Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A encruzilhada venezuelana e a hegemonia latino-americana


Presidentes latino-americanos unidos pelo Mercosul

"A verdade dura e crua é que, sem a pressão da Venezuela, o Brasil teria aceitado os planos da Área de Livre Comércio para as Américas (ALCA) e, fatalmente, seríamos sócios minoritários dos EUA na aliança. Basta recordar novembro de 2005 e a visita de Bush Jr a Montevidéu e São Paulo para lembrar-se dos ocorridos durante e após a Cumbre das Américas em Mar Del Plata", escreve Bruno Lima Rocha, cientista político, jornalista e editor do portal Estratégia & Análise, docente de comunicação social da Unisinos e de relações internacionais da ESPM-Sul e vice-líder do grupo de pesquisa Cepos (hoje com sede na UFS), fundado por Valério Brittos e coordenado por César Bolaño.

Segundo ele, "a arena continua aberta e a encruzilhada venezuelana reposiciona toda a América Latina".

 

enviar •
imprimir •

Eis o artigo.

Hugo Chávez faleceu e deixa uma pesada herança política, além de um sucessor indicado pelo líder carismático. Existe alguma semelhança na política venezuelana e a história recente da transição brasileira, que culmina no padrão Macunaíma. Aqui como lá, o vice-presidente toma posse sem que o presidente houvesse feito. Tal vice, José Ribamar Sarney, era do partido da ditadura (primeiro ARENA e depois da reorganização partidária de Golbery, PDS) e compunha chapa com um moderado líder da oposição oficial, Tancredo Neves. Em eleição indireta, a caserna se retirara de cena, embora tenha exercido tutela sobre o mandato tampão que ficara por 5 anos e cujo político maranhense ainda manda no Senado. Ou seja, dentro dos arranjos de transição e traumas políticos.

Já na Venezuela, a eleição de 1998 trazia como vitorioso o ex-golpista de fevereiro de 1992. O militar passa a preso político e, após dois anos de reclusão, sai do xadrez transformado em herói nacional. Desde então, Chávez enfrentou dois golpes de Estado (abril de 2002 e o locaute petroleiro na virada daquele ano) e algumas eleições, incluindo referendos de reformas constitucionais. O caudilho falecido venceu quase todas, sendo que na última, consegue ganhar sem chegar a tomar posse. Internado em Cuba para tratamento de câncer, seu vice, Nicolás Maduro, assumiu de forma provisória, a partir da hegemonia total do chavismo dentro dos poderes do país. Indicado pelo comandante, Maduro torna-se inquestionável, sendo fortalecido pelos novos oficiais-generais, militares profissionais politizados e colegas de turma do falecido tenente-coronel pára-quedista, e que se mostraram leais quando do putsch de 2002. Agora, mais que nunca, sua sobrevida implica na coesão do partido chavista (PSUV) e nesta lealdade dos altos mandos militares. O risco de virada de mesa, embora real, nos próximos meses parece improvável. Ao contrário do que se imaginava na primeira década do século XX, o ciclo de golpes é sempre presente na América Latina.

O paradigma dos golpes de Estado – pela via da legalidade, ou alegação da mesma - está em alta na América Latina, com ênfase na gestão de Hillary Clinton à frente do Departamento de Estado no primeiro governo do democrata Barack Obama. No país alvo do genocídio americano do século XIX não foi diferente. Em 22 de junho de 2012 o então presidente eleito do Paraguai, o ex-bispo Fernando Lugo, foi destituído através de um golpe branco dado pelo parlamento. Votado de forma célere e com pouco ou nenhum direito a defesa, o presidente foi retirado do cargo, afastando a possibilidade de reforma agrária e abrindo o país para instalação de tropas terrestres estadunidenses. O Mercosul, de forma justa e apropriada, suspendeu o Paraguai do bloco, em função do golpe apoiado pelos líderes dos poderes constituídos. E se houver algo semelhante na Venezuela?

Menos de um ano depois e a encruzilhada se encontra lá; país rico e governado pelo ex-tenente coronel pára-quedista, ex-golpista, Hugo Chávez. Se o vice-presidente eleito, Nicolás Maduro, assumir o Executivo de vez a partir da morte de seu líder e não convocar novas eleições presidenciais, todo o Continente estará diante de um impasse da democracia formal e pode pender a balança. Isto é pouco provável, mas o risco sempre é remanente. Já no caso destas eleições ocorrerem, a direita latino-americana, a oligarquia esquálida venezuelana e o Império apostarão todas as suas fichas no combate sistemático das políticas do chavismo (sem Chávez) e do processo bolivariano. A derrota nas urnas da direita de lá é provável, assim como o inevitável desgaste da gestão de Maduro à frente de um PSUV rachado e com disputa de protagonismo com o Brasil na região. E este é outro problema. Para os rumos do Continente, é melhor que o país de Bolívar se mantenha na ofensiva diplomática; graças a este movimento latino-americanista, o maior Estado da região não pôde conceder em demasia para o Império.

A verdade dura e crua é que, sem a pressão da Venezuela, o Brasil teria aceitado os planos da Área de Livre Comércio para as Américas (ALCA) e, fatalmente, seríamos sócios minoritários dos EUA na aliança. Basta recordar novembro de 2005 e a visita de Bush Jr a Montevidéu e São Paulo para lembrar-se dos ocorridos durante e após a Cumbre das Américas em Mar Del Plata. A tendência era um tratado unilateral assinado pela Casa Branca com o governo do uruguaio de Tabaré Vásquez e o prosseguimento das tratativas para o mercado comum integrado ao Império. A política externa agressiva da Venezuela e o pesado investimento no resgate de cadeias produtivas exauridas, tal como o vidro e os pneumáticos no Uruguai, deixara sem espaços para uma integração subordinada. A arena continua aberta e a encruzilhada venezuelana reposiciona toda a América Latina.

Artigo escrito por Bruno Lima Rocha. Publicado no site do Instituto Humanitas Unisinos (IHU) em 08 de março de 2013.






« voltar