Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A tragédia de Dirceu


Da ESQUERDAà"esquerda"; do exílio à derrota ideológica; dos inúmeros rachas no exílio cubano àcassação política; mais um capítulo desta triste tragédia política.

Viamão, 2 de dezembro de 2005

Finalmente, a agonia acabou. José Dirceu foi cassado na quarta-feira, através do rito do voto secreto, pelo placar de 297 votos a favor, 192 contra e 8 abstenções, daqueles que sequer tiveram posicionamento. Meses se passaram, houve crise entre os poderes, jogo de cena e guerra secreta entre o presidente Lula e seu ex-Primeiro Ministro. A cada manobra jurídica vitoriosa, o alvo tornava-se ainda maior e mais emblemático. Ficou caro demais para Luiz Inácio se mover em sua defesa. Uma vez que o Planalto fez corpo mole, o todo poderoso dirigente ficou entregue ao seu espaço de manobras e aos seus “novos” amigos.

enviar •
imprimir •

Caiu e foi cassado José Dirceu de Oliveira e Silva mas a crise política continua. O novo alvo da oposição é Antônio Palocci, mas ao invés de ser atacado de forma franca, contra ele será aplicada a tática de aproximação indireta. Na gíria mais popular, o ministro que co-governa o país na companhia de Henrique Meirelles, será cozinhado em fogo brando. O presidente agora tentará segurar Palocci, deparando-se com duas frentes de luta. Do lado de fora do governo, estão as denúncias midiáticas ao estilo do venezuelano Cisneros. Na interna do núcleo duro do governo Lula, a luta de posições à moda gramsciana promovida por Dilma Roussef. A economista mineira radicada no Rio Grande, segue a perspectiva de Dirceu, buscando aumentar a margem de manobra sem romper com a política monetarista. Enquanto a pugna não se define, o PIB caiu e a economia está congelada. Tudo marcha conforme o previsto e de acordo com o receituário da Banca.

Voltando ao caso de Dirceu, entendemos ser este um momento ímpar da política brasileira. A espetacularização da política tendo como linguagem de referência a telenovela das CPIs muitas vezes nos leva a miopia do momento vivido. No último dia de novembro de 2005, foi cassado o mais importante dirigente da “esquerda” brasileira desde Luís Carlos Prestes. Contradições e mesquinharias abundaram no ambiente político nacional. O homem com têmpera de aço caiu do alto do púlpito, citando o desafeto Mário Covas, aliando-se com o clã dos Sarney, rodeado por advogados e pedindo desculpas a Ricardo Fiúza. Resta saber qual o sentido de tudo isto?

Os porquês da queda, do ponto de vista factual, estão dados e são visíveis. O castelo de cartas começa a cair com as denúncias e flagrantes do operador de confiança Waldomiro Diniz, ele próprio equivalente a um Ricardo Sérgio de Oliveira petista. A partir daí, o conjunto dos militantes se deram conta da estrutura clássica de secretariado-executivo de partido bolchevique montada por Dirceu com José Genoíno, Silvinho Pereira, Marcelo Sereno e Delúbio Soares à frente. O aparelho político do então maior partido de esquerda da América Latina servia de escora para as mega-operações financeiras com o laranja Marcos Valério triangulando com dois bancos privados e recursos e fundos de estatais. Todo este quebra-cabeça para ainda ter de pagar o custo das alianças com o segundo escalão das oligarquias brasileiras, leia-se Mensalão. Por pouco mais de dois anos, esteve o principal operador político de braços dados com Roberto Jefferson entre outros.

Agora, porque e através de qual processo de recâmbio político um militante do quilate de Dirceu chega a isto é o grande questionamento. Com certeza, o giro à direita foi muito ajudado pelas frustrantes experiências com o foquismo. A opção democrática reformista se fundamenta também pela miopia política dos ’60 e ’70, onde impera a falsa contradição entre luta de massas, organização política e ação direta. Contribui também as parcelas de poder adquiridas através do voto nos anos ’80, e o bom exercício de somar a luta política com o avanço de alguns setores do movimento popular.

Mas, assim como o canto da sereia, a canoa se choca ao rochedo e afunda no final do ano de 1989. A derrota eleitoral para Collor, muito facilitada pela falta de vontade política de Lula e o então poder avassalador da Rede Globo, são um choque de possibilismo na mente de dirigentes petistas. Dois fatores externos contribuem para tanta quebradeira. Um deles é a queda do Muro de Berlim, se bem que da experiência stalinista a geração fundadora do PT reproduz o estilo de trabalho mas não a sociedade concreta aí constituída. Na interna do partido, uma dor igual ou maior foi a derrota sandinista na Nicarágua. A dirigência da FSLN, já corrompida pela própria estrutura por ela construída, entrega na urna fraudada o poder conquistado pelas armas após mais de 20 anos de sangrenta guerra revolucionária.

A partir de 1990, a história recente ainda refresca na memória de muitos. A corrente majoritária original racha e começa a aproximação com grandes capitais nacionais. Duas derrotas eleitorais a mais e se baixa a guarda de vez. Em nome do coeficiente eleitoral abrem mão do programa de governo. Para aprofundar a crise ideológica, fruto de uma análise estrutural ao nosso ver cega e tacanha, alicerçaram o novo governo no modelo econômico anterior. De tudo isto, um valor há que ser reconhecido. Processo coerente, estratégia conseqüente. Para governar para os bancos, compra-se parte da direita que está a venda e pronto. Não podia dar em outra coisa, o pragmatismo político pragmaticamente engole ao seu criador. Um esquema tão escancarado promovido por neófitos de Brasília tinha fazer água. E fez.

Em todos estes momentos históricos, Dirceu se encontra no miolo do centro decisório. Assume sua posição de referência, mata no peito e chama para si a responsabilidade. Portanto, é responsável direto por mais esta tragédia da esquerda latino-americana. Como em todo processo real, os níveis político, econômico e ideológico são intrínsecos e interdependentes. Ou seja, o dirigente muda de hábitos, padrões de consumo, círculo de amizades e influências. Até terminar assim, cassado, amigo de Roseana Sarney e tendo sua casa de campo em condomínio de luxo em Vinhedo roubada. Qualquer semelhança com as dashas da nomenklatura soviética, infelizmente, não são mera coincidência.

É bem provável que José Dirceu não seja necessariamente um corrupto. É apenas um ultra-realista operador político, homem que além de sofrer derrota ideológica, cegamente distingue os processos dos fins. No meio dessa confusão, perde o objetivo estratégico. E por isso mesmo, acaba perdendo tudo.

Artigo originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar