Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A Kroll, a PF e o óbvio uLulante


O Diretor-Geral que no cargo ficou pelos quatro anos. Nesta charge da Fenapef, o D-G de Tuma está disfarçado de agente de investigação das grandes corporations de telecomunicações.



Logo no início da página Estratégia & Análise, havíamos feito uma Nota a respeito da Kroll e suas operações no Brasil, além do contrato desta como “prestadora de serviços especializados” para o banqueiro Daniel Dantas. Dentro da pauleira interna da Brasil Telecom, por sinal co-controlada pelo governo central com a fartura do dinheiro do BNDES, as alegações de Dantas, da Kroll e de Carla Cicco foram algo digno de Alice. Sim, Alice e o mundo mágico de Oz.

Como quase sempre as análises independentes são passíveis de serem confundidas com “ensaio”, expomos agora um trecho de matéria da Folha que, por lapso, esquecemos a data. Após o trecho do texto de Kennedy Alencar, volto com a análise do óbvio ululante.

“ KENNEDY ALENCAR – Folha de São Paulo

DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

A Folha ouviu ontem de um auxiliar direto de Lula que o governo será duro na investigação da Kroll. Em relatório de fevereiro de 2005, obtido pela Folha, Frank Holder, que foi diretor da empresa, relata conversa com o chefe de operações da CIA no Brasil. Holder diz que esse agente chegou a participar de reuniões com Lula e vários ministros.

De acordo com o relato de Holder, o encarregado da CIA contou que o governo não tinha nenhuma questão em curso contra a Kroll ou a Brasil Telecom. No entanto, esse agente teria dito que "pesquisa independente" mostrava que havia, no governo petista, defensores da Telecom Italia, à época rival do grupo Opportunity dentro da Brasil Telecom.

O relatório de Holder -ele próprio ex-agente da CIA- diz que ele também teve conversas com o então embaixador dos Estados Unidos no Brasil, John Danilovich, e o conselheiro comercial, John Harris.

Além de Lula, o relatório diz que houve conversas diretas e privadas com três importantes membros do governo: o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, o então ministro da Fazenda, Antonio Palocci Filho, e o então ministro da Casa Civil, José Dirceu.

A Kroll foi contratada pelo Opportunity por conta do conflito societário com fundos de pensão brasileiros, o Citibank e a Telecom Italia a respeito do controle da Brasil Telecom.

No relatório de Holder, o senador Romeu Tuma (PFL-SP) e diretor-geral da PF, Paulo Lacerda, são apontados como defensores dos interesses da Telecom Italia contra Dantas.”

É inevitável a observação do envolvimento de altos funcionários da polícia e da inteligência brasileiras com o lobby das telecomunicações. Detalhe, quando lembramos a recorrência da Dow Chemical do Brasil S.A. e o cargo de confiança ofertado a Golbery, não é mera coincidência. É a teoria da porta giratória, ou do jogo duplo dos CEOs. Tuma, o ileso e seu homem de confiança no governo Lula, Paulo Lacerda, o super-tira que nunca atirou em nada nem em ninguém, estão com vínculos mais que orgânicos com uma empresa que é quase mafiosa. Dantas, da mesma estirpe e capacidade de “jogar pesado” – que o diga Boechat e sua demissão de O Globo – tem o sue na reta e também vazam para a Veja que está em guerra contra o Planalto.

No meio de tudo isso, cenário complexo de múltiplos interesses e sem objetivos estratégicos mandatórios da atividade-fim, tudo são névoas e ninguém pega ninguém. Que a Kroll opera como fonte auxiliar da CIA, é da regra e lei das sombras, todos sabem, e fingem ou pretendem não saber. Tal e qual as mais de 500 “consultorias independentes” de origem israelense, prestando serviços também mui especializados mundo afora.

Quando a Abin infiltra nos Correios para pegar o laranja de Roberto Jefferson, e o D-G da PF Lacerda atende ao seu real chefe político, o ex-delegado do DOPS de São Paulo senador Romeu Tuma, o que resta?! Apelar para qual Corregedoria? O MPF sairá a investigar livre, leve e solto? Não, óbvio que não.

Conforme dissemos, o escândalo é uma festa da hipocrisia. Qualquer bolsista de política ou relações internacionais com um mínimo de leitura sabe e entende como é o ambiente operacional da chamada “inteligência corporativa”. Se a PF não sabe, como pode não saber? E se sabe e nada faz, é porque opera por dentro igualito, correto?

A propósito: Onde foram parar os agentes do antigo CDO da PF? E, porque será que a brava Carta Capital parou de fazer dossiês a respeito disso?

enviar •
imprimir •






« voltar