Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Mercado de saúde e poupança interna

saudecomdilma

Os cartões de assistência dos planos de saúde suplementar atravessam a idéia e a realidade dos brasileiros quando pensam em qualidade de vida e segurança diante de imprevistos. Ao mesmo tempo, encurtam a poupança interna e sobretaxam a população que já paga pelo SUS.

26 de janeiro de 2012, de São Sebastião do Rio de Janeiro, Bruno Lima Rocha

A pesquisa do IBGE referente ao cálculo com despesas de saúde por pessoa no Brasil (no ano de 2009) comprova o conceito de marketização num setor que em tese, deveria ser provido pelo ente estatal. Marketização implica na ampliação e transformação em serviços e espaços de públicos para privados. Assim, transforma-se um direito – algo da esfera da justiça e do contrato social – em uma mercadoria. No caso, o direito à saúde no Brasil é inversamente proporcional a duas capacidades fundamentais numa democracia: a pressão da cidadania organizada e o crescimento sustentado na poupança interna.

enviar •
imprimir •

Supostamente temos um sistema de saúde universal e com um projeto societário a motivá-lo. Na prática, a desvinculação de receitas e a melhora da qualidade de vida (mobilidade dentro da pirâmide social) vêm acarretando uma maior capacidade de gastos do cidadão comum com saúde privada. Estamos gastando em média, por indivíduo, R$ 835,65 ano, sendo esta conta bancada pelas famílias. De sua parte, o Estado – concentrando recursos na União – gasta R$ 645,27 por cidadão. A parcela do bolo é de 55,4% para a cidadania e 43,6% para o gestor dos recursos coletivos. Quando cruzamos as variáveis do desenvolvimento econômico e distribuição de renda, o volume de gastos com saúde é determinante. Na Europa que hoje vive à beira de um ataque de nervos, o Estado de Bem Estar Social que os especuladores e financistas insistem em exterminar ainda investe 72% do total do bolo da saúde.

Para os brasileiros, a conta é simples. Muda-se de faixa de consumo e incorpora-se como gasto o que antes era o suplício das filas do SUS. Com a moeda estável e o aumento do emprego formal, o consumo se dá na forma do endividamento e não da poupança interna. Reproduz-se em escala familiar o que faz o governo central. Rolamos as dívidas, temos baixa taxa de investimento e poupamos pouco. Na ponta do lápis, a massa da glorificada classe C (e o grosso da B também) gasta o que ganha com despesas fixas associadas com a melhora da qualidade de vida. O problema não está no gasto em si, mas sim na constatação de que o direito social fica em segundo plano diante da forma mercadoria para o mesmo serviço.

Concluo repetindo o já dito em artigos anteriores. É inegável que melhoramos de vida nos últimos dez anos, não havendo comparação com o ciclo tucano. O problema é reorientar o debate do crescimento, associando com o exercício dos direitos fundamentais e a reorganização do tecido social para reivindicá-los e exercê-los.

Este artigo foi originalmente publicado no blog do jornalista Ricardo Noblat






« voltar