Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Duas variáveis para a despolitização


Fi-lo porque qui-lo, a UDN pós-moderna bem que tentou, mas o PSD de hoje negaceou em emparedar ao ex-metalúrgico a partir da falação de Duda Mendonça. Agora, a chance vem de uma operação trágica e bem vigiada pela PF.



A campanha eleitoral se aproxima do final de forma mais emocionante do que quando começou. Esta afirmativa é fruto de evidente observação empírica. Mas, por outro lado, o grau de despolitização avança. Queria poder retornar às Notas aqui fazendo um paralelo a partir de duas variáveis. A primeira é a premissa de racionalidade lógica do eleitorado. A segunda tem relação com o grau de capacidade cognitiva do mesmo eleitorado.

Afirmar que o eleitor brasileiro não sabe votar é uma praxe triste e repetitiva. Servia de discurso para a ex-esquerda quando esta avaliava o grau de consciência de classe, a correlação da falta de consciência e os mapas eleitorais que sempre punham a esquerda parlamentar em situação minoritária. Chegada à hora de mudar de lado, sendo o governo composto pela ex-esquerda, e o argumento alterna, indo direto para a UDN e o PSD em nível nacional.

As afirmações seguem iguais. Agora o argumento para o fator voto é a falta de consciência, não de classe, mas de cidadania e civilidade. A frente por um país decente evoca as vassourinhas de Jânio Quadros e algo de um lacerdismo tardio clamando contra o “mar de lama” que assola o herdeiro do Catete, ou seja, o Planalto. Os marketeiros da direita se perguntam, como pode o ex-metalúrgico receber tantos votos ainda que tenha a dezenas de auxiliares e correligionários envolvidos diretamente com esquemas no mínimo espúrios?!

O eleitorado não vota necessariamente na decência pregada por aqueles que atiram pedras mesmo tendo telhado de vidro. Digo mais. O grau de complexidade das informações vindas de dossiês, sempre leva algum tempo até tornarem-se um folhetim consumível. Daí a mudar preferências é um largo trecho. Afirmei isto no último artigo de batalha escrito; e as coisas tendem a se confirmarem. Pode até dar em 2º turno, mas fruto de operações e seguimentos de inteligência e contra-inteligência.

Devemos admitir que em nosso país, 74% das pessoas são analfabetas funcionais. Assim, as proezas das informações instantâneas, expressam-se em outro idioma para a maioria dos brasileiros.

Na campanha com voto preferencial sedimentando-se, o grau de compreensão das operações que acercam a ex-esquerda da direita de sempre não chegara a superar o também já conhecido utilitarismo do contrato do jogo eleitoral. Na mesma campanha tocada adiante com militância paga, o candidato da situação não vai ao debate. Não era de estranhar.

enviar •
imprimir •






« voltar