Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Reforma política e democracia participativa

formajusta

Se a possibilidade de tramitação de projeto lei de iniciativa popular chegar a ser aprovada, podendo incidir em todos os níveis da legislação, então teremos um pequeno avanço concreto na democracia realmente existente

04 de abril de 2013, Bruno Lima Rocha

 

A reforma política, após mais de uma década e meia ziguezagueando nos corredores da câmara baixa, irá a voto. Nos dias 9 e 10 de abril os deputados federais estarão no plenário para fazer o que menos gostam; votar a respeito das regras de disputa na política profissional.

 

Possivelmente serão duplamente contrariados, pois terão de tomar posição e em público. Há algumas semanas, participei em um debate na presença do relator, o deputado federal Henrique Fontana (PT/RS) e dentre todas as propostas, uma que passa ao largo das polêmicas centrais chama mais atenção.

enviar •
imprimir •

Trata-se da possibilidade de que, através da coleta de assinaturas eletrônicas, um projeto lei (PL) oriundo do cidadão comum possa tramitar no Congresso. O número indicado é o de 500 mil pessoas, sendo que pela regra atual, é preciso 1% do eleitorado (1,4 milhão de assinaturas), além do mais difícil, algum parlamentar para abraçar o texto. A melhor parte fica para a possibilidade de Emenda à Constituição (PEC), através da coleta 1,5 milhões de assinaturas digitais colhidas em domínio oficial, algo hoje proibido para a cidadania. Uma PEC, mesmo parlamentar, é sempre é algo complicado e traumático, a exemplo da Emenda da Reeleição, de junho de 1997. Hoje o cidadão apenas pode tentar uma manobra difícil e cara para emendar à Constituição, a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN). Tal instrumento jurídico é empregado para exigir, por exemplo, legislação complementar regulando direitos constitucionais ainda não assegurados. Portanto, o recurso da PEC através de assinatura eletrônica é um avanço. 

 

Reconheço que o tema não entusiasma o andar de cima. Mais preocupados estão os operadores da política profissional com o financiamento público de campanha; fim das coligações; voto em lista flexível; gastos de campanha a ser executados pelas legendas; proibição das coligações para eleições proporcionais; e, o estabelecimento de um ano eleitoral, terminando com os pleitos a cada dois anos no país. Todos estes itens são relevantes para a representação partidária, mas o único realmente capaz de quebrar um paradigma é o da participação direta, mesmo que ainda em formato eletrônico.

 

Seria leviandade antecipar um resultado para a votação. Todo e qualquer comportamento é possível vindo de um parlamento onde Marco Feliciano (PSC-SP) preside a Comissão de Direitos Humanos através de acórdão. Dentro de um otimismo minimalista, se apenas o mecanismo da democracia participativa for aprovado, teremos um ganho real. 

 

Artigo originalmente publicado no blog do jornalista Ricardo Noblat






« voltar