido Diogo Mainardi são um jogo de faz-de-conta, tentando levar a crer que só o Palocci e a turmas dos Zés (Dirceu e Cardozo) fazem isso! É um jogo de esconde-esconde, e, com premissas mais do que ocultas, vindas das indústrias de bens simbólicos em formato jornalístico. Também é disto que se trata o julgamento midiático e a queda de braço entre a base aliada do Planalto e os intentos de fritura política de Palocci, tanto por direita como por esquerda.

Como já fora dito milhares de vezes aqui e em centenas de outros sítios, não é a primeira vez que o ministro, hoje na Casa Civil, e dantes do vendaval do Mensalão e do Caseirogate, ocupando a pasta da Fazenda, se vê envolvido em situações limite. A diferença, se é que esta existe, é por ser algo mais recente e, em função das suspeitas de vazamento oriundas da prefeitura de São Paulo, ser uma espécie de resposta na mesma moeda. Tampouco ele é o único, embora seja a vitrine do momento, a meter-se a consultar sob contrato de sigilo de negócio. Outros ex-militantes são donos ou controladores de consultoria e o vento pode soprar contra estes também.

Eis a possível conta da blindagem

Viveram-se horas de horror na república. O relatório de mudanças no Código Florestal é votado na noite de terça dia 25 de maio e o Centrão ganha forma de base aliada. Enquanto isso Palocci tenta blindar-se do fogo amigo e dos que tentam incinerar seu modelo de negócios, talvez até plantando um “novo nome” a disputar com ele e os seus amigos do peito, os clientes de consultoria num futuro próximo.

A manobra foi de profissional. O governo e seu partido majoritário, na prática, liberam a bancada. Assim dá-se o jogo do “João Sem Braço”, onde ninguém se queima com a própria base enquanto a decisão já está assegurada. Não faltava mais nada...além de fechar com o latifúndio - e garantir a vitória - depois de liberar para o voto de "consciência", embora orientando pelo SIM ao relatório. Após o fiasco da terça à noite, de repente Palocci é de fato blindado, ganha ao menos uma sobrevida e, aponta-se o novo canto da sereia: “Dilma poderá vetar o relatório!” Ah sim, e se não vetar? Quem vai organizar a resposta nas ruas?
Ah, resta o mito da base rachada. Rachada coisa nenhuma! Governo perdido ou propositadamente sem saber o que fazer, talvez. 410 votos a favor, 63 contra e uma abstenção. Quanto vai custar para a nação em dez anos? E, como moeda de troca, será que Palocci vale tanto assim? A noite culmina na aprovação da Emenda 164, onde os estados poderão ser co-reguladores das áreas de cultivo e de expansão agrícola. Esta famigerada emenda, muito elogiada por pessoas como Ronaldo UDR Caiado (DEM de Goiás), fora aprovada na mui nobre, leal e generosa para com os seus, a Câmara dos Deputados, por 273 contra 182 votos. Agora estados governados diretamente por latifundiários e seus sócios – como é o caso da maioria das unidades federadas na Região Norte e em toda a Amazônia Legal – terão a co-responsabilidade por decidir sobre a consolidação das Áreas de Preservação Permanente. A madrugada de 26 de maio, extensão da noite de horror de 25 do mesmo mês corrente, termina com a Emenda Motosserra. 

O Brasil sério e de olho no futuro hoje enverga luto.






« voltar