Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Racismo estrutural e violência de Estado


O Estado é racista e não reconhece os direitos civis ou sociais da maioria. As elites são racistas e rejeitam qualquer política de reparação do horror da escravidão.

30 de abril de 2014, Bruno Lima Rocha

O final de abril alerta o país para o tema do racismo estrutural e a violência de Estado contra sua própria população. Tomando o Rio de Janeiro como exemplo maximizado, o Brasil midiatiza aquilo que é a regra da sobrevivência da maior nação afro-descendente das Américas.

enviar •
imprimir •

O Estado é racista e não reconhece os direitos civis ou sociais da maioria. As elites são racistas e rejeitam qualquer política de reparação do horror da escravidão. Eis o motivo de tanta polêmica com as políticas de cotas e o não reconhecimento das terras de remanescentes de quilombos.

No extremo do exemplo, nos aglomerados urbanos para onde a massa negra mudou-se após a abolição, o Estado pós-colonial executa a eliminação física da população colocada sob suspeita. Os fatos a seguir falam por si.

Na terça, 22 de abril, o “descobrimento” do Brasil celebrou a herança colonial de sua forma mais nefasta. Não canso de afirmar que este país foi construído sobre o genocídio (dos povos originários) e a escravidão. Nos tempos que correm, ambas as dominações mesclam-se, ganhando materialidade nos velórios em territórios de favelas e periferias.

O dançarino Douglas Rafael da Silva Pereira (DG), do Programa Esquenta, comandado por Regina Casé e com o consagrado antropólogo Hermano Vianna em sua equipe de produção, foi assassinado com tiros pelas costas. A suspeita recai nas tropas de ocupação permanente das comunidades do Pavão-Pavãozinho, no bairro de Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro.

Na mesma cidade, em 14 de julho de 2013, o auxiliar de pedreiro Amarildo Dias de Souza, foi levado por policiais militares da porta de sua casa para a sede da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha. A queda da Bastilha foi “comemorada” com a desaparição forçada de um brasileiro cujos direitos civis o Estado, de fato, não reconhece.

O corrente ano de 2014 teve o racismo mesclado com a violência policial caracterizado no caso da auxiliar de limpeza Cláudia Silva Ferreira. Mãe de família e moradora da comunidade da Congonha – zona norte carioca -, Cláudia foi atingida por tiros disparados por policiais do 9º BPM e cujo corpo foi arrastado por 250 metros na traseira do camburão que a retirava para fora do local do crime de Estado.

Enquanto nos indignamos com as ofensas racistas contra nossos futebolistas, o Brasil precisa passar a limpo a herança maldita do colonialismo, expurgando o racismo visceral que atravessa tanto o andar de cima da sociedade como as vísceras do aparelho de segurança de Estado.

Artigo originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat.






« voltar