Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A votação mais cara do mundo

Viamão/RS, 30/09/2005

Na quarta-feira, 28 de setembro de 2005, o governo Lula conseguiu um feito histórico. Ao final da votação para o terceiro cargo mais importante na hierarquia do país, os votos individuais atingiram o custo mais alto na história. Sangria desatada aos cofres da 11ª economia do mundo. Vale a pena refazer e cruzar votos com números do orçamento. São dados de acesso público, bastando para isso um simples raciocínio lógico.

enviar •
imprimir •

No primeiro turno do Congresso, Aldo Rebelo (PC do B-SP) terminou rigorosamente empatado com José Thomaz Nonô (PFL-AL), ambos com 182 votos. Em terceiro, figurava Ciro Nogueira (PP-PI), com 76 votos. O correligionário de Maluf e Janene terminou à frente do ex-governador de São Paulo na época da falência do Banespa e do Massacre do Carandirú, Luiz Antônio Fleury Filho (PTB-SP), que ganhou 41 votos. Entre os candidatos relevantes, Alceu Collares (PDT-RS) saiu-se pior. O leal brizolista e ex-governador do Rio Grande recebeu apenas 18 votos.

Quando as coisas se definiram, o segundo turno acabou com a sinistra diferença de 15 votos. Justo o número da lista dos possíveis cassados. Mas, outra conta é necessária. O processo decisório implicou uma barganha orçamentária, mais uma entre muitas, realizada não apenas por este governo, mas por todos os antecessores de 1985 aos dias de hoje. O governo Lula abriu o cofre, despejando R$ 500 milhões de reais em emendas parlamentares. Em troca, recebeu exatos 258 votos para o ex-guerrilheiro do Araguaia. Rebelo foi apoiado pelos amigos e os contratados. Leia-se, os aliados na política nacional embora rivais na esquerda, PT e PSB, obviamente o apoiaram. PP, PTB e PTB, marcaram posição em primeiro turno. Tanto bateram pé que a barganha saiu cara. Sim, na média, cada voto para Rebelo custou R$ 2 milhões de reais!

No meio do tumulto, alguns setores se deram melhor, outros não. O PMDB apareceu mais rachado do que nunca, com Michel Temer discursando forte e um surpreendente Pedro Simon batendo ao contrário. Collares também surpreendera, peleando votos para o candidato do Planalto. Severino foi bem, canalizando apoio, verbas e fundos para seus redutos eleitorais. Está no lucro o homem que antes de ser cassado, derrubou Olívio Dutra, emplacando um tecnocrata de sua confiança no Ministério das Cidades. Os parlamentares cassáveis, comemoraram intensamente. À frente da festa, o ex-chefe de Governo, José Dirceu. Celebrava sua sobrevivência política, não importa o preço que se tenha a pagar.

Ao contrário do que possa parecer, esta liberação de verbas, por dentro e com rubrica, é coisa corriqueira. Sabiamente a ciência política dos Estados Unidos apelidou este conceito de pork barrel. Ou seja, a disputa pela lavagem (alimento) que os porcos comem no coxo. Esta é a representação material da idéia, sem tirar nem pôr. Contrariando a muitos colegas, que têm por hábito confundir o papel de analista político com o de bombeiro, não tenho a mínima intenção de diminuir a indignação. É justo o oposto. Creio na capacidade de se indignar. Quem perde isso, perde a capacidade de fazer qualquer política distributiva. A real polítik pragmática já mostrou seu potencial desagregador. Não há motivos para repeti-la de forma supostamente “científica”.

Voltando ao preço dos votos, apenas nos últimos 45 dias, o país gastou em “lavagem” quase 10% do que a Petrobrás deve faturar este ano. No balanço do 1º semestre, a estatal brasileira fechou no azul, com lucro líquido de R$ 10 bilhões de reais. No dia 16 de agosto o Congresso brecou o aumento do salário mínimo através de acordo de liderança e com votação simbólica. “Coincidentemente” o governo liberava R$ 1 bilhão de reais do orçamento para emendas parlamentares. A obediência ao governo cessou quando o aumento em jogo foi corporativo. Para agradar seus funcionários, também através de votação secreta, fora aprovado o aumento de 15% para o funcionalismo das duas casas. O prejuízo para a nação foi de R$ 500 milhões ao ano.

Se somarmos os gastos obtidos através das barganhas do Congresso para impedir o aumento do salário mínimo, aumentar em 15% os ganhos dos funcionários da Câmara e Senado, somando-se ao 2º turno da disputa para a presidência da Câmara, teremos o total de R$ 2 bilhões e 100 milhões de reais. Se a Petrobrás repetir seu faturamento no 2º semestre, fechará o ano com lucro de R$ 20 bilhões de reais. E, para revolta de todos os cidadãos atentos do país, pouco mais de 10% desse montante já foi gasto no toma lá dá cá das emendas parlamentares.

Chegamos assim a uma triste constatação. Sistematicamente, a moeda de troca da política brasileira são os recursos públicos administrados pelo Estado. Se ainda fossem por interesses maiores, através de medidas concretas para melhorar a vida da maioria dos brasileiros, seria aceitável. Mas, uma classe política que negocia entre si, descaradamente, manipulando nossos recursos, é demais. Não há distribuição da riqueza nem participação popular nas decisões fundamentais.

Esta forma de “democracia” é pouco mais que uma coleção de ritos e procedimentos oligárquicos. Por muito menos, nos últimos 5 anos a ira popular já desmantelou sistemas políticos inteiros na Argentina, Equador e Bolívia. Sabe-se que a paciência do povo brasileiro é grande. Mas não é eterna.

Artigo originalmente publicado no Blog de Ricardo Noblat






« voltar