Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

No país das CPIs onde ninguém é punido


A criatividade da mídia e da política brasileira em criar neologismos é proporcional a roubalheira estrutural com o dinheiro coletivo. A última moda é a pizza de tapioca, invenção do cartão ministerial do ex-comunista Orlando Tapioca Silva.

4ª, 20 de fevereiro de 2008, Vila Setembrina dos Farrapos, Continente de São Sepé, Pátria Grande de la Liga Federal

O verão no Congresso Nacional é marcado pela possibilidade de mais uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI). Os debates discorrem sobre seu formato, se será mista ou unicameral, e a disputa de seus postos-chave, como presidência e relator. O alvo da vez são os cartões corporativos. Enquanto isso, com pouca difusão e interesse, segue correndo a CPI das Organizações Não-Governamentais (ONGs). O chavão é válido. Tem cheiro de pizza de tapioca no ar.

enviar •
imprimir •

A essência deste artigo é debater as razões de fundo de uma Comissão Parlamentar de Inquérito. Quanto mais banal for sua aplicação, pior será a execução. Vale comparar com os antigos Inquéritos Policiais-Militares (IPMs). Usados para justificar os indícios de corrução nos governos de Jânio Quadros e João Goulart, os IPMs não deram em quase nada. Tiveram “resultado” quando aplicados na repressão política e no controle ideológico. Ainda assim, serviram mais como braço jurídico da tortura e do estado de guerra interna do que como mecanismo de apuração de qualquer tipo de verdade factual.

O mesmo está passando com as investigações parlamentares. Entendo que como instrumento “investigativo”, o formato CPI está falido. O pouco que chega a ser elucidado fica no marco da boataria ou, na língua da arapongagem, nas sombras. Infelizmente, as funções de governo e de Estado são subordinadas aos interesses imediatos, marcados pela cruel regra da sobrevivência e longevidade política. Isto porque a atividade-fim da CPI não é a apuração da verdade factual. É pura e simplesmente a fabricação de fatos políticos através de escândalos televisivos com algum grau de validez jurídica.

Não digo com isso que as CPIs não despertem interesse ou que a cobertura política do país não deva se debruçar sobre o tema. Particularmente nunca reclamo quando a imprensa bate e sim quando a imprensa bate pouco e de forma seletiva. O problema da corrupção não é invenção da grande mídia, mesmo com todo o lacerdismo abundante entre os herdeiros de Paulo Francis na internet brasileira. Tampouco o problema é de falta de instituições reguladoras, controladorias e ouvidorias externas. Afirmo neste artigo aquilo que venho repetindo sistematicamente. No Brasil não faltam instrumentos de controle sobre as finanças públicas ou a máquina do Estado. Falta é controle mesmo. Na ausência de punição, o que cai no descrédito é o estatuto da representação política.

Enquanto Luiz Inácio sobe, as demais instituições da democracia representativa, como o parlamento e as legendas partidárias, caem em um descrédito cada vez maior. Este é um dos motivos do índice de aprovação do ex-sindicalista que afirmou nunca ter sido de esquerda. Os bancos extrapolam os recordes de faturamento, o Bolsa Família chega religiosamente nos lares selecionados e temos a idéia da estabilidade presente. Noção esta reforçada após a crise estadunidense fruto das pirâmides de empréstimos bancários erguidas sobre hipotecas podres - o famoso subprime. Este governo baseia toda a sua idéia de estabilidade na continuação macroeconômica e áreas afins. Quando o Executivo é cobrado, o presidente apela para a linguagem futeboleira. Para ele, fazer oposição, mesmo que por esquerda, vira “coisa de secador”.

O gigante adormecido prefere seguir hibernando na ciranda digital de que ver a constatação do real. Para tornar instável a política nacional, basta investigá-la com ímpetos jacobinos e transparência absoluta. Como isso não interessa a ninguém, menos ainda a tucanos e pefelistas, o que assistimos pela TV é apenas a acumulação primitiva e imediata de capital político volátil. Assim como na jogatina financeira, este capital pode ser aplicado na barganha interna por cargos de 2º e 3º escalão ou nas eleições municipais de outubro próximo. Na “polititica nacional”, as aplicações ainda são da época do overnight.

Sinceramente, para uma visão estruturante de país e de nação, pouco ou nada importa se a roubalheira começou neste ou naquele governo. O problema é o uso perdulário das finanças da nação e não a sobrevivência política de um mandatário. No quesito uso discricionário dos cartões corporativos, uma boa solução seria a transparência total dos gastos da Presidência e da Vice-Presidência. Para não gerar melindres, que se quebre o sigilo bancário de todos os ministros e ex-ministros de Lula e FHC. E que o Supremo decida pela abertura ampla, geral e irrestrita dos gastos de governo. Mas, como diz a música cantada por Clementina de Jesus, “sonho meu, sonho meu”.

Na posição de analista, tenho a opinião de que houve gasto perdulário com os cartões corporativos desde sua inauguração. Entendo que deve haver devassa fiscal e bancária e punição para todos os gastadores do dinheiro coletivo. Doa a quem doer e não importam as conseqüências. O Brasil não pode conviver com uma versão pós-moderna de Ademar de Barros. Se o antigo governador de São Paulo tinha como lema o “rouba, mas faz”, ao que parece, hoje a idéia-guia é “usa e abusa mas assegura a estabilidade”. Como afirmei antes, para desestabilizar a política nacional, basta investigá-la. Infelizmente, é por este motivo que a CPI ou CPMI dos cartões corporativos vai acabar na tapiocaria.

Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat.






« voltar