Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

No Uruguai: a vitória da Frente Ampla e a derrota da esquerda

anarkismo.net

Quando a política barganha com a impunidade e os crimes de lesa-humanidade, como os perpetrados contra o militante sindical e libertário León Duarte (foto), a vitória eleitoral deixa ares de negociação de coxia ao preço das crenças das maiorias ainda em silêncio sepulcral. O velho Bordaberry deve ter comemorado a vitória de Pirro de Pepe e seu vice neoliberal.

30 de outubro de 2009, da Vila Setembrina, Continente de Sepé, Liga Federal de Artigas y Valientes, Bruno Lima Rocha

No último domingo dia 26 de outubro o Uruguai foi às urnas para o primeiro turno de suas eleições gerais; sendo que o segundo turno será no dia 29 de novembro. Ao contrário do Brasil, lá não tem re-eleição, o que impediu o atual presidente da Frente Ampla (FA), o médico Tabaré Vázquez, de emplacar uma hipotética vitória. Após uma interna larga e duríssima, a chapa da situação de esquerda amarrou o consenso, lançando o ex-guerrilheiro José Pepe Mujica na cabeça e o economista Danilo Astori de vice.

enviar •
imprimir •

A candidatura do FA atingira, até a conclusão deste artigo (cuja redação original foi na tarde de 3ª, 27 de outubro), a 48,16% dos votos. Foram seguidos pelo candidato blanco, o ex-presidente Luis Alberto Lacalle (Partido Nacional, PN) com 28,94%; bem atrás se localiza o candidato do Partido Colorado (PC), Pedro Bordaberry, filho do golpista de 1973, chegando a apenas 16,9% dos votos. No fim da fila, o pequeno Partido Independente (PI), com o advogado Pablo Mieres, marcando apenas 2,47% de votos. Na ponta ainda mais à esquerda do mapa eleitoral, a Assembléia Popular (AP) com Raúl Rodriguez, fechou com cerca de 1%.

Ao contrário do que possa parecer, o título do artigo não se relaciona com a derrota da AP e sim com o fenômeno de ganhar nas urnas e perder nos plebiscitos. Explico. Ao contrário das eleições brasileiras, a democracia uruguaia tem tradição de tipo direto e plebiscitário. Neste ano de 2009, estavam em jogo duas reivindicações históricas da esquerda uruguaia. Uma dizia respeito ao direito dos cidadãos emigrantes a votarem no exterior, o chamado Voto Epistolar. A outra pedia a Anulação da Lei de Caducidade, que na prática perdoa os militares acusados de crimes contra os direitos humanos durante a ditadura militar (1973-1985) desde que os mesmos não tenham motivação econômica.

A lei data de 1986 e foi assinada no primeiro governo de Júlio María Sanguinetti (1985-1990, o segundo foi de 1995 a 2000). Em 1989, após dois anos de intensa militância por coleta de assinaturas, a Lei de Caducidade foi a plebiscito e a esquerda perdeu, após uma campanha de medo e pressão vinda dos militares da reserva e da ativa. Estando na presidência, Tabaré fez o que pode para evitar a questão. Embora alguns ex-mandatários da ditadura estejam em prisão especial ou domiciliar, os operadores intermediários não foram molestados, deixando o alto-comando atual das diminutas Forças Armadas uruguaias, cômodo e satisfeito.

Durante a campanha desse ano, a FA repetiu o gesto. Mujica esquivou-se do tema, chegando a declarar que não teria sentido “pôr algumas dezenas de velhinhos em cana”. O resultado se nota nas urnas. A anulação da Lei de Caducidade perdeu, com 52,64% votando pela manutenção da mesma. Já o Voto Epistolar apanhou de relho, sendo recusado por 63,07% do eleitorado.

Qualquer semelhança com a pífia atuação de Lula na abertura de arquivos da ditadura não é mera coincidência. Na Banda Oriental a história se repete. O ex-tupamaro encabeça a maior votação da história da “esquerda” uruguaia enquanto suas bandeiras históricas são abandonadas ao largo do caminho.


Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar