Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

O PSD e o senso de oportunidade política

poderonline

Gilberto Kassab e Cláudio Lembo (foto), junto a Guilherme Afif Domingo, estão na cruzada de inventar uma UDN de tipo light e para-governista. O movimento auxilia aos politólogos de plantão – como este que aqui escreve – a materializar o conceito de oportunismo político e adesismo ao governo de turno.

31 de março de 2011 (véspera do Golpe Militar de 1º de abril de 1964), da Vila Setembrina, Bruno Lima Rocha

A fundação do PSD é um tema que possibilita múltiplas abordagens e algumas valorações. Mas, não importando a angulação da análise, dois fatores são inegáveis. O Partido Social Democrático nasce sob o signo do partido tampão e do oportunismo político. Começando pelo segundo fator, vemos em seus fundadores (Kassab, Lembo, Afif e Cia.) um aguçado senso de oportunidade e mimetismo. Eles, ao mesmo tempo em que reeditam um programa clássico do (neo) liberalismo, declaram despudoradamente a nova legenda como “independente e sem ideologia”.

enviar •
imprimir •

O que a nova legenda pode vir a ter de diferente em relação ao DEM é apenas a sua aparência de simpatia e desapego ao oposicionismo sistemático. Em um país onde ninguém quer ser de direita embora a maior parte das elites políticas assim se porta, afirmar uma agenda positiva e de tipo pragmática é um excelente farol aos desgarrados dos combalidos Democratas.

Gilberto Kassab opera como um equilibrista da política, convocando os iguais a abrirem uma sigla de centro-direita e ocupar um espaço vazio pelo antagonismo visceral do DEM, por longos oito anos, exercido contra um governo com ampla aceitação popular. A analogia nas relações internacionais seria a de um Estado tampão, um território soberano ou quase, mas com alto grau de dependência de países líderes na região. Ao posicionar-se entre o PSDB, governo a quinze anos consecutivos do estado mais rico do país, e a aliança PT-PMDB a governar a União emplacando a sucessora de Luiz Inácio, a nova sigla já nasce sob a égide da pressão alheia e com uma base que será infinita o quanto dure, e nada mais.

Qualquer análise de rigor não pode deixar de levar em conta o oportunismo político como motivação principal desta fratura. O Planalto se teve influência direta teve sobre este movimento, realizou uma manobra de mestre. Enfraqueceu a já combalida oposição mais ferrenha, abrindo a cancela para receber novos apoios pragmáticos de plantão. Isso, por sua vez, amolece ainda mais o pouco ou nada fortalecido internamente PSDB, dificultando a existência de uma direita opositora.

O resultado, ao contrário do que possa parecer, se assemelha para a “esquerda” a uma vitória de Pirro. O fenômeno se repete. Lula governara ao lado do capital financeiro e abraçado em ex-arenistas. Agora Dilma dilui as possibilidades da oposição à direita agrupada partidariamente, e assim, simultaneamente, aumenta a influência direta e indireta das posições mais conservadoras dentro de seu governo.

Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar