Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

No ainda governo de Yeda, o gerencialismo acabou


Antônio Vicente da Fontoura, político e politiqueiro das sesmarias sem fim do Rio Grande, sorri do inferno, contente com os herdeiros da elite política do pago que o sucederam, após a traição de Porongos e a vergonha de Ponche Verde.



Na tarde deste sábado, 7 de junho de 2008, Yeda Crusius convocou o chamado Conselho Político e assinou o óbito de seu projeto gerencial. Esta é a leitura que faço e intento fundamentar. Sei que os dados já foram para lá de repetidos, mas como uma nota dessas também é um registro histórico, sou obrigado a repetir os fatos.

O momento é de crise e a necessidade de retomar alianças era urgente antes que houvesse uma debandada geral do governo. As relações com PP, PPS e DEM já estavam balançando. Ao final da aventura de espionagem legal operada pelo ex-presidente da Federasul, a versão gaúcha do partido de Herr Bornhausen deixou o governo rumando para uma “oposição furiosa”. Choques de disputa de poder intra-elites e conflitos de papéis.

Presentes na reunião estavam o PSDB – com a própria governadora, a deputada estadual Zilá Breitenbach, o deputado estadual Nélson Marchezan Fo., o deputado federal Cláudio Diaz e o secretário de Infra estrutura e logística Daniel Andrade (representante das empreiteiras no governo, ex executivo da Odebrecht) e o porta-voz Paulo Fona; o PPS – com o presidente do Grêmio e deputado estadual Paulo Odone e Sérgio Campos de Moraes, secretário-geral da legenda; o PP - o casal Vilson Covatti deputado federal e sua esposa Silvana, deputada estadual; o PMDB – com o deputado estadual Alexandre Postal e o dirigente da sigla Rospide Neto; o PTB – com a presença de Elói Guimarães, vereador da capital e presidente estadual da sigla.

Uma reunião assim é um momento tenso e de gestão de crise. Na hora de apontar saídas, é natural que os operadores políticos decidam atirar. O alvo será o governo de Olívio Dutra e os levantamentos feitos durante o governo de Rigotto e de Yeda sobre o aparelho de Estado do Rio Grande. No momento, se acumulam munições, acusando de improbidade àqueles que estariam tentando derrubar a atual mandatária do Piratini.

Para cortar na própria carne e não ficar ainda mais exposta, Yeda aceitou a “exoneração voluntária” de Cezar Busatto (PPS), até hoje Chefe da Casa Civil e pessoa chave no novo esquema de governo montado em torno dele e de Delson Martini, secretário-geral de governo; do representante (embaixador) do Rio Grande em Brasília, Marcelo Cavalcante (caiu pela carta de Lair Ferst) e o comandante-geral da Brigada Militar, coronel Nilson Nobre Bueno. Os quatro têm a corda no pescoço por acusações, problemas com o Ministério Público, estão no imbróglio das gravações da PF e são alvos permanentes da ofensiva político-midiática que está sofrendo o governo.

No plano interno da segurança, a cancha reta está aberta para o emprego repressivo e as pretensões políticas de Paulo Roberto Mendes, o coronel da Brigada que extinguiu a figura do assessor de imprensa da força policial gaúcha. Nenhuma assessoria consegue ganhar de um coronel de estilo pé de boi, que está à frente das operações e não abre a boca em relação às artimanhas internas de seu próprio governo.

Fora as conspiretas brigadianas e a permanente crise na segurança pública do RS, a coisa está mais que feia e no campo conceitual. Vejamos.

Na hora de dúvida, é bom voltarmos ao “pai da matéria”, do princípio do gerencialismo tucano. Segundo Bresser Pereira, “A Reforma da Gestão Pública de 1995-98 não subestimou os elementos patimonialistas e clientelistas ainda EXISTENTEntes em um Estado como o brasileiro, mas, ao invés de continuar se preocupando exclusivamente com eles, como fazia a reforma burocrática desde que foi iniciada nos anos 1930, avançou na direção de uma administração mais autônoma e mais responsabilizada perante a sociedade. Seu pressuposto é de que a melhor forma de lutar contra o clientelismo e outras formas de captura do Estado é dar um passo adiante e tornar o Estado mais eficiente e mais moderno.”

Expus uma parte das premissas de Bresser porque o mesmo fundamenta o sistema de crenças alegado no “novo jeito de governar”. Yeda tentou, mas perdeu. Sua aposta agora é o co-governo, junto aos partidos tradicionais, tendo de enfrentar a ira do que restara da Frente Popular (PT-PSB e PC do B) e o DEM – em franca oposição e dissidência de sua executiva nacional. Vai esvaziar o Palacinho do vice, exonerar os 40 CCs que apóiam o empresário na sua função de perturbar o governo e levar adiante suas teses a todo custo. Feijó tem uma carta na manga, pesada, e vai partir para cima da vida privada de Yeda. Qualquer relação com a casa da professora-governadora, não é mera coincidência.

A partir de agora, ou o PT desiste do impedimento (impeachment), ou os parlamentares terão de se defender com unhas e dentes. Vai entrar tudo na roda, incluindo o Banco Santos e as prefeituras de Alvorada e Viamão. Dá para derrubar o governo, mas o preço a ser pago será alto. Terão de enfrentar no pago a uma parte dos queridos aliados de Brasília e muito provavelmente Tarso Genro não irá permitir que a pá do coveiro entre muito fundo.

O mesmo partido reformista se tornara social-liberal quando proclamou a Carta para os Brasileiros. A manobra de co-governo e remuneração aos operadores foi a saída para governar sem maioria. Este ponto faltou na obra dos tucanos Argelina Cheibub Figueiredo e Fernando Limongi (FGV, 1999), porque os acertos transacionais da “coalizão de governo” não foram contabilizados. Entre equações sem fim e gíria acadêmica estadunidense, os dois pesquisadores paulistas não puseram cifras nem modus operandi. Tampouco o custo da dissidência estava presente, além de retaliações orçamentárias. Como entendo que o Jogo Real da política Real não é um, mas são vários, e neste Jogo jogado hoje no Brasil, Busatto foi sincero demais, esta lacuna da teoria faltará porque ninguém quer dizer nem sequer a verdade factual. E depois da última sexta, ninguém falará mais nada.

Paulo Afonso Feijó se arrisca a pelear sozinho, em nome de uma suposta moralidade da iniciativa privada mediana, a mesma que enlaça com as máquinas político-partidárias do estado desde que seus antepassados venderam a república em Ponche Verde. Mas, como a figura mais belicosa nos duelos de mídia que vivemos é um homem-bomba, está aberta esta “janela de oportunidade” para implodir o subsistema político gaúcho.

O último homem-bomba da política brasileira não foi até o fim e seu partido continua dentro do mesmo governo que ele disse ser operador do Mensalão (e era). No pago, qual o limite de Feijó? Sim, porque se cavar ainda mais fundo esbarrará naquilo que todos sabem, mas só o Busatto fala quando não sabe que está sendo gravado. E, na outra ponta do patrimonialismo e da locupletação endêmica estão os contratistas. Não há governo corrupto sem empresariado corruptor. Isto quando os papéis não são absolutamente os mesmos e então não há ninguém para corromper porque todos já assim estão. Caberá ao jovem ex-vice governador em exercício provar que o caso dele vai além do exemplo dado acima.

Suponho que isso não vai ocorrer e a lambança será geral. O patrimônio simbólico da estirpe dos políticos rio-grandenses caiu por terra e não se levantará tão cedo. Onofre Pires e Vicente da Fontoura sorriem no inferno, lembrando de lá que os atuais são iguais a maioria dos fundadores da Província que não quis ser república federalista na Pátria Grande. Na maior parte dos casos, o empate político no corruptômetro dá num acórdão para salvar o estamento. Se Yeda não cair, a saída será essa. Governo gerencial com projeto próprio, já era. Resta saber se sobreviverá até o fim do mandato.

enviar •
imprimir •






« voltar