Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Aberrações e caricaturas da ex-esquerda brasileira a partir do lulismo

twitter

Lula presidente, ao centro, rodeado de suas criaturas (ao menos na política nacional). Ao não ser ungida sucessora, a então ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, abandona a sigla que ajudara a fundar na Amazônia para disputar contra a ex-pedetista e proclamada “mãe do PAC”, Dilma Rousseff.

Bruno Lima Rocha, 02 de agosto de 2014

 

Neste breve texto, aponto três aberrações, duas sistêmicas e uma na forma de pessoa física, todas estas características da ex-esquerda outrora reformista. Hoje a legenda de Luiz Inácio, José Dirceu e José Genoino amarga uma eleição apertada e com reais chances de sair derrotada para uma dissidência personalista de si mesma.  

enviar •
imprimir •

A Reforma Política que nunca houve

 

Em junho de 2013 o país entrou em polvorosa saindo de uma longa hibernação de dez anos do lulismo. Na época a presidente Dilma Rousseff colocou o bode na sala, tirando da manga a carta da Constituinte Exclusiva para a Reforma Política.  O hoje candidato a reeleição no Senado pelo Rio Grande do Sul, o decano da política profissional Pedro Simon (PMDB-RS) chegou a afirmar que a rebelião popular era inédita, pois se indignava contra o Parlamento. Meses antes, o Poder Legislativo, onde o governo tem maioria (o Executivo no Brasil quase sempre monta maiorias fisiológicas) não deixou nem passar pela Comissão o bom relatório do deputado federal Henrique Fontana (PT-RS), cujo texto previa a possibilidade da população colher assinaturas eletrônicas e praticar experimentalismos democráticos, chegando até a chance de proposição de Emendas Constitucionais. Hoje estas só são possíveis por maiorias absolutas – e quase sempre vem a partir de “golpes” legislativos, tal como na famigerada emenda da reeleição – e sempre atentam contra direitos adquiridos e não regulamentados no texto constitucional de 1988. Em setembro de 2014, um mês antes do 1º turno das eleições gerais, convoca-se um plebiscito popular propondo a Reforma Política. Agora é tarde.

 

Governar com as oligarquias de PMDB e PP é abandonar a formação de coligações ideológicas

 

Mesmo sem reforma política, o Planalto de Lula e agora Dilma, poderia (deveria) haver se esforçado para criar uma regra de verticalização das alianças. Assim, seria mais factível a formação de coligações ideológicas, acabando com os palanques heterodoxos. De cima para baixo, as oligarquias estaduais perderiam espaço e – por tabela – reforçariam as oligarquias nacionais, os caciques e coronéis que controlam as convenções dos partidos. Mas, como toda estrutura termina sendo estruturante, o PT passa a ser regido por medianos caciques locais e chefes políticos nacionais, começando pelo próprio Lula, que deve ungir os candidatos para com eles se comprometer (mesmo que parcialmente) em dispendiosas campanhas eleitorais. O lulismo fecha com PMDB e PP nacionais e, por tabela, sai desesperadamente à caça dos mais de 40 milhões de potenciais eleitores atendidos em seus direitos sociais básicos pelos programas de governo. Para completar o quadro de horror, mais fácil contar com aliados neopentecostais, como os líderes da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), do que com as bases sociais impossíveis de serem identificadas. 

 

 

Marina Silva é o “lulismo em si”

 

Marina Silva é a aberração da caricatura em que o partido reformista, ao migrar para o centro do espectro eleitoral, tornou-se. Os problemas se sucederam nesta década de poder compartilhado com o pior das oligarquias brasileiras. A tal da governabilidade e o poder de veto ao ter (ou não ter) Lula como padrinho, ampliou os horizontes político-eleitorais de quem abandonou qualquer ideologia de câmbio profundo. Marina é a consequência de tudo isso. E, para piorar, sua tentativa de criar a Rede de Sustentabilidade (Rede) foi barrada pelo TSE, ao contrário do PROS (legenda de Ciro Gomes) e do Solidariedade (sigla do inconfundível Paulinho da Força). Quem diria que isto, mais o desastre aéreo, dariam as condições para uma comoção nacional e uma onda de factóides que podem chegar a elegê-la - talvez - ainda em 1o turno (e os de sempre estão plantando como nunca!). Ai, pobre de um país que tem uma (ex) esquerda como esta.

 






« voltar