Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

O ataque de Israel e a administração Obama


Barack Obama foi devidamente emparedado pelo lobby mais poderoso do mundo. Israel depende das finanças da Casa Branca e do Pentágono e as elites políticas estadunidenses não dão um passo sem o aval deste grupo de pressão formado por mais de 7000 profissionais.

Bruno Lima Rocha; 07 de janeiro de 2008; Vila Setembrina dos Farrapos

O ataque de Israel a Faixa de Gaza faz o mundo a se posicionar. Para opinar a respeito, o analista deve explicitar a sua posição. Sou a favor da criação de um Estado Palestino laico, com liberdade política e religiosa e viável. Ou seja, um país com plenos poderes sobre seu território, riquezas, fronteiras e população. Tal Estado é inviável tanto na extensão como na atual condição de controle que Israel impõe sobre os Territórios Ocupados em 1967, Gaza e Cisjordânia.

enviar •
imprimir •

É deste ponto de vista que exponho opinião. Uma série de fatores levou o gabinete de Ehud Olmert a bombardear e invadir uma planície de 30 km de comprimento habitada por 1,5 milhão de pessoas. Acreditem, os foguetes terra-terra lançados pelo Hamas são uma das razões, e não a mais importante. Mais relevante foi criar esta situação de fato para a nova administração dos EUA, país do qual o Estado de Israel tem ligação visceral. Ao mesmo tempo em que depende financeiramente, sua força na política interna estadunidense cria uma relação de interdependência política e ideológica.

Se os Estados Unidos secarem a fonte, o governo israelense não fecha as contas de seu orçamento militar. Como o momento político em Washington é de alguma incerteza, é preciso reforçar a posição pró-Israel do novo governo democrata, já verificada com a indicação de Hillary Clinton para secretária de Estado. Mas, mesmo com alguém de sua confiança no posto-chave, “a taxa de risco” tolerada por Tel Aviv é mínima. Com o descrédito de George W. Bush e antes de Obama assumir, o aliado estratégico no Oriente Médio precisa obrigar a nova administração a se posicionar. Vejo a preocupação de Israel com os compromissos de Obama como “exagerada”.

Embora diga estar “preocupado com os civis mortos em Gaza” Barack Obama fez outra declaração pública mais contundente. 12 horas após ter sido oficializada a sua candidatura pelo Partido Democrata, Obama compareceu, em 5 de junho de 2008, diante de mais de 7000 membros do lobby político mais importante do mundo, o. No palco do American Israel Public Affairs Committee (AIPAC), ao lado de Hillary Clinton, ele prometeu mais de US$ 30 bilhões de dólares de apoio ao Estado de Israel.

Esta ajuda, sem alterar a política externa estadunidense, é para reforçar o que estamos vendo. Até o momento de fechar deste artigo, segundo a transmissão da TV Al Jazeera (em inglês), o número de palestinos mortos em Gaza passava de 660 pessoas. O ataque não vai assegurar “paz para a região” e nem enfraquecer o Hamas, pelo contrário. Em todos os aspectos, qualquer apoio à ocupação israelense é inaceitável.






« voltar