Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Os controladores estão na ponta do problema


A última rebelião dos sargentos ocorreu no ano de 1963 e terminou com a Rádio Nacional ocupada. Este episódio aumentou o pânico da quebra da hierarquia e desobediência para os oficiais

3ª, 10 de abril de 2007, Vila Setembrina dos Farrapos, Continente de São Sepé

O inferno prometido não se sucedeu. Finda a páscoa, o feriado mais importante para os católicos brasileiros não viveu o caos das duas últimas semanas. No olho do furacão, a sociedade brasileira assistiu o giro do problema. O Núcleo Duro desviou a atenção tanto da CPI do Apagão, que não houve, como das suspeitas levantadas na gestão da Infraero durante o primeiro mandato. Seguindo o padrão da política nacional, vários fatores incidiram em um cenário complexo. E, como quase sempre, a corda arrebentou para o lado mais fraco.

enviar •
imprimir •

Abaixo das nuvens de fumaça e manobras diversionistas, está uma gestão temerária, abdicando do planejamento em nome do casuísmo chamado de “governabilidade”. O problema, no meu ponto de vista, não está no ato reivindicativo de uma mão de obra especializada e que ganha muito abaixo dos padrões da própria categoria. Nas entranhas do Estado brasileiro, peleiam as prerrogativas das Forças Armadas e a ausência de obras de infra-estrutura. Isto porque a Infraero, inexplicavelmente ainda vinculada ao Ministério da Defesa e não aos Transportes, havia prometido a reforma de pelo menos 65 aeroportos. Entendendo por reforma ampliação das pistas e da capacidade de tráfego e não lojas de conveniência e saguões de passageiros.

Na outra ponta do problema não está somente a ausência de fiscalização, mas também a ineficiência interventora. Tanto a Controladoria Geral da União (CGU) – com status de ministério, como o Tribunal de Contas da União (TCU) se superpõem em relação a denúncias e investigações. No mesmo caso de licitações suspeitas, podem intervir distintas agências e órgãos estatais. Além dos citados acima, os Ministérios Públicos de São Paulo e Federal também fizeram denúncias.

Se tudo resultasse em uma ágil força-tarefa sob comando de um delegado federal disposto a tudo, seria uma boa saída. Na ausência desta força, quanto mais dados, mais confusões, aumentam os fatos midiáticos e tudo permanece onde está.

Tamanha é a impunidade e o entrevero jornalístico que em todo momento trocamos o boi pelo bife. No caso agora, a Geni da aviação são os controladores e não o desgoverno dos últimos anos. Trabalha-se com a noção de que os grandes movimentos econômicos são inexoráveis. Foi o que ocorreu em relação à falência da Varig e a recente compra do que restara desta pela Gol. Assim, o Brasil tem a proeza de ter um Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) que julga os processos depois dos mesmos estarem, de fato, consumados.

Isto porque, embora o órgão com capacidade de preventiva e repressora de abuso econômico ainda não tenha julgado, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), segundo sua própria página oficial “em reunião de diretoria ocorrida em 03 de abril de 2007, concedeu autorização prévia à aquisição da VRG Linhas Aéreas S.A. pela GTI S.A., sendo que, em virtude do valor da transação, a matéria será objeto de apreciação compulsória pelo CADE.”

É impossível compreender o caos aéreo brasileiro se não observarmos que o aumento da demanda veio ao encontro do encolhimento e concentração do setor. Em menos de duas décadas fecharam Transbrasil, Vasp e agora Varig. Os aeroportos recebem mais gente, embora as instalações físicas das pistas e hangares não aumentam. E, como que por mágica, os responsabilizados pela crise são os controladores de vôo? Com certeza a resposta é não.

O problema é complexo embora tenha algumas saídas visíveis. Uma delas diz respeito das relações civil-militar e é algo bastante delicado. Escreverei sobre isso posteriormente, mas deixo aqui uma premissa. O Tenente-Brigadeiro Juniti Saito e os demais oficiais-generais e aviadores tem que compreender que a atividade-fim é ser a Força Aérea e não mais a “Aeronáutica”. Isto implica, necessariamente, separar os Cindactas em Defesa e Controle e criar escolas civis de controladores de vôo, a serem admitidos sob concurso público.

Outra saída urgente é conseguir um ministro da Defesa dotado de equipe própria e com capacidade de liderança sobre a caserna. Algo que, definitivamente, Franciso Waldir Pires de Souza não tem.

Por fim, Luiz Inácio e seu Núcleo Duro têm de admitir terem aberto um precedente militar. Ou se reestrutura o sistema aéreo brasileiro, ou esta crise será apenas um capítulo em um largo livro que começou a ser escrito nas desventuras do tenente-coronel aviador Haroldo Veloso.






« voltar