Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Dilma, a faxina e a tal da governabilidade

vindodospampas

O ex-governador fluminense se arvora de liderança independente, tentando manter a pressão sobre o Planalto, empurrando o PMDB governista para demandar mais cargos, emendas e posicionamentos.

18 de agosto de 2011, da Vila Setembrina dos Farrapos, Bruno Lima Rocha

Até o momento, os seguidos escândalos de corrupção e as decorrentes frituras derivadas de geração de fato midiático, seguidas de fato político e muitas vezes antecedidos por investigação policial, não abalaram o apoio popular para a presidente Dilma. A ex-chefe da Casa Civil de Luiz Inácio segue, segundo a última pesquisa CNT/Sensus (deveras difundida por sinal), com 70,2% de confiança dos eleitores. Se na relação indireta com esse mistério conceitual chamado “opinião” pública a ex-ministra de Minas e Energia vai bem, o problema está justamente da porteira para dentro.

enviar •
imprimir •

Como todas e todos sabem, o Partido da República viu-se como a “Geni” do atual governo, abandonou a base esta semana e, pasmem, abriu mão de cargos (e orçamentos). Esta postura, ao mesmo tempo em que reforça a liderança pública de Anthony Garotinho (PR-RJ, deputado federal), deixa de cabelo em pé o aliado maior. O PMDB, uma legenda a representar um guarda-chuva de interesses e oligarquias estaduais, carrega em seu ventre o germe do “pacto de governabilidade”. Mas, como é sabido, o presidencialismo de coalizão brasileiro cobra seu preço, e este, se bem transacionado, vem por dentro e com rubrica, na forma de emendas, postos, cargos e orçamentos. Assim, governar em conjunto é compartilhar recursos e não necessariamente projetos. Em sendo o parceiro de empreitada a personificação da cultura política a qual o Executivo quer pactuar uma cruzada em contra, como assegurar uma base sólida?

Dilma assumira uma composição de aliança montada pelo governo que a antecedera (e do qual fez parte todo o tempo); esta mesma montagem hoje atende pela alcunha de “herança maldita”. Trata-se de artefato político-policial de efeito retardado e contínuo. Havendo aliança fisiológica, existirá munição noticiosa para alimentar tanto a oposição – com o intento até agora frustrado de CPI da Corrupção – como para elevar a tensão na interna do governo. Outros “problemas” virão.

Nestes oito meses à frente do Planalto, Dilma Vana Rousseff demonstrou que vê limites no pragmatismo político, não estando disposta a bancar situações como na campanha Fora Sarney (do Senado), quando Lula não poupou esforços para garantir o apoio ao aliado. O perfil político da presidente dá certeza de sua não tolerância com tais práticas. Diante disso, uma dúvida é desconcertante. Se a presidente estremecer sua aliança, ao mesmo tempo em que não convoca as forças sociais para combater os fisiológicos e sustentá-la, Dilma vai governar com quem?


Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar