Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A novela da Varig


A volta do avião fantasma, assombrando os céus do Brasil, tal como a morte de uma das pioneiras, a Panair do Brasil, fechada por decreto. Agora, a tradição da antiga Condor Corporation sente a picada do próprio veneno.



Pode parecer lugar comum, mas o final aparente da novela da Varig é mais uma nota triste na indústria brasileira, concessionária de serviço público e chamada aviação civil. Estamos no centenário de Alberto Santos Dumont e mais uma vez a gestão das empresas nacionais fica anos luz da genialidade de nossos trabalhadores e cientistas. A Viações Aéreas Rio-grandenses é um patrimônio brasileiro, mesmo gerida em mãos privadas através de uma Fundação com mentalidade empresarial. Jogamos fora nosso patrimônio, agora abalados e intentando reconstruí-lo. O fantasma da Panair do Brasil agora morde o próprio rabo com elevada dose do próprio veneno.

Para piorar a situação, o governo tão compreensivo com empresas cujo dono testa-de-ferro fora para o além após sair de um churrasco em fazenda suspeitíssima na fronteira boliviana, jogou pesado, não pagando suas dividas nem tampouco equacionando a dívida da Varig com os próprios fundos devidos pelo governo Central. É sabida e conhecida a “generosidade” do BNDES para com corporações amigas; o mesmo não se dá com a defesa de cadeias produtivas nacionais e incentivo de microcrédto para quem está na informalidade, como fora programa de gestão do ex-presidente e também destituído professor Carlos Lessa. Defendesse a capacidade operacional e o potencial expansivo da Varig como “embaixadora” do Brasil no exterior, e a agonia já teria chegado ao fim.

Seria difícil traçar um mapa teórico dos agentes centrais da novela varigueana. Mas, intentando, temos ambientes concorrentes. O externo implica ação hostil de empresas e grupos rivais, atacando tanto as linhas nacionais como fundos de participação com capitais operados por bancos estrangeiros; isto somado às alianças obscuras entre determinados meios de comunicação e a gritaria pró-Anac, pró rearranjo concorrencial das empresas barateadoras do mercado de aviação. Há que se levar em conta que a mediação de fato foi realizada pela Justiça, especificamente por uma Vara Empresarial do Rio de Janeiro. Não se pode qualificar a Justiça como ambiente externo, assim como a própria Anac já está dentro da Varig faz muito.

Voltando ao ambiente, no interno, o choque de sindicatos de aeronautas e aeroviários, os membros do conselho de administração anteriores, a ação da própria Anac como “reguladora” dos serviços e dos direitos do usuário, e a presença de técnico-executivos que defendiam suas gestões e atacavam as demandas classistas. Já os sindicatos, por reclamarem de forma geral a defesa de sua participação na salvação da empresa assim como a defesa de seus direitos, foram injustamente acusados de servir de “boi de piranha” do suspeitíssimo capital de ações revendidas por mercados já secundários e que na verdade ninguém tinha controle de origem e não havia como afirmar ou negar a existência de investidores ocultos.

Para variar, a correlação de forças termina por elogiar a “solução” de racionalidade empresarial e cuja resultante é a demissão sem direitos de aposentadoria para mais de 8.000 trabalhadores. A história se repete como farsa ciclicamente retomada, e ainda assim, menos mal que a Varig não se chama Mappin e nem tinha um controlador pessoal.

enviar •
imprimir •






« voltar