Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A Adaga – boletim semanal de Estratégia & Análise, No 06, segunda fase


A Adaga, nesta edição número 06, aborda os temas que a maioria dos analistas evita ou os enxerga por outro ângulo.



Nesta nova fase do Boletim, já batizado de A Adaga, trazemos no cabeçalho a chamada para os arquivos de áudio do portal. Na seção Coluna do Rádio, temos as seguintes notas radiofônicas:

- Quando a economia política é mais importante do que as 4 linhas (futebol e Corinthians)

- A imagem da crise e a crise da imagem (crise do RS)

- Derrota de Chávez não é o fim do projeto bolivariano (Venezuela, referendo)

- Mafalda, a anti-menina dos olhos (cultura, estética e narrativa latino-americanas, por Daniela Soares

Boa leitura desta edição e boa audição. Os áudios são para livre circulação, sempre citando a origem e a autoria. Aguardamos as críticas.

Bruno Lima Rocha, politólogo com ofício de jornalista, editor de Estratégia & Análise

Desvario na garoa – Brasil, 01

Esta Nota vai além das impressões pessoais, buscando a marcha da insensatez lá no fundo do poço do “urbanismo” brasileiro. Afirmo este conceito a partir do absurdo ritmo da construção civil de luxo na cidade de São Paulo e arredores. Um jornal de domingo serve para levar às raias da loucura qualquer docente de arquitetura com pretensões urbanísticas. Ofertas da ordem de 4 dormitórios, todos suítes, 4 ou 3 vagas de garagem por apartamento, espaços exclusivos e verticais de 100 a 159 m², administração profissional de mega-condomínios, muitos deles oscilando ara o conceito de bairros privados. Como gerar todo este volume de serviços? O IPTU por si só não alcança, assim, a elite da capital da economia nacional se vê sobretaxada, exigindo exclusividade e pagando alto por ela. O direito à cidade vai pelo ralo, navegando pelo Tietê na contramão do acesso aos recursos urbanos e “públicos”.

Cidades Privadas e Metrópole “Pública” – Brasil, 02

Alphaville, a original, de conceito torna-se padrão. Da matriz de 40% do PIB nacional, de bairros anexos ao chamado centro expandido se espraia a proposta de ter várias cidades exclusivas entre o aperto de metrô, ônibus e peruas. Na mancha metropolitana, como em Guarulhos, abundam ofertas semelhantes. Bairros outrora de “fronteira”, como o Tatuapé, recebem as grades elétricas e vigilância eletrônica de condomínios com ares citadinos. “Cidades” dentro da urbe oferecem a exclusão dos incluídos. Trata-se de outro circuito de relações e formas de vida. Na ponta de debaixo da tabela social, percebe-se a escassez do que sobra no andar de cima. Não há infra-estrutura urbana capaz de suporta às estruturas sofisticadas de moradia “cercadas” pelo caos das vias e artérias de circulação e áreas semi-regulares. O cúmulo da ironia é construírem lagos artificiais onde a falta d’água é crônica.

La reina de Inglaterra no es la misma de la tejana – Uruguay

El FA está en el cruce de la trayectoria de una fuerza política con orígenes en la izquierda y que se propuso a ser gerente del subdesarrollo y no a generar otra propuesta de poder. El tránsito se da en la coalición con perfil reformista hacia el posibilismo minimalista de la soya, forestación, arroz abrasilerado y otras virtudes. Mientras el ejecutivo anda bien – bastante bien para los padrones anteriores – el organismo político se hunde. Cuando el oncólogo aleja la fuerza política electoral del gobierno, tal medida implica en reconocer que el organismo partidario no está a la altura de las tareas de gobernar el capitalismo periférico. La ausencia de mística camina en la contramano de una búsqueda desesperada por alguien que cumpla el rol de Reina de Inglaterra. La salida supuestamente “técnica” es la muerte de POLÍTICA. No importa si la profesora del Instituto de Ciencias Políticas, Constanza Moreira, va a ser o no presidenta de FA. Sólo el hecho de ser discutida esta posibilidad para la función la resume el absurdo de la interna tan exquisita como una empanada rellena de boniatazos y chusma. Ojala el debate fuera para ver quien será el presidente de la Reina de La Teja.

El vuelo de Yabrán – Argentina

Alfredo Yabrán era el eje financiero más importante del desmonte y saqueo de la Argentina, promovido por Carlos Saúl Menem y sus comparsas. Uno puede hacer la cuenta que vieja derecha peronista, la misma que el riojano derrotó en la interna del PJ en los ’80, salió victoriosa porque los milicos no tocaron a los gordos de las 62. Si la patota es peligrosa, aún peor son las manos poco visibles. Hay cuestiones en la política que son inexplicables desde el prisma racional. ¿Por qué la cúpula del kirchnerismo contrató la empresa aérea de los hijos de Yabrán? ¿Por qué fue en la Royal Class donde viajó la valija y el valijero? En los hechos del juego real de la política realmente existente, la permanencia de fuerzas medio ocultas implica mucho. Resumen de la opereta Antonini: plata sucia llevada por un gusano en un vuelo fantasma al santo pedo.

Sam Walton e os Tontos na Província – Rio Grande do Sul, 01

O grupo Wal-Mart é um gigante dos supermercadistas. Em nosso Continente opera no Brasil, Argentina, Costa Rica, Honduras, El Salvador, Guatemala, México, Nicarágua e Porto Rico. Quando chega num território, compra redes locais ou adquire macro atacados de outras transnacionais. Na Província de São Pedro, o botim incluiu as redes Big e Nacional. Ambas pertenciam ao grupo português Sonae, quando os empresários lusos se desfizeram de mais de 150 lojas no Brasil. A rede fundada por Sam Walton nos estados do Arkansas e Kansas manteve, em terras gaúchas, o “padrão” dos proprietários anteriores. Em cada fila de caixa, a sina continua. Os gênios da administração dizem que reduzem preços, mas no mundo real o que fazem é cortar custos e empregos. Jogando pesado para quebrar a concorrência de pequenos e médios abastecedores, chegam ao absurdo de sequer contratar empacotadores. Resultado: uma fila de mais de meia hora para cada compra acima de 30 itens. Da porteira do Mampituba para dentro, ninguém regula o capital que aqui opera. Os herdeiros de Sam Walton não entoam gritos de Sapucay, mas como o Cavaleiro Solitário, bradam: Raiô Silver! Os “Tontos” os acompanham esperando ansiosamente um afago na forma de contribuição para as campanhas municipais.

Palavras sobre o teatro gaúcho – Rio Grande do Sul, 02, por Daniela Soares, colaboradora do portal Estratégia & Análise e editora de Trecos & Trapos

Boa parte da produção teatral do Rio Grande do Sul está se voltando de forma bastante apressada para um teatro mais digerível, que não levam em conta um trabalho estético formal, muitas vezes reforçando idéias retrógradas. Esse tipo de teatro não faz nada além de um desserviço. O artista tem um papel social muito importante e não pode deixar de exercê-lo para perpetrar um teatro de facilidades. Na contramão dessa triste realidade, um grupo que esse ano completa 30 anos de existência plena e consistente, o Ói Nóis Aqui Traveiz acredita que para atingir o grande público, o popular mesmo, é alcançar a maior parte da população, os excluídos, que nunca vêem teatro. E eles fazem isso, através do teatro de rua. Apresentam-se no Centro e também na periferia. Além disso, há ainda a questão dos espaços culturais, que são menos que meia dúzia e estão todos na área central da cidade. É preciso ter outros espaços. A verba pública deveria ser destinada a contemplar o acesso de todos. No entanto, ao contrário do que se esperava, o futuro espaço dedicado ao grupo será no centro da cidade. Doado ontem, 8 de janeiro de 2008, em forma de comodato, por tempo indeterminado, atendendo a uma demanda do Orçamento Participativo de 1995 o grupo terá finalmente um terreno para construir seu espaço sem precisar pagar aluguel.

enviar •
imprimir •






« voltar