Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

São Paulo e a incoerência das alianças

Luciano Siqueira

As contradições das alianças políticas.

11 de outubro de 2012, Bruno Lima Rocha

A virada das eleições municipais em São Paulo gerou um resultado que de tão parelho, cacifa (e muito) o manancial de votos dos derrotados. José Serra (PSDB) termina o primeiro turno com 30,75% dos votos, seguido por Fernando Haddad (PT) com 28,98%. Em terceiro lugar o azarão que liderou as “científicas” pesquisas até os últimos dias antes do pleito.

Celso Russomano (PRB) fechou com 21,60%, seguido por Gabriel Chalita (PMDB) com 13,60% dos votos. Para além da aliança com o terceiro e o quarto colocados, sair em busca dos votos do ex-repórter do Aqui e Agora e do correligionário de Michel Temer implica em se aproximar de heranças e caciques políticos outrora rivais.

enviar •
imprimir •

Recordar é viver e a dança das alianças é sempre incoerente. No segundo turno das eleições estaduais de 1991, o PT quase rachado apoiou Luiz Antônio Fleury Filho, à época ainda herdeiro político de Quércia. O argumento petista era que com Maluf, a PM paulista teria licença para matar indiscriminadamente. Fleury ganhou e a tese se provou furada no dia 2 de outubro de 1992, quando seu governo autorizou o Massacre do Carandiru.

Em 1994 Marta Suplicy e Mário Covas disputaram voto a voto a vaga para o segundo turno das eleições estaduais. Covas superou Marta por apenas 70 mil votos e contou com o apoio da legenda de José Dirceu para enfrentar e vencer Paulo Maluf na corrida ao Palácio dos Bandeirantes. Começava ali a era tucana em São Paulo.

No segundo turno do pleito para a prefeitura paulistana de 2000, a aliança é retomada. O então governador Mário Covas apoiou Marta Suplicy contra Maluf. A ex-ministra do Turismo de Lula derrotou o ex-interventor da ditadura agradecendo publicamente ao rival tucano. A rivalidade PSDB-PT é tão circunstancial como a aliança entre Lula, Paulo Salim e o quercismo.

Três setores tornam-se fundamentais para a segunda volta das eleições paulistanas: o PMDB, ainda vinculado às redes de relações de Quércia; a reserva eleitoral dos fiéis neopentecostais da Igreja Universal do Reino de Deus, rivalizando com o apoio da Assembleia de Deus para Serra; e o sempre presente peso político do malufismo.

Em 2010, a ex-guerrilheira Dilma Rousseff fechou sua chapa para o Planalto baseando-se no tripé acima. Mas, como toda aliança tática e não programática é fluida, tudo está em aberto.

Mesmo que o “bispo” Edir Macedo, o vice-presidente Michel Temer e o nobre deputado federal Paulo Maluf apoiem explicitamente a Fernando Haddad, a transferência de votos baseada nunca é tão direta.

Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat.






« voltar