Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

As manobras e contra-manobras de Evo e a oligarquia de Santa Cruz


O real adversário da oligarquia cruceña não é o centralismo estatal que inexiste, mas sim o pluralismo jurídico e organizativo, protagonizado pelos movimentos populares e coordenações dos povos originais de Bolívia.



Após o plebiscito promovido pelas entidades político-sociais organizadas pela oligarquia de Santa Cruz de la Sierra, uma manobra tentou emparedar o governo do MAS com o ex-líder cocalero à frente. Segundo a medida proposta – aprovada no Senado boliviano – através da bancada do partido Podemos, todos os chefes de Executivos na Bolívia irão a referendo revogatório. A partir deste ponto, o tema “autonomia” se nacionaliza, ultrapassando o discurso de fundo chauvinista da chamada Media Luna.

A oligarquia cruceña puxa os departamentos de Beni, Pando e Tarija. Estes escreveram os estatutos autonômicos tendo como base não um princípio de federação e pluralismo jurídico. Justo o oposto. Sua base é fortalecer os Executivos locais, fundamentar a “autonomia” econômica, com abertura de taxação, comércio exterior e Justiça própria. Bolívia passaria a ser uma colcha de retalhos e não um Estado-Nação. A proposta dos movimentos e coordenações sociais caminha pela margem esquerda da via. E, partindo para a ofensiva, o Executivo de La Paz aposta em um mecanismo clássico da democracia participativa.

Deveria ser uma “norma” de qualquer DEMOCRACIA maiúscula, desenvolver sua musculatura institucional de modo que a população possa avaliar seus dirigentes eleitos. Na metade do mandato, e não necessariamente no momento eleitoral, um referendo é muito bem vindo. Desta forma, Evo Morales (presidente), Álvaro García Linera (vice) e os nove “prefectos” (governadores departamentais) serão avaliados em um referendo no dia 10 de agosto. A jogada de Branko Marinkovic, presidente do Comitê Pró-Santa Cruz, é tentar sabotar o referendo revogatório e adiantar as eleições gerais. Assim, a idéia de “autonomia” dos terratenientes exportadores é circunstancial e tática.

A via estratégica de “autonomia” passa justamente por um pacto nacional distinto. No meu modo de ver, as medidas são bem focadas. Os 5 pontos pactados com os prefectos de Oruro, La Paz, Potosí, Chuquisaca e Cochabamba, e com a presença de observadores de países “amigos”, foram os seguintes: - a redistribuição impositiva, com o Imposto Direto sobre os Hidrocarburos (IDH); - a autonomia em base constitucional, transferindo inclusive a possibilidade de legislação comunal dos Mallku; - uma medida que aposta na via produtiva e alimentar, considerando a alta dos alimentos no mundo (fruto de especulação) e a urgente redução de pobreza na terra de Inti Paredo; - o fortalecimento das Instituições do Estado democrático, institucionalidade essa ameaçada não apenas pelos narco-oligarcas como também pelo experimentalismo popular através da publicização do Estado; - e por fim, a definição dos membros do Conselho Nacional Eleitoral.

De tudo proposto no pacto com metade do país, as duas últimas medidas são àquelas onde se encontra a debilidade. O fortalecimento institucional resulta simplesmente impossível neste momento, pois é justamente o Estado o que está sendo questionado. A regulação social, se levada em conta pela maioria de povos originais transformada em hegemonia, passará pelo espaço público popular e não pelo estamento através de serviço público (concursado ou não). Por sorte, tampouco os auto-proclamados “cambas” querem uma instituição estatal fortalecida. A meta deles é seguir acumulando e fazendo o que bem entende. Apostam no antecipar das eleições gerais e o no incentivo do “clima de caos” no país. A manobra do MAS foi acertada, trazendo para o campo do diálogo e dos debates de fundo, indo além do falso pragmatismo da elite cruceña. Nesta guerra, a batalha atual foi vencida por Evo e sua equipe.

enviar •
imprimir •






« voltar