Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

O custo da governabilidade para a vida real


O fluxo do lucro astronômico demonstrado em ilustração pela Febraban, é o caminho por onde trafegam as riquezas brasileiras, transformada em moeda digital e sem nenhum retorno para a sociedade que a produziu

4ª, 17 de outubro de 2007, Vila Setembrina dos Farrapos, Continente de São Sepé

É curioso como que de escândalo em escândalo o país segue “estável” e com a “governabilidade” intocada. Muitos colegas da análise política atribuem esse fator a maturidade da democracia brasileira. Em parte é correto, mas o preço a pagar é maior do que se imagina. Já vivemos um ciclo de estabilidade política maior do que nos dois períodos anteriores. A ditadura militar em suas três fases durou 21 anos e o equivocadamente chamado “ciclo populista” teve sobrevida de 19 anos. O retorno à democracia iniciou de forma indireta em março de 1985 e não passou por nenhuma situação limite. Quero debater os fatores que levam a essa continuidade e seus elevados custos.

enviar •
imprimir •

Havia uma sutil expectativa de que o mandato de um ex-torneiro mecânico fosse pender a gangorra para o lado da classe trabalhadora. Ledo engano, aliás, auto-engano. Bastava ler a “Carta ao Povo Brasileiro” divulgada durante a campanha de 2002 para saber o perfil do governo que viria. O que ninguém poderia imaginar é o exagero na dose de continuísmo. A partir da tênue crise política de 2005 ficou óbvio para todos os brasileiros politizados que o governo de Luiz Inácio era uma seqüência dos mandatos anteriores. As negociações pouco ou nada republicanas entre Executivo e Congresso são uma das facetas visíveis desse modo de governar. Outra face é a subordinação da economia real e das políticas de emprego e renda às exigências do sistema financeiro. Apresento alguns números de conhecimento público para que possamos analisar com precisão o tamanho do problema para a maioria dos brasileiros.

O Brasil insiste em gerar mais lucros para os setores que menos empregam. No primeiro semestre de 2007 o lucro líquido das 24 maiores instituições bancárias atingiu o recorde de R$ 14,52 bilhões. Além das taxas de juros cobradas com o crédito, os bancos chegam aos recordes astronômicos através das cobranças por operações. No período este mesmo setor gerou somente 4.320 postos de trabalho. Se dividirmos o lucro das empresas pelos empregos diretos oferecidos nos vemos em um mundo surreal. Cada posto de trabalho, por seis meses, custa no bruto R$ 3.361.111,00 por cada novo emprego. Detalhe, os salários dos bancários sobem pouco ou nada e a cada tanto a banca desemprega a milhares de trabalhadores.

Os dois maiores bancos do país, Bradesco e Itaú, lucraram respectivamente R$ 4,007 bilhões para 180 dias de funcionamento. Isto dá um lucro médio diário de R$ 22 milhões por dia! Enquanto os bancos privados avançam, o Banco do Brasil fecha o semestre com R$ 2,5 bi. Isto é, um crescimento de 14, 9% em relação ao segundo semestre de 2006, mas uma queda de 36, 3% no ano. Detalhe, o BB é líder em número de correntistas, total de ativos e rede de atendimento.

Na divisão dos lucros da economia o setor bancário é o líder de superávit e crescimento entre as empresa de capital aberto. Supera em lucratividade ao petróleo, que faturou R$ 11,39 bilhões e a mineração, com R$ 10,99 bi. As instituições bancárias faturam 22% do total do lucro na Bovespa. É uma equação simples. Quem mais fatura mais onera a economia real e menos emprego gera. Se de um lado aumenta o crédito pessoal, para o consumo a prazo, de outro, estas mesmas reservas não funcionam como sustentáculo para o crescimento.

Na ponta debaixo da tabela da vida como ela é, os setores do comércio e da construção civil são os que menos lucram, com 0,7% em média. Ao mesmo tempo são os que mais empregos geram. O ramo do comércio faturou no semestre a R$ 433 milhões e gerou 97.051 empregos diretos. Entre lucro bruto e custo por posto de trabalho gerado a conta sai a R$ 4.461. A construção tem níveis semelhantes, faturando a R$ 370 milhões e gerando 97.751 postos de trabalho. O custo por cada mão de obra empregada gerado sai, no bruto, por R$ 3.792 no semestre.

Números são importantes para termos uma dimensão material que vai além dos discursos. O lucro diário do setor bancário no Brasil está na média de R$ 80 milhões e 600 mil. Não é à toa que é no gigante adormecido onde se cobram as taxas de juros mais altas do mundo. Na jogatina da ciranda financeira sangra a riqueza potencial do povo brasileiro. A CPMF é parte dessa roda de moinho que a tudo esmaga.

Há mais de um século atrás já se sabia que qualquer nação em desenvolvimento necessitava de alguns fatores: matéria prima para o aço e derivados; energia abundante, fóssil ou renovável; liquidez, superávit e reservas internas; e uma mão de obra versátil e qualificada. O Brasil tem tudo isso, só não tem uma camada de dirigentes políticos, econômicos e intelectuais à altura do país que dirigem.

Artigo originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar