Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A verdade ser esclarecida. Cancelas, empreiteiras e a prorrogação do vício de origem.


O engenheiro que foi executivo da Odebrecht assina seu contrato de trabalho com a economista ex-funcionária do Grupo RBS. Tudo em casa na gestão de negócios privados da coisa pública

5ª 20 de novembro de 2008

Como não cansamos de afirmar, o gerencialismo de Yeda Crusius, Daniel Andrade, Mariza Abreu, Fernando Schüler e cia. tampouco cansa. Não bastasse o intento de tentar destruir com a legislação ambiental do RS, agora o alvo é renovar aquilo que ainda não venceu. Isto porque o governo gaúcho propôs a antecipação da prorrogação dos contratos entre o Estado e as concessionárias de rodovias. Concessionárias estas que formam uma só Associação NACIONAL (Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias, regional do RS).

enviar •
imprimir •

Vale uma observação. A composição desta “associação” é no mínimo curiosa. O consórcio Univias, de triste lembrança para os viamonenses, é o conglomerado da Metrovias + Sulvias + Convias. Apenas este consórcio administra a quase 1000 kms de estradas que cortam o solo do Rio Grande. Outra “concessionária”, a que controla a Free Way, é uma subsidiária da TPI – Triunfo Participações e Investimento, controlada pela Triunfo Holding de Participações (majoritária da TPI S/A e “independente” da empresa mãe). Este capital é do Paraná, com sede em São Paulo, e tem sua origem na Construtora Triunfo, uma empreiteira que em nov.2008, detêm o contrato do Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (DNIT) para fazer a 3 trechos da BR 101 em Santa Catarina e no Rio Grande (trechos de Araranguá e Sombrio, em Tubarão e em Osório). Como pode uma construtora fazendo obras para a União também ser concessionária de rodovia pedagiada? Se a empresa constrói, com recurso do Governo Central (através da espoliação impositiva), é adequado para as normas do serviço público que uma empresa originária desta empreiteira seja concessionária e “explore o serviço”?! Não por acaso, segundo os dados da própria Contrutora Triunfo, no exercício de 2006, a carteira de obras (hidrelétricas, portos, aeroportos, rodovias, gasodutos, dragagens e construção civil), tinha o equivalente a 58,33% de contratos com o Poder Público e 41,67% com a iniciativa privada. Nada demais quando o escândalo vira a rotina. Neste país as empreiteiras sempre foram clientes e lobistas do governo de turno. Na era neoliberal, o exercício da apropriação privada do dinheiro público se dá não apenas no contrato das obras, mas na “concessão” para explorar um serviço que só existe porque houve investimento do Estado e tem demanda garantida.

Voltando ao projeto de renovar o que ainda não venceu, o fato é que a intenção de Daniel Andrade é uma obra prima de cessão do Estado para o capital privado. O ex-executivo da Odebrecht, engenheiro civil especialista em infra-estrutura rodoviária e secretário de Infra-Estrutura e Logística que faz parte da cota pessoal de Yeda trata de fazer a concessão que não existe e não há anuência da União para esta negociação. Até na Assembléia Legislativa, onde o Executivo tem maioria, alguns “nobres e ilibados parlamentares” falam que os próximos governantes deverão assumir publicamente a responsabilidade de encerrar o Programa de Concessão Rodoviária. O receituário implica recompor o estado da equação contratual, desonerar os usuários e exigir melhorias na prestação de serviços das concessionárias. Estes “muy leais e valorosos parlamentares”, os mesmos que não derrubaram o governo em meio da crise da gravação de conversas entre Buzatto e Feijó, enviaram um contra-projeto com 181 páginas. Nesta peça consta a “sugestão” de um sistema eletrônico de cobrança, em curto prazo, em sete pólos rodoviários, concedendo descontos de 50% do valor para os veículos de passeios que tem as placas das cidades sedes de pedágios. Vai ser a solução meia boca assim como o zoneamento que permite, mas tenta controlar o incontrolável avanço da silvicultura (eucalipto e pinus) nas terras de Sepé e Languiriu. Só o fato dos deputados considerarem a hipótese dos usuários pagarem pedágios mesmo sendo moradores das cidades sede das cancelas já demonstra o absurdo da proposta! Mas, o fato político continua e o barulho também. Isto porque o Tribunal de Justiça do RS concedeu liminar favorável para a prorrogação da CPI dos Pólos de Pedágio, para ser votada em plenário em 60 dias.

Voltando a atenção para o Executivo, nem mesmo essa meia boca recebeu atenção do governo de Aod Cunha e Carlos Crusius. Na ponta do lápis, a reformulação destes contratos de concessão tem o objetivo de investimento de R$ 4 bilhões em obras, o que não estava previsto originalmente, tendo como desculpa nestas mudanças, ampliar a capacidade das estradas para “evitar um apagão”. Os termos catastróficos escondem o terreno profundo do discurso. A planilha reluz pelas empreiteiras concessionárias. Terão de investir em ampliação de estradas apenas 20% do montante de lucro previsto! Nesse ponto, o estilo menemista – não na cafonice midiática mas na prepotência vende-pátria – encontra eco do lado de cá da Barranca do Uruguay. A meta é ceder as rodovias para a exploração dos pedágios por mais alguns anos (15 anos, indo até 2028!), deixando a responsabilidade total para as concessionárias, multiplicando seus lucros, cobrando somas exorbitantes da população que utiliza este recurso.

Estamos vendo a velha prática da socialização de prejuízos, valendo sempre para a sociedade que tem o lado mais fraco. Dá com uma mão e tira com a outra. Então, não culpem aqueles que usam rotas alternativas para não pagar os mesmos impostos que já existem e acabam por ser cobrados duas vezes. Prorrogar este contrato que está mal construído e é contestado por muitos, é insistir com o vício de origem. Antônio Britto vendeu as estradas do Rio Grande, Olívio Dutra permitiu a ida e volta e Rigotto, como marca de seu governo, pouco se mexeu e nada fez. A vergonha é tamanha que alguns contratos chegam a isentar as concessionárias de recapear a faixa de acostamento! Admitir conceitualmente o que está acontecendo é duro, mas é a obrigação do analista sincero. Adjetivos à parte, trata-se de apropriação privada de um bem coletivo, mais uma vez, e ao arrepio da lei, que na maioria das vezes não é executada, e quando é, a medida legal é um paliativo mal feito. e que não permite a concorrência de empresas que poderiam administrar e cobrar pedágios de valor inferior, apenas nos deixa a certeza de que entra governo e sai governo, contratos e negociações são beneficiados apenas aqueles que cuja suas intenções são enriquecimento através de ações conflitantes entre a opinião pública.

Este artigo foi originalmente publicado no portal do jornalista Claudemir Pereira.






« voltar