Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Dúvida teórica e conceitual da presidência


A contradição da contradição do conto de fadas das eleições, Luiz Inácio se vê agarrado por Mangabeira Unger assim como FHC se grudou em suas barbas durante a campanha do MDB de 1978. No final da história, o sapo engole o príncipe e faz o que lhe pareça mais prudente.



A reta final da campanha aponta dois fenômenos simultâneos. Um deles, a retomada da dianteira com folga da parte de Luiz Inácio. O segundo, a situação absurda de uma cortina de fumaça deflagrada por todo o ambiente político. Vivemos uma guerrinha, não do tipo de faz de conta, mas de continuidade do modus operandi do antigo monstro do Golbery. Tal e qual um tipo de modus vivendi dos operadores políticos e empresariais.

Em último caso, fica uma dúvida: “Quem mandou o Planalto confiar nos grupos de mídia?”

E, na teoria política pura aplicada, uma dúvida conceitual ainda mais cruel: “O que leva a estes operadores a estabelecerem relações de mútua confiança e identidades afins com adversários históricos?”

Agora fica a choradeira, da suposta traição de um agente quem sempre foi governo (em qualquer governo) e nunca passou de aliado tático. Escutando versões de análise descritiva entre as relações do governo, com José Dirceu na cabeça pública e à frente da Casa Civil, é possível escutarmos as mais variadas interpretações e tergiversações explicativas dos motivos de Estado, razões de governo dentre outras, para ancorar a base aliada, em um bipé do baixo clero do Congresso, e no outro, nos operadores e homens de confiança da Indústria, do Agronegócio (latifúndio na base da plantation da Rainha Soja), do homem de confiança da Globo e da alta gerência do capital financeiro, senhor e dono dos destinos das finanças da União.

Se a lealdade de Meirelles é uma evidência inegável, a de Hélio Costa é discutível. O fato é que o partido de governo delegara ao seu líder político popular a figura da chefia de Esado, e este convocara assessores diretos de sua própria confiança. Cada vez mais Luiz Inácio se convence que ele carrega o PT nas costas e está disposto a pagar o que for preciso para se manter na parcela de poder do Executivo eleito, ainda e apesar do PT. Mesmo que para isso entregue todos os ministérios que o(s) PMDB(s) desejar e quiserem; ainda que tenha de entregar as mãos para não perder mais um anel em um dedo que já não tem.

Nos espanta o espanto de colegas analistas, mais ou menos profícuos em teorias estéreis e macaqueadamente colonizadas. O bê-a-bá é o jogo real da política, ainda mais sem lastro e com discurso lavado, considerando que a ancoragem ideológica se perdera da democracia socialista à social-democracia, e, desta, para o social-liberalismo. No meio da turbulência apolítica, Lula flutua, surfa e faz manobras radicais. A academia depois que busque explicação para aquilo que os olhos vêem e só a caixa de ressonância do Planalto não quer ver nem reproduzir.

enviar •
imprimir •






« voltar