Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Os royalties do pré-sal e o faz-de-conta federativo

life

O ex-tucano, o ex-udenista linha Cesar Maia (este ex-Brizolista arrependido) e o ex-sindicalista que nunca foi de esquerda se confraternizam pela vitória eleitoral na outrora Cidade Maravilhosa, sobre o ex-guerrilheiro, que pintado de verde, atucanou nas plumagens. Agora a amizade será cobrada no espólio dos bens públicos. O palanque pelos royalties, a bolsa ou a vida.

18 de março de 2010, da Vila Setembrina localizada na Província do Eucalipto entreguista, Bruno Lima Rocha

A emenda ao projeto lei que altera a partilha dos royalties do pré-sal e do petróleo já explorado, de autoria dos deputados Ibsen Pinheiro (PMDB-RS) e Humberto Souto (PPS-MG), vem colocando uma parcela dos políticos do Brasil em pé de guerra. Em essência, o texto que ainda precisa passar pelo “mui nobre, leal e valoroso” Senado da República, aponta para a execução de uma política distributiva dos recursos que escapam do gargalo da União. Apesar de apoiada por 369 votos, 76 contrários e duas abstenções, o texto evoca disputas pelo espólio do Estado. O que está em jogo, 60% dos royalties e a metade da participação especial, não é uma bagatela, e pode implicar na retomada da capacidade de investimento de estados e municípios.

enviar •
imprimir •

Como era de se supor, a reação ocorreu da parte dos “estados produtores” de petróleo. No pugilato simbólico, entra desde a mobilização oficial do funcionalismo público em pleno dia de semana, até as relações de proximidade e assimetria junto ao Planalto. A coisa é séria para quem perde e nem o Cristo Redentor escapou. Especificamente, o governador do Rio, Sérgio Cabral Filho, evoca sua condição de aliado de Lula para antecipar um veto presidencial ainda não dado, embora previsível. O debate decorrente das proposições de partilha dos royalties do pré-sal traz à tona algumas concepções cujo debate de fundo fica escamoteado. Independente do modelo de partilha, o que se nota é a distância entre o discurso de federação e seu suporte necessário. Sem a divisão de bens e recursos os poderes estaduais e municipais não têm como dar a mínima vazão às pressões sociais aos quais são constante e legitimamente submetidos.

Do ponto de vista semântico, o Brasil é uma república federativa. Já se analisarmos a distribuição do botim impositivo, verificamos que se dá o oposto, canalizando para o governo central mais de 60% dos recursos advindos da taxação em cascata incidindo de forma absurda sobre o consumo individual e o salário. Diante da escassez de recursos para os outros dois níveis de governo, qualquer perda de caixa resulta em previsível desespero. Este modelo de funcionamento, o da centralização de divisas na União e o repasse através de regras centralistas, ajuda no fortalecimento da intermediação profissional. É o baixo clero que se especializa na barganha de emendas orçamentárias e extras, disputando para seus redutos, os custos transacionais para formar e manter a maioria no Congresso.

Não me iludo com a motivação da maioria dos votantes na emenda de Ibsen. É certo supor que o apoio dado ao texto do ex-cartola do Internacional S.C. tem a típica motivação da cultura política paroquiana e de limitado horizonte. Mas, por outro, estando os caixas dos governos mais abastecidos, fica menos difícil exercitar a prática cidadã de arrancar direitos constitucionais quase nunca cumpridos, tais como os repasses obrigatórios para saúde e educação. Apenas pelo fator de poder motivar o aumento da organização social em escala local e estadual, é positivo o possível resultado da emenda de Ibsen Pinheiro. Infelizmente, como de hábito, o debate anda longe desse ponto de vista e a derrota parcial ou na íntegra é muito provável.

Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar