Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Marina Silva e o lulismo que só perde para si ou sua dissidência – 1

portal dos cidadãos

Marina Silva na cerimônia de velório e cortejo de Eduardo Campos. Na esteira da tragédia, altera-se o cenário eleitoral brasileiro.

20 de agosto de 2014, Bruno Lima Rocha

 

A morte do ex-governador de Pernambuco e então candidato a presidente pelo PSB, Eduardo Campos, ocorrida em 13 de agosto, alterou o cenário eleitoral brasileiro. Até seu falecimento em desastre aéreo na cidade de Santos, litoral do estado de São Paulo, a presença de sua vice, a ex-ministra do Meio Ambiente de Lula Marina Silva, era uma mescla de discrição com pouco engajamento. Por uma semana a especulação circulou em torno das opções da Executiva Nacional dos herdeiros políticos de Miguel Arraes; se os caciques do PSB arriscariam uma chance de vitória eleitoral que pode vir a ser uma rotunda derrota política. Pelo visto, as esperanças das urnas e o pacto de compromisso político acenaram com a mosca azul para Roberto Amaral, Beto Albuquerque, Luiza Erundina e companhia. Vai caber ao deputado federal e ex-secretário de Olívio e Tarso, Beto Albuquerque, o papel de segurar a aliança no compromisso político e ainda frear as idiossincrasias da estrela acreana dissidente do PT.

enviar •
imprimir •

Apesar dos riscos, o PSB se lança em busca do pote de ouro, atraído pela mosca azul ao final de outubro. Com Marina na cabeça de chapa tudo muda. A pesquisa do Datafolha de 2ª 18 de agosto já apontava um empate técnico entre a ex-seringueira e correligionária de Chico Mendes nos empates contra os madeireiros do Acre e o neto e ex-governador de Minas Gerais, o senador pelo PSDB-MG, Aécio Neves. Este analista se resguarda ao direito de questionar as metodologias das pesquisas de opinião e assim, ressalvo que faço esta análise sem entrar no debate das intenções de voto e suas medidas, mas sim, pelos efeitos que estas causam nas executivas partidárias e nas equipes de campanha. Ou seja, apesar de não confiar nos instrumentos de pesquisa e já haver escrito a respeito algumas vezes, assumo como pertinentes os dados para efeito de análise. A partir do anúncio público destes indicadores, Marina Silva para a Presidência liga o botão vermelho na campanha tucana e o de alerta máximo no Planalto.

 

O perigo de derrota é real porque entra no meio da base construída em dez anos de governo de conciliação. Pela primeira vez o lulismo enfrentará um personagem político que corta no meio de sua ampla clivagem eleitoral, além de um sofisticado apelo nas classes médias consolidadas (classe B segundo o IBGE e não a ascendente classe C, bastião dos governos petistas). A ex-senadora petista também entra na clivagem dos votos neopentecostais, outro bastião do lulismo. Lula acionou seu pragmatismo, afastou-se das bases militantes católicas e travou aliança com a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD). Este pacto lhe cobrou – assim como para Dilma – um alto custo ideológico, haja vista as peripécias de pastores-deputados-empresários como Marco Feliciano (PSC-SP) à frente da Comissão de Direitos Humanos. Mas, como nem o PT, menos ainda Lula e tampouco Marina ou Dilma sequer se reivindicam de esquerda, o custo ideológico não é um problema pela baliza da tal da governabilidade e importa menos ainda em campanha para presidente.

 

Para os caçadores de votos, quanto maior o leque de clivagens eleitorais, menos refém fica o candidato dos ataques e defecções em suas reservas eleitorais. Para o PT, Marina à frente de uma estrutura partidária de porte nacional e com alguma coesão – o suficiente para bancar a campanha recheada de alianças heterodoxas – é uma ameaça real ao projeto de reeleição. Se o 2º turno poderia ter algum aperto numa eventual largada contra Aécio, o páreo entre Dilma e Marina é cabeça com cabeça desde o princípio da segunda volta.

 

Agora, a nova personificação do “sonho americano”, uma mulher de origem negra e indígena, analfabeta até a adolescência, interiorana, vinda de um longínquo ex-território federal na Região Norte, vai encarnar o padrão brasileiro de renovação para perpetuação parcial.  Sempre disse que o lulismo só poderia perder para si mesmo. É o caso de Marina Silva, uma dissidência do abandono do reformismo radical e militância social dos anos ’80 e parte dos ’90, para uma pragmática adesão ao vale quase tudo para levar o Poder Executivo e fazer o que der. A corrida eleitoral recomeçou.

 

 






« voltar