Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

O 1º turno no Rio Grande e algumas reflexões – 2


As bases de assistencialismo do senador Zambiasi vão ser uma das definições do 2º turno no RS. É provável que seu partido se isente das alianças orgânicas.



No RS, a surpresa tônica mais uma vez foi o processo eleitoral em nosso estado. Mantendo a tradição de não reeleger governadores, o sentimento popular é de rejeição ao atual modelo. A mídia corporativa se vangloria vitoriosa na sua campanha contra o voto nulo. É bem verdade que os índices foram baixos para governador e presidente. Contudo, nos cargos parlamentares esses índices oscilaram de 15% a 25% em todo país.

O 2º turno no estado aponta para uma polarização que reflete a situação nacional. O PSDB de Yeda Crusius vai para a decisão, muito mais pelos erros “políticos” de Rigotto: ter ousado ser candidato a presidente, ter ficado em cima do muro com relação ao pleito nacional, as fraturas internas do PMDB, etc. Além disso, Yeda se beneficiou dos altos índices alcançados por Alckmin no estado, um voto que se caracteriza pelo apelo midiático envolvendo o governo Lula nos escândalos de corrupção.

O PT ganha fôlego no estado, mas respira por aparelhos. Olívio Dutra em seu discurso, logo após a eleição, enfatizou a necessidade de um estado que tenha mecanismos de controle público que vise ao bem comum e esteja ao serviço de todos. Falou da necessidade de construir um governo com protagonismo das pessoas, dos lutadores sociais e dos movimentos sociais. Além de um discurso mais comedido, ele reconheceu a necessidade da composição com outros partidos para o próximo pleito.

Jussara Cony já acena nas entrevistas em buscar alianças com a direita mais tradicional do RS, justo àquela ainda ancorada nas estatais e entes do Estado. O PP, cujo candidato Turra já declarara apoio individual para Yeda, defendia abertamente a manutenção da Corsan, CEEE e Banrisul estatais. O senador radialista Sérgio Zambiasi, base de apoio de Rigotto e Lula, ancorado no assistencialismo neo-pentecostal, é a meta dos dois grupos. Para ganhar do consórcio econômico-empresarial, Olívio terá de lavar ainda mais seu discurso e plataforma.

enviar •
imprimir •






« voltar