Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A Aliança do Pacífico e o mito do livre-comércio

eleconomista.mx

Os quatro presidentes da nova versão, agora minimalista, da moribunda ALCA, sub-projeto do Império para as Américas

31 de maio de 2013, Bruno Lima Rocha

 

Li por obrigação profissional a matéria da edição de Veja (29/05/13) cujo título “O Quarteto Fantástico” rasga elogios para a união comercial chamada de Aliança do Pacífico. Composta por Chile, Colômbia, Peru e México, formam um bloco comercial cujos países membros são todos assinantes de Tratado de Livre Comércio com os Estados Unidos. Colegas da área classificam a Aliança como uma extensão da extinta Área de Livre Comércio das Américas, a famigerada ALCA, estratégia do Império para uma integração forçada, subordinando os parceiros, tal como fizera com seus vizinhos no acordo do NAFTA. O Brasil entraria de parceiro privilegiado neste desenho, e graças à ação da agressiva política externa venezuelana, timidamente o governo de Lula ajudou a enterrar a ALCA na IV Cumbre das Américas, realizada em novembro de 2005, em Mar Del Plata, Argentina.

enviar •
imprimir •

Passados oito anos e deparamo-nos com duas constatações. É certo que o MERCOSUL não consegue avançar em acordos múltiplos, brecando por tabela a projeção do Brasil para o Continente. E, para desgraça do desenvolvimento, setores inteiros da sociedade brasileira continuam pensando em termos de relações carnais com a economia do Império, ou contentando-se em transformar a América Latina em uma enorme plantação de algumas monoculturas legais. Ressalto este aspecto porque nas monoculturas ilegais, como folha de coca e pés de maconha, Colômbia e México estão bastante irrigados por extrema liquidez com fundos desta origem. 

 

A Aliança do Pacífico passa a funcionar dia 30 de junho e 90% dos produtos circularão entre os países membros com isenção de tarifas. Portanto, as portas estão escancaradas para a burla. Empresas “maquiladoras”, usinas de montagem localizadas na fronteira entre os EUA e o México poderão circular “livremente” como produto mexicano. A entrada de manufaturas também se dá através dos TLCs bi-laterais. 82% dos produtos industriais estadunidenses entrarão na Colômbia com tarifa zero. O conflito na economia colombiana será o mesmo dos dramas na OMC. Os países industriais querem proteger seu setor primário e vender “livremente” produtos com valor agregado, sem transferir tecnologia. Quem julga isso progresso, está totalmente equivocado. 

 

Voltando para a matéria, esta afirma que: “Não há maneira mais eficiente para reduzir a pobreza e distribuir a riqueza de um país do que o livre-comércio.” Tamanho absurdo histórico vai de encontro a qualquer estudo sério de economia do desenvolvimento dos países industrializados.

 

Artigo originalmente publicado no blog do jornalista Ricardo Noblat






« voltar