Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A Copa do Mundo e o poder de agendamento – 2


Os brasileiros odeiam a FIFA e compreendem o modus operandi de suas articulações globais.

No artigo anterior desta série abordei as relações evidentes entre futebol e política eleitoral. Neste texto, observamos o agendamento do evento anunciado superando a capacidade da ação de massas e as convocatórias de protestos através dos Comitês Populares da Copa e grupos afins.

enviar •
imprimir •

Todo analista deve expor seus pressupostos e não confundir os desejos com a sociedade concreta analisada. Assim, reconheço ter tido maior expectativa em relação aos atos de rua logo ao fim do verão, prevendo um ápice por meados de maio e adentrando no calendário da Copa do Mundo. Tal não aconteceu por algumas razões, as quais elenco três. Inicio com o processo de criminalização dos organizadores e ativistas, reforçado com o espetáculo de pirotecnia midiática advindo com a morte do cinegrafista da TV Bandeirantes no Rio, antes do carnaval.

Como uma parte das forças à esquerda que organizavam os atos tinham (e têm) interesses eleitorais, o decréscimo na convocatória veio junto da opção tática de retirar-se da cena oportunamente. Após o ato do MPL em São Paulo, já durante o torneio da FIFA, tal escolha tornou-se linha nacional e verticalmente vem sendo seguida.

A segunda razão é a ausência de reivindicação concreta e possibilidade de conquistas imediatas. Por mais que tenha havido um nefasto intento de “seqüestrar a pauta” ao final de junho de 2013, a vitória do não aumento da passagem em algumas capitais de estado e conquistas como passe livre metropolitano foi o fruto da massificação da luta pelo direito à cidade. Trata-se do modelo brasileiro de fazer política.

O texto legal do Estatuto das Cidades é o acúmulo de duas décadas de movimentos sociais urbanos liderados na luta pela moradia e condições de vida. Uma vez posto no papel, os direitos materializam-se quase que na marra, forçando a agenda dos dirigentes e diminuindo a margem de lucro dos concessionários. Agora, com a bola rolando, as remoções de famílias e desmandos da Lei Geral da Copa não foram suficientes para levar multidões às ruas.

A terceira e última é a mais óbvia. Os brasileiros odeiam a FIFA e compreendem o modus operandi de suas articulações globais. Mas, a massa ausente dos estádios tem no futebol uma parte fundamental de sua cultura popular, atravessando a pirâmide social e forjando a identidade nacional. Com a ausência de sentido comum, somada com o abuso do aparato repressivo, a maioria dos brasileiros talvez expresse sua capacidade de mobilização para depois da Copa e antes do início da campanha eleitoral.

Artigo originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat.






« voltar